Posts

Lideranca Agil

Liderança ágil e inovadora: como desenvolvê-la nas empresas

O contexto atual torna urgente a necessidade de uma transformação organizacional para adaptar-se às mudanças exponenciais. Para isso, a mentalidade ágil deve integrar a cultura de uma organização para que os valores, princípios e práticas do Manifesto Ágil estejam integrados à rotina. Dessa forma, a gestão tradicional focada no comando e controle abre espaço para uma liderança ágil e inovadora.  

Um líder inovador possui competências essenciais para manter os colaboradores motivados e alinhados com o propósito da organização, como empatia, resiliência, escuta ativa, adaptabilidade e flexibilidade. Além disso, precisa atuar em um ambiente que propicie segurança psicológica, gerando confiança necessária para proporcionar autonomia nas relações de trabalho

Para desenvolver uma liderança ágil e inovadora, não basta apenas capacitar os profissionais a implementarem ferramentas, como o Design Thinking e o Scrum, por exemplo. A iniciativa exige que a organização inicie a jornada ágil rumo à inovação. 

O livro “Liderança para a inovação — como aprender, adaptar e conduzir a transformação cultural nas organizações” do qual sou uma das autoras, aborda a transformação cultural necessária para promover a inovação nas organizações. Desde habilidades e processos que precisam ser incorporados na cultura organizacional para promover essa mudança até exemplos de modelos de negócios inovadores e como as organizações estão se adaptando ao novo contexto exigido nos dias atuais. 

Uma liderança inovadora trabalha para que os colaboradores atuem em duas frentes:

  • Inovação

A inovação contribui para que os colaboradores possam ser criativos, colaborativos, engajados, estejam dispostos a correr riscos e tenham autonomia para procurar soluções alternativas para a resolução de problemas, além de abraçar a experimentação de novas ideias.

  • Processual

A equipe tem mais aderência às regras e aos processos, está disposta a correr riscos. Além de estar focada em atingir objetivos claros e específicos que levem à eficácia operacional. 

Clique aqui e veja um infográfico sobre Agilidade e Inovação na Liderança. 

 

Características de uma liderança ágil e inovadora

  • Foco nas pessoas

Uma gestão humanizada preocupa-se com o bem-estar das pessoas nas relações de trabalho acima dos resultados. Dessa forma, está engajada em formar equipes de alta performance, gerando maior eficiência aos processos organizacionais, sem negligenciar a qualidade de vida dos colaboradores.  

  • Segurança psicológica

Lideranças inovadoras encorajam seus colaboradores a pensarem diferente, fornecer condições para tal e estimulam a experimentação. Para isso, é importante criar um ambiente de trabalho seguro que contribui para que os mesmos sintam-se confortáveis em compartilhar suas ideias, sem receios.

  • Colaboração 

O papel da liderança inovadora está em encorajar e orientar os colaboradores a evoluírem na direção da colaboração para alcançar os objetivos definidos. Afinal, inovação se faz com pessoas! Por esse motivo, uma liderança ágil e inovadora deve exercitar o olhar para o quanto a co-criação é muito mais potente do que a individual. Nesse sentido, compartilhar conhecimento e informação de forma transparente deve ser o princípio da cultura organizacional. 

  • Senso de propósito

Líderes inspirados pelo senso de propósito influenciam positivamente seus liderados, estimulando relações saudáveis e o fortalecimento do protagonismo das pessoas para tomada de decisões estratégicas.

  • Empatia

Uma liderança inovadora preocupa-se em trabalhar a inteligência emocional para compreender as pessoas e situações complexas da rotina organizacional, estimulando a comunicação aberta, clara e síncrona entre o time. 

  • Cultura de feedback ágil

Líderes ágeis e inovadores criam ciclos de feedbacks constantes e se auto avaliam constantemente para que consigam encontrar formas de levar a equipe para outro nível. Implementar a cultura de feedback contínuo é relevante para que gestores acompanhem de perto os projetos, garantindo que os objetivos estejam alinhados e colocando os colaboradores em primeiro lugar. 

  • Engajamento de equipes remotas

Atualmente, para grande parte das empresas e seus colaboradores, qualquer lugar pode se tornar um escritório: tendo os equipamentos, conexão com internet e concentração necessários, o trabalho presencial passou a ser uma opção, não mais uma regra. Nesse contexto, uma liderança ágil e inovadora é essencial para manter sinergia entre empresa, gestores e liderados.

  • Compartilhamento de conhecimento

Líderes inovadores valorizam a troca para que a gestão do conhecimento dentro de uma organização seja mais rica e eficaz. Assim como também incentivam a diversidade ao priorizar a pluralidade de vozes para promover as mudanças necessárias no ambiente corporativo. 

Acesse o Checklist: Metodologias Ágeis para equipes de alta performance, desenvolvido a partir do Webinar realizado em parceria com a Feedz — plataforma que cria ambientes de trabalho mais felizes sobre o tema, para conhecer as metodologias recomendadas para formar equipes de alta performance e potencializar os resultados. 

 

Como desenvolver uma liderança ágil e inovadora nas empresas

O desenvolvimento de líderes inovadores é um aspecto essencial das organizações ágeis. Para incentivar que equipes e líderes estejam sensibilizados sobre a importância da cultura ágil, é preciso estabelecer um ambiente de trabalho criativo em todos os níveis da organização. 

Confira os pontos em comum das organizações ágeis:

  • objetivos comuns disseminados por toda a organização;
  • executivos, líderes e times capacitados;
  • decisões rápidas e aprendizagem constante;
  • líderes ágeis que estimulam colaboradores a assumirem protagonismo;
  • tecnologia integrada e essencial ao negócio.

Além desses pontos, as organizações devem investir ainda em outros aspectos que favoreçam um ambiente de trabalho criativo que impulsione a agilidade e, consequentemente, a inovação:

Colaboração e comunicação: é preciso estimular a colaboração e a troca de ideias para criação conjunta de soluções. 

Aceitação de novas ideais: os líderes devem incentivar o desenvolvimento e a exploração de ideias.

Liberdade: um ambiente criativo define objetivos claros para fornecer liberdade e direção para o entusiasmo dos colaboradores. 

Aceitação do risco: o risco é parte do processo criativo que visa produzir boas ideias. 

Reconhecimento: o reconhecimento por geração e desenvolvimento de ideias é importante para que a equipe sinta-se valorizada. 

Confiança: estimular um ambiente em que as pessoas sintam-se seguras é fundamental para que elas desenvolvam soluções inovadoras.

 

Quer desenvolver uma liderança ágil e inovadora na sua organização? Conheça palestras e workshops que ofereço para auxiliar empresas a implementarem a cultura criativa rumo à inovação. 

 

Metodologias Ageis

Metodologias ágeis e plataformas de gestão de equipe

A abordagem de metodologias ágeis contribui para otimizar a rotina organizacional, impactando no aumento da eficiência e eficácia dos processos e, assim, torná-los ágeis. Implementar a cultura ágil em uma organização exige o planejamento adaptativo, times autogerenciáveis e multidisciplinares para que seja viável promover a melhoria contínua no desenvolvimento de produtos e serviços, alinhado aos valores e princípios descritos no Manifesto Ágil e muito já comentado em outros posts nossos. 

A agilidade permite que as empresas ajustem seus processos de forma proativa na busca pela inovação. Para implementar as metodologias ágeis de maneira bem-sucedida na cultura organizacional, é importante que os seguintes fatores estejam bem estabelecidos, bem como adotar plataformas de gestão de equipe que automatizam os processos de rotina. 

  • Objetivos comuns disseminados por toda a organização

Executivos, líderes e liderados devem estar alinhados com os objetivos estratégicos da empresa para que sejam alcançados.

  • Executivos, líderes e times capacitados

É necessário investir em equipes multifuncionais e autogerenciáveis que tenham capacidade técnica e habilidades interpessoais para entrega dos resultados esperados, bem como autonomia para propor soluções inovadoras e fornecer resultados diferenciados.

  • Decisões rápidas e aprendizagem constante

Líderes e equipes capacitadas que estejam alinhados aos objetivos da organização são capazes de tomar decisões e aprender com as situações rotineiras, assumindo riscos controlados.  

  • Líderes ágeis que estimulam colaboradores a assumirem o protagonismo

Líderes ágeis adotam um modelo dinâmico de gestão de pessoas com intuito de promover o alto engajamento, capacitando a equipe a assumir o protagonismo e gerando confiança para cumprimento do propósito da organização.

  • Tecnologia integrada e essencial ao negócio 

A tecnologia integrada é essencial para todos os aspectos da organização, gerando valor e possibilitando reações rápidas para adaptar-se às necessidades de mercado. 

Confira o Webinar Estratégias ágeis com times de alto desempenho e entenda a importância de promover agilidade nos processos de concepção de produto e solução de problemas, estimulado pela formação de squads, onde cada projeto conta com pessoas com formações diferentes, experiências que se complementam e conhecimentos que agregam valor à entrega. 

O convidado do webinar, Bruno Soares, é CEO da Feedz. Plataforma completa para engajamento de colaboradores, desenvolvida com o propósito de proporcionar ambientes de trabalho seguros e saudáveis que estimulam a confiança e autonomia entre líderes e liderados. 

Aproveite para acessar o eBook: Metodologias ágeis para equipes de alta performance e entender os motivos pelos quais as metodologias ágeis são verdadeiras aliadas da cultura de inovação das organizações.

Aplicando as Metodologias Ágeis para a inovação organizacional

 A jornada ágil começa pela mudança de mentalidade, o que exige que todos na empresa sejam encorajados a ampliar sua postura para um mindset ágil. Organizações ágeis desenvolvem a capacidade de se ajustarem às intensas transformações que seguem em ritmo acelerado, estando abertas a mudar, falhar e acertar. 

Para isso, é necessário identificar as diferentes metodologias ágeis, assim como obter o entendimento de como aplicá-las à realidade da empresa.

Jornada Agil

A Jornada Ágil: um caminho para inovação

O modelo de gestão tradicional torna-se cada vez mais obsoleto, exigindo a necessidade de uma transformação organizacional para adaptar-se rapidamente às mudanças exponenciais em curso. Para isso, as organizações precisam ser ágeis

Organizações que adotam uma cultura ágil, caracterizam-se pela capacidade de responder de forma rápida e efetiva à complexidade do mercado, inovando os processos organizacionais para potencializar o crescimento de maneira sustentável. 

Para promover a agilidade na organização é preciso implementar metodologias ágeis, como Design Thinking, Scrum e OKR, por exemplo. Além disso, é fundamental desenvolver habilidades e competências para formar uma equipe ágil, em que cada indivíduo (líderes e liderados) possui autonomia para desempenhar as suas atividades, assim como gerar resultados relevantes para superar os desafios do dia a dia. 

Importante ressaltar que, embora usar uma abordagem ágil seja desejável, por si só isso não levará necessária e automaticamente uma organização a ser ágil. Tornar-se uma organização ágil requer o alinhamento de muitas tomadas de decisões organizacionais.

Por isso, a importância de iniciar a jornada ágil no ambiente corporativo. A jornada ágil ajuda a entender qual é o caminho lógico que as empresas, os líderes e as equipes podem trilhar para aumentar a performance ao adotar o modelo ágil de pensar e agir. Ela oferece uma visão geral do processo de implementação do modo ágil de atuar e é dividida em duas etapas: mindset ágil e ferramentas ágeis.

Implementando a gestão ágil na cultura organizacional

A partir da criação do Manifesto Ágil, esse modelo de gestão disruptivo passou a ser a regra e não mais exceção, substituindo uma gestão de comando e controle, por uma liderança flexível, com poder de adaptação e foco nas pessoas como parte essencial da cultura organizacional. 

Visando ampliar o entendimento sobre gestão ágil, a obra A Jornada Ágil: um caminho para inovação, apresenta os conceitos e caminhos para implementar as metodologias ágeis em uma organização. Escrito colaborativamente pelos especialistas em inovação e organizações ágeis Roberto Mosquera, Claudia Pires, Maria Augusta Orofino e Marco Santos, o livro pretende ser um guia para orientar lideranças a incorporarem as principais ferramentas ágeis para migrar do modelo tradicional para o modelo ágil.

O livro apresenta o conceito de organização ágil, destacando ainda quais são seus benefícios, as ferramentas utilizadas e as mudanças necessárias na cultura de uma organização para que ela se torne ágil. Assim como, detalha os passos necessários para o desenvolvimento de uma liderança ágil e inovadora, ressaltando a importância do papel do líder e das equipes de alto desempenho em uma cultura ágil, que possibilita rapidez e eficiência dos processos para alcançar melhores resultados.

Para implementar o método ágil a empresa precisa preparar as pessoas para essa transformação cultural — ou seja, estimular o mindset ágil em seus colaboradores, que tem como características principais: a colaboração, a busca por melhores resultados, a aprendizagem, o senso de pertencimento, o foco na entrega de valor agregado e, especialmente, a capacidade de adaptação às mudanças. Esse tipo de mentalidade permite cultivar equipes de alta performance e entregar maior valor aos clientes.

Uma equipe ágil é aquela que possui um alto grau de comprometimento e alta competência, conectadas por valores em comum, visão e engajamento, além de conhecimentos complementares e interdisciplinares, diferentes habilidades, competências e opiniões. Com equipes e líderes motivadas a agir e produzir resultados consistentes e relevantes, a organização está preparada para inovar seu modelo de negócio. 

Para alcançar esse nível de maturidade organizacional, a solução está em adotar os princípios ágeis adaptados para responder às necessidades do mercado de atuação do negócio, aumentando a velocidade geral para a tomada de decisões e maximizando a eficácia e a eficiência dos processos organizacionais.

Cada organização tem uma realidade sobre seus processos atuais, sobre o estágio de transformação do mercado em que atua ou deseja atuar, sobre o mindset de seus líderes e equipes e sobre as ferramentas utilizadas para atingir os resultados definidos no planejamento estratégico. 

A partir daí, o plano de implantação poderá ser construído identificando oportunidades, desafios, alavancas de sucesso, patrocinadores, detratores, gaps técnicos e comportamentais que precisam ser desenvolvidos para que a transformação ágil aconteça. Ou seja, cada empresa, líder ou equipe precisa criar a sua própria jornada ágil.

É preciso estar preparado para a transformação ágil das organizações. Convido você a fazer parte dessa jornada. No dia 24 de março, às 19h, será realizado um webinar de lançamento do livro A Jornada Ágil: um caminho para inovação, reunindo os autores para uma conversa que será transmitida ao vivo no meu canal do YouTube. Participe conosco!

 

Líder Do Futuro

Líder do futuro: características que impactam na performance das organizações

O líder do futuro possui habilidades necessárias para absorver as mudanças complexas e adaptá-las para promover melhores resultados para a empresa mesmo diante de um cenário de incertezas em que inovar não é uma opção, mas essencial para a sobrevivência dos negócios.

Isso porque, o líder tem impacto decisivo sobre a performance das organizações, especialmente as que trilharam o caminho da inovação. Fator que exige um perfil de liderança que encare a imprevisibilidade e o dinamismo do mercado, apostando na mudança do pensamento e adotando um novo modelo de negócio. 

Uma liderança inovadora é um dos pontos essenciais para implementar a cultura de inovação nas organizações, visando descentralizar decisões e proporcionando autonomia nas relações de trabalho. O líder do futuro promove uma gestão baseada na competência e na confiança, afinal, descentralizar é reduzir tempo e ter visões diferentes sobre os processos empresariais.

Por esse motivo, cada vez mais, presenciamos a preferência por lideranças mais adeptas ao processo colaborativo da cultura ágil, melhorando assim o trabalho em equipe. O livro ‘Liderança para a inovação: como aprender, adaptar e conduzir a transformação cultural nas organizações’, reúne uma série de artigos de minha autoria que mapeiam desde as habilidades e os processos necessários para promover uma mudança cultural, passando pelos modelos de negócios e as adaptações das corporações ao contexto exigido nos dias atuais.

Confira o  Webinar do Lançamento do Livro "Liderança para Inovação" com o convidado Eberson Terra, reconhecido executivo com quase duas décadas de experiência na área de educação, tecnologia, processos e gestão de projetos.

Habilidades e competências da liderança do futuro 

Habilidades Interpessoais são essenciais para a liderança do futuro. Além do conhecimento técnico outra característica importante é desenvolver competências diferenciadas para lidar tanto com o fator humano, como também com cenários complexos. 

Além disso, o desenvolvimento de hard skills e soft skills é essencial para formar um líder do futuro. Afinal, habilidades humanas como criatividade, comunicação assertiva e equilíbrio emocional foram apontadas no Fórum Econômico Mundial como indispensáveis para potencializar os resultados dentro das organizações.

As habilidades e competências da liderança do futuro promovem um ambiente de trabalho mais harmonioso, fator que contribui para manter os liderados motivados, engajados e felizes.

Características do líder do futuro

Equilíbrio emocional: o líder responsável por resultados exponenciais tem uma postura equilibrada. O equilíbrio emocional é uma qualidade desse perfil, que precisa conviver diariamente com diversas pessoas, incentivando-as a dar o melhor de si.

Sem vaidade: o líder sabe dialogar com todos e está disposto a aprender. Não tem todas as respostas. Quem ocupa um cargo de liderança em uma empresa inovadora, está mais preocupado em se cercar de talentos do que saber tudo.

Encorajador: o líder do futuro aprende constantemente, pois incentiva seu liderado a buscar sempre mais conhecimento. Com uma equipe preparada, a liderança toma decisões com confiança. Além de encorajar o aprendizado, permite um ambiente livre para questionamentos, contribuições e feedbacks. Inclusive a sua gestão é passível de críticas, que devem ser consideradas e respondidas sempre. A liderança não está acima dos outros, pois o próprio desenho de hierarquia não existe em organizações inovadoras.

Saber delegar e confiar: o líder do futuro deve promover autonomia nas relações de trabalho com seus liderados. Para isso, é preciso saber delegar e confiar, inspirando confiança e garantindo que as relações de trabalho sejam saudáveis em uma via de mão dupla. 

Atento aos dados: informação é tudo! Os dados mostram problemas, tendências e oportunidades. O líder do futuro é um profissional que acompanha toda a movimentação de mercado e de consumo, mudanças de comportamento dos consumidores, tendências que surgem no exterior e que podem ser adaptadas para o seu país. A habilidade de enxergar novos caminhos é outra qualidade desse perfil de liderança.

Gestão humanizada e descentralizada: investe no desenvolvimento de habilidades comportamentais de suas equipes, criando um ambiente harmônico com relações saudáveis, alinhamento de propósito e engajamento das pessoas para assegurar tanto a eficiência operacional como a inovação e criatividade, com foco nas pessoas. 

Empatia e diversidade: o líder do futuro sabe se colocar no lugar do próximo e respeita às diferenças. Sabe perceber sua equipe, tem empatia (tanto em questões profissionais, quanto pessoais) e propõe direcionamentos de acordo com cada pessoa e situação.

Domina técnicas de resolução de conflitos: não é só de alegrias que vive o líder do futuro. O dinamismo dos negócios e a pressão por resultados faz com que esse profissional precise lidar com problemas complexos. Conhecer métodos, como Design Thinking e metodologias ágeis é primordial para envolver seus liderados em processos de melhoria constante.

Adepto à inovação: se a ideia é buscar a inovação, o líder do futuro deve ser uma pessoa curiosa e atenta às novidades. A tecnologia precisa fazer parte de sua rotina. Estar próximo do que o mercado oferece é estar aberto a novas soluções. Nada como ser um usuário apaixonado por novas tecnologias para pensar como tal e conseguir, por fim, pensar em soluções mais próximas dos seus clientes.

Sua empresa está disposta a reinventar o perfil de liderança? Conheça as opções de capacitação que ofereço minha página de cursos para desenvolver as habilidades necessárias o líder do futuro.

 

Trabalho Remoto

Tecnologia como suporte ao trabalho remoto

Passado mais de um ano desde o início da pandemia causada pela COVID-19, o momento de adaptação ao trabalho remoto vem sendo vencido pela grande maioria das empresas. É interessante notar que, para cada organização, a adaptação se deu de uma forma diferente, levando em conta o seguinte: o que mais funciona para minha equipe? 

O Facebook, por exemplo, anunciou que deixaria que seus funcionários trabalhassem de casa para sempre, a depender da aprovação de cada gerente de área responsável. Já a Apple, anunciou que adotará o modelo híbrido, exigindo que seus funcionários trabalhem no escritório três vezes na semana.

O Nubank foi uma das primeiras empresas brasileiras a adotar o trabalho remoto como medida para garantir a segurança dos colaboradores. A fintech tem funcionários, distribuídos em escritórios em São Paulo, Berlim, Cidade do México e Buenos Aires, atuando em esquema home office desde 12 de março, um dia após a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar pandemia global pelo novo coronavírus. 

Para enfrentar o desafio de manter a colaboração viva em tempos de distanciamento, a empresa investiu no fortalecimento da cultura organizacional mesmo com seus colaboradores trabalhando de casa. O que inclui desde garantir a estrutura necessária para trabalhar de casa (como computadores, cadeiras e monitores), até o suporte emocional para passar por esse momento. Além disso, a empresa manteve um canal aberto com todos os Nubankers, onde informações são compartilhadas e qualquer um pode enviar comentários, sugestões e perguntas.

