3 características de grandes empresas que dificultam a inovação em processos

Desde que as startups começaram a se tornar unicórnios, ou seja, alcançaram uma avaliação com mais de 1 bilhão de dólares, as grandes empresas acenderam um sinal de alerta. No Brasil, existe um top 3 daquelas que conseguiram tamanho sucesso: 99 Taxi,  PagSeguro e Nubank. É mais do que uma tendência, é um movimento em franco crescimento. Para as organizações consolidadas foi o que despertou uma busca pela inovação em processos. Em alguns casos, até bem-sucedida. Porém, em muitos deles, as áreas, a cultura e outros fatores eram tão engessados que se tornou quase impossível sair do “modo padrão”.

Continuar no “modo padrão” é a melhor receita para descartar a inovação em processos. Maxwell Wessel, especialista em negócios e investimentos, previu ainda em 2012 que grandes empresas eram mesmo ruins de inovar pelo simples motivo de que foram projetadas para serem assim. Inclusive, conta a história dos executivos da Gerber que, em 1974, perceberam que era preciso aumentar o crescimento da empresa. Por essa razão, pensaram no nicho de alimentação para adultos (eles trabalhavam com o público infantil). Porém, não desenvolveram uma nova linha adequada ao que era necessário para aquele mercado. Simplesmente, optaram por lançar um novo selo e despacharam os produtos para uma localização diferente no mercado.

Qual o final da história da Gerber? O produto não durou 3 meses. No entanto, antes de criticá-los, Wessel ressalta que eles fizeram justamente o que esperavam deles: aumentar a eficiência operacional. O especialista identifica um dos ciclos das dificuldades de inovação em processos. O que pode ser resumido quando uma empresa desenvolve um padrão organizacional que guia todas ações para operações eficientes. Os gerentes motivam a alavancar ativos, ouvir e entender os melhores clientes, etc. São práticas que garantem os ganhos, mas diminuem a capacidade de inovar e buscar sucesso. São organizações que não estão atrás da próxima ideia genial.

3 características que impedem a inovação em processos

Mal Sanders, Product Design Manager, alerta: corra com a inovação em processos para não ser a próxima Kodak ou Blockbuster. Aliás, o profissional também afirma que todos os CEOs e líderes de grandes empresas admitem que inovar é a chave para um futuro de sucesso. Com isso tão claro, a questão que fica martelando é: quais são as razões que tornam tão complexo implementar ideias inovadoras?

1. Mudança não é algo bom:

É a mesma fórmula, a empresa começa como startup “buscando”. Depois, ela “encontra” e “estabelece” um modelo de negócio. Ele é que dará o norte para a execução e operação. Todos os processos são criados em torno dele. É isso que faz a empresa entregar valor para seu cliente e, por esse motivo, é um modelo projetado para não ser facilmente abalado ou alterado. Aqui, muitos acabam preferindo a repetição para escalar.

O que acontece é que se apegar a padrões, não pensar em mudanças e não procurar a inovação em processos são características que farão com que o negócio se torne estático. Burocracia e inflexibilidade impedem protótipos e testes que poderiam ser complementares.

2. Motivação dentro dos mesmos padrões:

Os colaboradores continuam a ser incentivados pelas mesmas métricas de desempenho. Assim, permanecem apenas dentro do modelo, com bônus e promoções alinhados aos KPIs tradicionais. Não é bom financeiramente investir em um projeto ou na inovação em processos que trazem riscos que vão além do convencional. Manter-se no “nível de segurança” garante reconhecimento e promoções.

3. Inovar não é prioridade nas decisões:

Na tomada de decisões é que se vê o quanto a inovação em processos está sendo valorizada pela empresa. Os critérios utilizados para definir as prioridades devem estar acima ou lado do que é considerado padrão. É ótimo que todos estejam alinhados, mas devem enxergar valor similar em lançamentos e mudanças.

A boa notícia é que tudo pode ser alterado, desde que exista uma iniciativa e uma continuidade. Possuir uma equipe que promova a inovação em processos é um investimento que garantirá um retorno mais para frente, algo que fornecerá a própria sobrevivência no mercado. Não é preciso se tornar uma startup também. Uma grande empresa possui particularidades que devem ser respeitadas. Na verdade, elas devem ser aproveitadas.

Tentar ser uma grande startup dentro de uma grande empresa é um caminho repleto de equívocos e que pode resultar em consequências não muito positivas. Não há motivos para uma empresa consolidada fazer isso. Para entrar no âmbito da inovação em processos, Maxwell Wessel é objetivo: os executivos precisam urgentemente reconhecer os limites nos quais estão inseridos, que são os da própria organização. A partir disso, devem fazer com que grupos e times sejam capacitados para funcionar em torno da inovação. As metas e métricas operacionais devem ser vista por um novo ângulo, não cabe aqui aproveitar o que vem sendo feito. É preciso liberdade para experimentar, errar, aprender e alcançar o sucesso.

Existem outros aspectos que podem ser um obstáculo para a inovação em processos. Quer saber mais? É só conversar conosco!

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *