Posts

Desafios da transformação digital: a sua estratégia está indo para o lado certo?

Quando se pensa nos desafios da transformação digital, é comum imaginar os obstáculos que a tecnologia terá que superar, assim como as diferentes inovações que terão que ser consideradas. É uma lista que engloba machine learning, big data, business intelligence, inteligência artificial e por aí adiante. Independentemente das variáveis, o foco é na inovação. Mas, como exemplifica a professora de Harvard, Linda Hill, em seu TED sobre criatividade coletiva, a inovação ainda está diretamente ligada com uma imagem mental de Einstein tendo aquele momento “Aha!”, por mais que todos saibam que isso é um mito. Inovações, de acordo com Hill, não são sinônimo ou decorrência de um gênio solitário em um processo de criação individual, mas sim com o que é chamado de genialidade coletiva.

Então, por conta disso, os desafios da transformação digital acabam sendo mais organizacionais do que tecnológicos. Por mais que as inovações da Indústria 4.0 continuem evoluindo em um ritmo frenético, elas ainda são um paradoxo. Como traz a professora Hill, o coração da inovação é um paradoxo. Isso porque é preciso atuar com as pessoas, liberando talentos e paixões em prol de um trabalho que seja útil. Dito isso, é preciso ver a inovação ainda como uma jornada composta por pessoas que são especialistas em áreas diferentes e possuem pontos de vista que não se assemelham, mas que somam.

Vendo além da tecnologia, consegue-se entender porque em alguns casos as empresas não conseguiram superar os desafios da transformação digital. Gerald C. Kane, em “Is the Right Group Leading Your Digital Initiatives?”, fala sobre o case da Marriott Hotels. Na ocasião, com o foco somente em tecnologia, um dos principais executivos da Marriott liderou um movimento em prol de uma refinação tecnológica, o que culminou no desenvolvimento de um sofisticado aplicativo voltado para o cliente, com recursos inovadores, como o check-in móvel. No entanto, não havia uma integração com as operações da cadeia de hotéis, fazendo com que a entrega da tecnologia fosse apenas parcial. Ou seja, focar apenas nas inovações tecnológicas pode fazer com que mudanças organizacionais passem desapercebidas.

O fato é que a transformação digital tem se tornado um imperativo para cada vez mais empresas. Mas a questão que fica é sobre quais caminhos estão sendo seguidos. Nos tempos atuais, o entendimento da necessidade da transformação digital acaba sendo mais fácil. Contudo, isso não significa que não existam dificuldades. Em “Is Your Digital Transformation Focused on the Wrong Strategy?”, artigo da Deloitte, são explicitados alguns pontos que precisam ser superados e que veremos na sequência.

Os principais desafios da transformação digital

Como nem todos estão explorando as possibilidades e inovações estratégicas, é fundamental compreender o que pode estar travando a transformação digital na empresa. Não só o ritmo acelerado que pode dificultar o acompanhamento das novidades, mas também a necessidade de novas regras e estruturas. Pensando nisso, reunimos alguns dos desafios da transformação digital.

Orçamento: quando se fala na transformação digital, de acordo com as pesquisas apontadas no artigo da Deloitte, existe uma relação de mais investimentos altos em operacional e TI e menos com gastos futuros e P&D. A média, extraída de pesquisa, é de 30% do orçamento operacional ou de TI em iniciativas de transformação digital versus somente 11% de orçamento de P&D para tal.

Mentalidade defensiva: outra questão é que embora muitos líderes façam uma associação de melhorias operacionais e de TI com o crescimento estratégico, um dos desafios da transformação digital está na associação do crescimento de receita a partir de novos produtos orientados para P&D ou modelos de negócio. Por isso, mesmo quando há uma economia significativa de tempo e custos, pode ser que não se traduza em lucros mais altos. No lugar disso, a transformação digital pode ser vista como um investimento defensivo, feito para proteger, mas não para ampliar o negócio.

Cultura organizacional engessada: em vez de construir novos modelos de negócios, muitos preferem permanecer na inércia. Ou seja, a tecnologia novamente é vista como uma proteção ao que é ofertado atualmente, mas não consegue ser vislumbrada como uma forma de construir e estruturar novos modelos de negócio e produtos.

Complexidade técnica: as transformações digitais decorrentes da Indústria 4.0 fazem com seja necessário adentrar em um novo cenário que, por sua vez, traz riscos desconhecidos. Se não houver uma compreensão dos problemas que muitos temem, como cyber segurança e riscos de propriedade intelectual, pode-se simplesmente concluir que não é factível ou interessante buscar meios alternativos de utilizar a tecnologia para levar até fluxos de novas receitas.

Ainda há mais que se considerar dentre os desafios da transformação digital, mas o principal é manter o olho na tecnologia, mas o pensamento no coletivo e nas pessoas. Quer saber mais sobre os possíveis obstáculos e como superá-los? Entre em contato!

Futuro do trabalho: tem espaço para todas as profissões no futuro?

