O Design Thinking é uma abordagem ágil que auxilia as organizações a colocarem a inovação em prática. O método não é restrito apenas a empresas inovadoras, podendo ser aplicado em organizações dos mais variados segmentos e distintos níveis de maturidade. Empresas que adotam o Design Thinking continuamente estão redesenhando seus negócios visando avançar no processo de inovação e eficiência para obter maior assertividade no atendimento de seus clientes. 

A abordagem do Design Thinking requer a formação de um time multidisciplinar e heterogêneo que trabalhe de forma colaborativa e harmônica na construção de soluções para lidar com problemas complexos que atendam à praticabilidade, à viabilidade e à desejabilidade, gerando valor às organizações.

Ao aplicar ferramentas ágeis, a exemplo do Design Thinking, é possível avaliar como as pessoas se relacionarão com novos processos, produtos e serviços. Ao fazer o exercício de colocar-se no lugar do cliente e apresentar diferentes pontos de vista, torna-se viável explorar as mais diversas possibilidades, redefinindo o problema de forma clara e precisa e, assim, partir para exploração das possíveis soluções e construção de protótipos para implementação. 

A partir dessa interação, fica muito mais simples perceber os pontos fortes e os riscos dos projetos, ter novas ideias para melhorias e realimentar a criatividade, que é uma grande aliada da inovação. Nesse contexto, o papel do designer é de facilitador — extraindo informações criativas de "pessoas comuns" — ajudando a identificar significado, insight e inspiração. Isso porque, a participação deste time em todo o processo é fundamental para garantir uma solução mais adequada a resolver o problema em estudo. 

Centrada no ser humano, o Design Thinking é baseado em empatia, colaboração e experimentação, contribuindo com a inovação de processos, produtos e serviços, ou para reformular os já existentes em cenários complexos.

A dinâmica do Design Thinking

Por tratar-se de um processo colaborativo e com foco em pessoas, o Design Thinking proporciona benefícios claramente perceptíveis, por promover a empatia entre todos os envolvidos em um projeto ou tarefa e prever a observação das necessidades das pessoas, antes de definir uma solução. A diversidade do time de projeto é imprescindível para construir soluções inovadoras e eficazes que resolvam o problema em questão. 

A abordagem considera três aspectos:

  • Praticabilidade: o que é possível ser aplicado em um futuro próximo.
  • Viabilidade: o que poderá ser implantado de forma sustentável na organização.
  • Desejabilidade: o que faz sentido para as pessoas?

Um exemplo prático de aplicação da dinâmica do Design Thinking no processo de inovação é o caso da Oral-B. Ao observar cuidadosamente como as crianças manuseavam as escovas de dente, a Oral-B desenvolveu um novo produto, o “squishy grip“. O produto apresenta um cabo grande e macio, que facilita o controle da criança e permite uma melhor limpeza dos dentes. Somente usando a empatia, a empresa conseguiu inovar e transformar a indústria, entendendo melhor as necessidades das crianças em relação às escovas de dente para melhorar a experiência delas.

Uma cultura organizacional inovadora é um dos pilares da formação de grupos colaborativos para participar do processo de Design Thinking. Para isso, é necessário adaptar a cultura da empresa para a inovação. Fator que impulsiona a criação de um ambiente propício, com as condições adequadas para implementar a dinâmica do Design Thinking.

Entenda a importância do Design Thinking na mudança da cultura organizacional, contribuindo para a inovação e um novo mindset. 

Princípios da dinâmica do Design Thinking:

  • Colaboração: proporcionar que as pessoas trabalhem juntas para compreender os diferentes pontos de vista e criar soluções que geram impacto real e positivo na vida de todos.
  • Experimentação: visualizar, o mais rápido possível, novas situações para compreender, melhorar e testar hipóteses, antes que sejam desperdiçados tempo e recursos financeiros.
     
  • Empatia: compreender, efetivamente, as necessidades das pessoas para desenvolver soluções que estejam profundamente comprometidas com a melhoria da situação atual.
  • Multidisciplinaridade: democrático e colaborativo, a riqueza de ideias está na diversidade de perfil dos participantes. Quanto mais visões diferentes, mais ideias para serem amadurecidas e testadas.
  • Liberdade: o ambiente para o processo de Design Thinking deve ser livre de julgamentos. Os participantes precisam se sentir parte do processo e com total liberdade para sugerir diferentes pontos de vista. 

Mapa da jornada de aplicação do Design Thinking

Há várias maneiras de aplicar o Design Thinking no processo de inovação. Uma abordagem muito adotada é a do duplo diamante, criada pelo Conselho Britânico de Design em 2005, que prevê quatro momentos distintos, sendo duas etapas de divergência de opiniões e duas etapas de convergência.

 

Dt

Referência

 

O primeiro momento é de divergência em que se busca descobrir o tema em questão e em estudo. O segundo é a convergência em que se trabalha para definir a persona, identificando perfil, comportamento e necessidades do público alvo. O terceiro momento volta a ser de divergência e serve para desenvolver uma solução para o tema em questão. A quarta fase, chamada de entrega, é quando se define um protótipo para testar a solução.  

Adotar o Design Thinking no processo de inovação exige iniciativas que vão além de capacitar os profissionais para utilizarem ferramentas ágeis, como o Design Thinking. A capacitação técnica é fundamental, mas é imprescindível avaliar a forma como cada indivíduo pensa sobre suas atividades, como reage aos estímulos do dia a dia e fazer os ajustes necessários para que a mentalidade ágil torne-se parte da cultura organizacional.

O meu mais novo livro A Jornada Ágil — um caminho para inovação, aborda de maneira prática o  Design Thinking e como implementá-lo no processo de inovação de uma organização. De forma clara e objetiva, apresentamos uma série de ferramentas para auxiliar no processo de inovação, seja em uma startup, em uma empresa de tecnologia robusta ou até mesmo em empresas tradicionais que estão no caminho da transformação ágil

A obra Jornada Ágil, ajuda a entender qual é o caminho lógico que as empresas, líderes e equipes podem trilhar para adotar o modelo ágil de pensar e agir de maneira efetiva. Oferece uma visão geral do processo de implementação do modo ágil de atuar, dividindo-se em mindset ágil e ferramentas ágeis. Você pode adquirir seu exemplar acessando este link

Está interessado em implementar o Design Thinking no processo de inovação da sua organização?  Entre em contato e vamos conversar sobre a possibilidade de realizar um workshop in company, desenhado sob medida para a sua organização.