Uma das discussões que mais tem ganhado espaço no mundo corporativo está diretamente ligada a demandas que envolvem os princípios do ESG. A sigla (do inglês Environmental, Social and Governance) diz respeito ao conjunto de práticas e informações socioambientais e de governança que apoiam a tomada de decisão nas organizações para orientar investimentos, ações e projetos.

Inclusive já apresentamos o que é ESG e quais os benefícios de adotar essas práticas no ambiente corporativo. E o assunto, apesar de não ser tão recente assim, ganhou visibilidade nos últimos anos, ainda mais após o CEO da maior gestora de investimentos do mundo chamar atenção para o assunto em sua carta anual, causando impacto no mercado financeiro e no meio corporativo. Na carta, ele aconselha outros CEOs a repensarem como seus negócios podem atuar em prol do ESG, com intuito de criar ambientes de negócios mais inclusivos e sustentáveis. 

O ESG vem se consolidando cada vez mais como parte da cultura de grandes organizações. Os princípios do ESG têm sido, inclusive, levados em consideração para investimentos por parte do mercado financeiro. 

Um exemplo disso é a B3 - Brasil, Bolsa, Balcão, responsável pela bolsa de valores mais importante do país, que alterou o seu Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). Isso significa que investimentos sustentáveis e corporações que possuem políticas ambientais e sociais responsáveis vêm sendo beneficiadas mais que outras. 

Outro dado interessante sobre o assunto vem da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), os fundos que investem em empresas com preocupação social, ambiental e de governança somavam em julho de 2020 aproximadamente R$ 540 milhões; em dezembro, o valor saltou para R$ 818 milhões. Em janeiro de 2021 esse valor já alcançava a casa do bilhão.

Agenda para um futuro sustentável

O termo “ESG” foi cunhado em 2004 em um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), elaborado após um Pacto Global. O relatório destacou a necessidade de integrar fatores ambientais, sociais e de governança que geram, não apenas a rentabilidade de negócios, mas também sua sustentabilidade a longo prazo.

Mais tarde, em 2015, ao serem analisados os resultados do que os países estavam fazendo para pensar em sua sociedade e meio ambiente, foi proposta a Agenda 2030: os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. A iniciativa fomenta a criação de modelos de negócios com base no ESG para atuação em uma Economia Sustentável.

Para erradicar a pobreza e desigualdade “sem deixar ninguém para trás” — de acordo com a própria ONU, foram pensados 17 objetivos que se desdobram em 169 metas pensadas para que os governos e empresas pudessem planejar, implementar, monitorar e controlar políticas públicas de desenvolvimento. 

Portanto, implementar práticas comprovam a Responsabilidade Social Corporativa alinhada aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), ou Agenda 2030 da ONU. Esse tipo de iniciativa impacta diretamente na imagem e reputação das empresas, assim como nos resultados financeiros das organizações. 

O que significa cada uma das práticas ESG? 

Começando pelo "E", a parte da sigla que fala sobre gestão ambiental. Para contribuir com o meio ambiente ou, ao menos, reduzir os impactos negativos sobre ele, as empresas devem adotar diversas práticas e abordar inúmeros assuntos tanto internamente quanto externamente, posicionando-se no mercado. 

Um grande destaque é para empresas que pensam na gestão de carbono com planos de ação para reduzir a emissão de gases poluentes. Outra possibilidade é o monitoramento e redução do consumo de água e demais recursos naturais, além da preservação da biodiversidade.

O “S” da sigla fala dos aspectos sociais. Quando se trata do social, as práticas visam construir um relacionamento saudável entre empresas e sociedade; líderes e liderados. Para tanto, o fator estimula que as empresas busquem seguir o caminho de uma ambiente mais diverso, respeitoso e saudável para todos os colaboradores - tanto física quanto mentalmente.

Nesse contexto, vale pensar em garantir a saúde e segurança do trabalhador, pensar projetos voltados para a comunidade ao entorno ou beneficiadas em iniciativas de responsabilidade social

Destaca-se ainda que a sua empresa não precisa pensar em todas essas siglas sozinha: existem muitas startups, organizações da sociedade civil e até iniciativas locais que podem apoiar ou se tornarem parceiras para que todos os aspectos ESG sejam estimulados dentro das organizações, contribuindo para a inovação. Existem diversos modelos de negócios que já trabalham pensando exclusivamente em alguns desses pontos. Basta compreender quais deles fazem mais sentido com a cultura e metas de sua empresa.

Além de contribuir efetivamente com iniciativas que já fazem diferença onde atuam, quando pensada em rede, o impacto positivo ambiental, social e econômico assegura o desenvolvimento dessas novas práticas serão sustentáveis e de longo prazo. 

Por fim, e não menos importante, o “G”, que pensa nas práticas de governança das empresas. A governança nada mais é que o objetivo que mede as boas práticas de gestão. A transparência a respeito de todos os processos e a ética do modelo de negócio. 

Nesse critério podem ser avaliadas as prestações de contas das empresas, quais políticas anticorrupção sua empresa têm criado, se existem canais de denúncias, se as ações da liderança da empresa correspondem com a cultura esperada e entre outros.

Exemplos de empresas comprometidas em seguir os princípios do ESG para um futuro sustentável 

Conforme já comentado, a sua empresa não precisa dar conta de todos os aspectos internamente. É possível buscar parcerias para que a agenda seja fortalecida, incentivando uma rede de negócios sustentáveis. 

Recentemente, a Revista Forbes do Brasil divulgou uma matéria em que listam 7 startups que podem ser aliadas na implementação das práticas ESG em seu negócio. São fintechs, cleantechs, taxtechs, e inúmeras outras categorias de empresas que já possuem um ecossistema organizado para pensar exclusivamente em cada um dos pilares ambiental, social e de governança dentro das organizações. De acordo com relatório “Inside ESG Tech Report #2”, esse modelo de negócio sustentável já passa de US$1 bilhão no Brasil. 

Não apenas, startups, mas grandes empresas podem servir de exemplo quando o assunto são práticas ESG. Um bom exemplo é o grupo Boticário, que desde 2020 se compromete a contribuir com 16 metas que visam cumprir aspectos importantes da agenda 2030 da ONU. A empresa quer mapear e solucionar todos os resíduos sólidos gerados na cadeia e reduzir a desigualdade social.  

O compromisso empresarial com questões socioambientais é primordial para um futuro sustentável. Compartilhe nos comentários as iniciativas adotadas pela sua empresa em benefício do bem-estar da sociedade.