Como será o futuro do trabalho? Sem bola de cristal, mas com base em pesquisas e tendências, é possível prever algumas das mudanças que ocorrerão em breve. De acordo com o Instituto Global McKinsey, por exemplo, o mundo do trabalho está em um estado de fluxo, o que pode estar causando certa apreensão e ansiedade para os profissionais. Por um lado, o desenvolvimento e a popularização da automação por meio de novas tecnologias, como robótica e inteligência artificial, traz a clara promessa de produtividade e eficiência. Por outro, tais avanços tecnológicos suscitam dúvidas complexas sobre o impacto delas, de forma mais ampla, nos empregos, habilidades e salários.

Atualmente, já se consegue analisar diferentes tipos de trabalho que têm um alto potencial para serem automatizados. Da mesma forma, a relação de busca por cargos e empregos está mudando, plataformas de colocações profissionais têm tornando o processo mais autônomo e digital, facilitando o encontro das melhores oportunidades pelos profissionais que mais têm perfil para preencher as vagas. Os trabalhadores independentes também estão migrando e estabelecendo suas ofertas de serviços por meio de plataformas digitais, colocando abaixo conceitos tradicionais e convencionais de como o trabalho é ou deveria ser realizado.

Para a Deloitte Insights, no meio desse cenário, a resposta para o futuro do trabalho, de forma mais otimista, pode se encontrar na redefinição do que é o próprio trabalho. A ideia do trabalho em si, da maneira tradicional que se é passada, é bastante abstrata e, por isso, frustrante. Nessa lógica, “nós vamos trabalhar, terminamos o nosso trabalho e trabalhamos em alguma coisa”. Ou seja, é ao mesmo tempo um lugar, uma entidade e uma lista de tarefas e saídas para serem colocadas em prática e alcançadas. Então, o que realmente é trabalho? E, dentro disso, qual o futuro do trabalho? Em uma época de inteligência artificial, é preciso dar uma resposta criativa, que traga ganhos às pessoas e de novas tecnologias.

Por conta disso, a redefinição do trabalho, dentro do que será o futuro do trabalho, está modificando uma série de fatores para os colaboradores de uma organização: tempo, esforço e atenção em suas atividades. A automação, dentro disso, consegue liberar a capacidade dos trabalhadores do que é considerado operacional. Embora, enfatiza a Deloitte, é preciso pensar além de automatizar funcionários e aumentar a tecnologia. Então, em uma época de robôs e interação humana, uma forma de identificar e abordar problemas e oportunidades é cultivar e utilizar capacidades humanas para áreas que envolvam identificação, solução, implementação e iteração. Pense no uso da empatia para entender um contexto no qual um cliente utilizará um produto ou serviço e encontrar um problema. As pessoas podem usar curiosidade e criatividade para explorar as causas, coletar informações, analisá-las e ver possíveis soluções.

As perspectivas para o futuro do trabalho

Se tanto mudará no futuro do trabalho, como as pessoas devem se inserir nessas novas situações?  Jeff Schwartz, Heather Stockton e Kelly Monahan mostram que há determinados impactos e questões a serem avaliadas, para que exista, de fato, uma inclusão.

  1. Reavaliação de políticas: as instituições e sociedades devem reavaliar e repensar as políticas legais e reguladoras, como a atualização das definições de emprego, regras para formação de empresas e lançamento de um negócio como empreendedor. Os formuladores de política precisam fomentar o surgimento de novas formas de trabalho e preparar os cidadãos para a transição.
  1. Educação no futuro: não se trata só do futuro do trabalho, mas também da educação. Será preciso uma atualização de habilidades muito mais dinâmica ao longo da carreira e os ecossistemas precisam estar prontos para levar essa questão em consideração e fornecer uma estrutura que possa ajudar às pessoas a desenvolverem seus talentos mais rapidamente e de forma continuada. A partir de agora, o aprendizado será uma constante até o momento que essa pessoa resolver abandonar um trabalho produtivo.
  1. Tecnologia e aprendizado: mais do que otimização de processos, as novas tecnologias e formas de aprendizado devem ser empregadas no sentido de aprimorar a relação e a colaboração entre humanos e máquinas, extraindo o melhor de ambos. Com isso, os líderes precisam estar atentos e garantir que as tecnologias estejam conectadas às necessidades de clientes e funcionários.
  1. Estratégia de força de trabalho: os dados se tornarão os grandes aliados dos líderes, identificando, por exemplo, quando uma tecnologia está atrasando os resultados e como isso afeta a estratégia de força de trabalho.
  1. Linguagem de tecnologia: os trabalhadores, mais do que nunca, devem se tornar fluentes em uma linguagem de tecnologia, em nível básico de conhecimento e proficiência.

O mundo muda o tempo todo, o próprio conceito de trabalho tem se modificado ao longo dos anos. Nesta equação, existem dois atores principais: o profissional — que precisa investir em capacitação em tempo real para não ser consumido pelas novas tecnologias — e as organizações — que precisam criar novas ferramentas para seguir evoluindo e implantar uma cultura de aprendizado contínuo na empresa. Não há dúvida de que o futuro do trabalho nos reserva grandes surpresas, o ponto é: como vamos esperar!

 

Quer saber mais ou tem alguma dúvida? Preencha o formulário abaixo. Será um prazer lhe ajudar nesta empreitada!