A XP Investimentos ampliou a prática de home office e estuda implementar o trabalho remoto de forma permanente. O sócio e responsável pela área de Gente & Gestão da XP, Guilherme Sant'Anna, garante que, após o fim da quarentena, o funcionário poderá escolher se trabalha de casa ou se vai para o escritório. 

Isso demonstra que não existe fórmula melhor ou pior, o que existem são tecnologias capazes de facilitar esse dia-a-dia e tais decisões. E é sobre isso que falaremos nesse artigo.

Otimizando o trabalho remoto

Primeiramente, uma organização que deseja ser líder no que se propõe a fazer, precisa estar pronta para se reinventar e transformar-se digitalmente. Realocando, inclusive, recursos, capital e talentos para que essa transformação seja ainda mais efetiva. 

O trabalho remoto pode melhorar a administração do tempo por sua dinamicidade, fazendo com que certas atividades sejam feitas com muito mais rapidez e de maneira eficiente. Atualmente, são inúmeras as soluções disponíveis para organizar processos, agendar reuniões, promover cursos online, plataformas para trocas de conhecimento e networking, entre outras.

Todas essas tecnologias permitem com que gestores e time estejam em sintonia, podendo otimizar resultados, objetivos e andamento de projetos:

  1. Busque por ferramentas ou métodos que indiquem os resultados das atividades realizadas pela sua equipe, assim é possível manter o foco na meta do negócio. E isso serve para todos os setores do time, seja tecnologia, vendas, marketing. Ter ciência dos resultados concretos é essencial — os OKRs e a metodologia de Scrum são um bom exemplo de metodologias inovadoras para aplicar na rotina da organização!
  2. Aproveite as ferramentas de automação de postagens em blogs e redes sociais e organize as metas semanais para você e sua equipe. Algumas redes sociais, possuem inclusive plataformas próprias para programar posts, otimizando tempo para manutenção do conteúdo que precisa ser postado.
  3. Ferramentas como o Trello, Miro, Notion, Canvas —  e agora, até o Google, vêm evoluindo cada vez mais suas plataformas para deixar tudo ainda mais intuitivo, facilitando o trabalho da equipe à distância.
  4. Para que os novos colaboradores se sintam parte do time, existem ótimas ferramentas para otimizar o onboarding de forma online — para casos de novos colaboradores, existem também plataformas excelentes de recrutamento.
  5. Além, claro, das vídeo chamadas e encontros online. Zoom, Loom, Google Meet, Streamyard. Todas são plataformas com planos gratuitos e pagos que se adaptam às necessidades do dia-a-dia de cada equipe. 

Ferramentas assim, são de extrema importância para auxiliar no trabalho remoto, porque elas se tornam a base da comunicação. É preciso adaptar-se a esse "escritório virtual" e manter o time conectado e comunicativo. E no caso de a empresa adotar um novo modelo de trabalho ou ferramenta, proporcionar aulas, tutoriais e treinamentos para que todos estejam alinhados.

Atenção com a saúde emocional do time 

O futurologista britânico Ian Pearson, em estudos, afirmou que quanto mais crescente a automação, mais as empresas precisarão priorizar inteligência emocional e relacionamento. No momento em que vivemos, a afirmação fica ainda mais evidente. Times que trabalham com sinergia, são aqueles que possuem motivação e confiança uns nos outros para trabalhar diariamente, inclusive à distância. 

Por isso, é necessário utilizar as tecnologias a favor da empresa também nesse aspecto. Os momentos de descompressão do trabalho presencial — sabe, a hora do cafezinho? — eles fazem falta sim. 

Precisa-se criar o hábito e ter o cuidado de criar tais momentos, separar espaço na agenda para que eles aconteçam. Isso demonstra que a empresa possui gestores disponíveis a conversar sobre a vida pessoal e problemas dos colaboradores. Normalizando, assim, a vulnerabilidade. 

É importante também, manter sempre uma comunicação clara e direta. Pode-se, por exemplo, separar os locais de conversa para demandas urgentes daquelas que podem esperar. Isso pode evitar ansiedade e o sentimento de que os colaboradores estão disponíveis o tempo todo para a empresa. 

Ou também, utilizar plataformas de videoconferências diferentes para reuniões de trabalho e momentos de bate-papo ou happy hour. 

Ainda existem muitas possibilidades para que as empresas  encontrem seus métodos ideais de trabalho remoto. Mas adotar tecnologias que contribuem para melhorar o desempenho e felicidade da equipe já é um primeiro passo para se adaptar ao contexto atual complexo.