Posts

Inovação Aberta hubs de conexão

Inovação aberta e hubs de conexão: quais os modelos disponíveis?

A inovação aberta proporciona a parceria estratégica entre startups e empresas estabelecidas no desenvolvimento de soluções para acompanhar as dinâmicas mudanças do mercado, por meio dos hubs de conexão. Espaços que estimulam a interação entre diferentes agentes para o surgimento de ideias inovadoras, proporcionando um ambiente favorável para testar novas tecnologias e promover networking.

Estar imerso em um ecossistema de inovação é essencial, tanto para empresas iniciantes quanto para as já consolidadas. Afinal, ambientes de inovação estimulam o compartilhamento de conhecimento e experiências criativas que impulsionam a criação de novos produtos e serviços. 

Ao buscar parceria estratégica com os diferentes atores do ecossistema de inovação, como, universidades, empreendedores, investidores e iniciativas públicas e privadas, torna-se viável implementar a Inovação Aberta. E, assim, incorporar a visão de startups nas organizações que ainda atuam com o modelo de gestão tradicional, impactando positivamente nos processos organizacionais como um todo.

No Webinar sobre Inovação Aberta e seus Ecossistemas, com a participação da Clarissa Teixeira — professora e pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) que coordena o grupo de pesquisa VIA Estação Conhecimento, referência nacional em pesquisa sobre habitats de inovação — abordamos a importância dos ecossistemas de inovação para fomentar a Inovação Aberta.

Esses ambientes caracterizam-se por integrar diferentes atores com intuito de promover o compartilhamento de conhecimento e o estímulo à criatividade para amparar o desenvolvimento tecnológico de uma região, impulsionando o potencial inovador de pessoas e organizações

Na oportunidade, Clarissa compartilhou práticas bem-sucedidas de inserção da Inovação Aberta em órgãos públicos para solucionar os seus principais desafios com apoio de outros atores do ecossistema, comprovando que a divergência de debates e ideias é fator fundamental para a inovação. Assista ao webinar para aprofundar seu conhecimento sobre o tema.

Modelos de hubs de conexão que fomentam a Inovação Aberta

Existem diferentes modelos de hubs de conexão, espaços que fomentam a Inovação Aberta, a exemplo das pré-incubadoras, incubadoras, aceleradoras, LABs, núcleos de inovação e tecnologia, coworkings, parques científicos e tecnológicos, centros de inovação, centros de pesquisa e desenvolvimento. 

Os hubs constituem-se como mecanismos para geração de empreendimentos e ecossistemas de inovação, sendo considerados instrumentos de políticas públicas para o desenvolvimento local e regional. Cada vez mais esses ambientes tornam-se relevantes por oferecer infraestrutura e suporte que contribui para impulsionar o crescimento de negócios disruptivos, influenciando desde a escolha do local para sua instalação à atração de talentos e investimentos.  

Compreenda alguns modelos de hubs de conexão que contribuem para fomentar a Inovação Aberta nas organizações:

Incubadoras de empresas

O papel das incubadoras de empresas é fornecer apoio como suporte técnico, gerencial e formação complementar aos empreendedores para estimular a criação e o desenvolvimento de negócios inovadores de alto impacto, facilitando o processo de inovação e acesso a novas tecnologias e metodologias ágeis em organizações nascentes.

Aceleradoras de negócios

Aceleradoras são mecanismos de apoio a empresas que possuem um modelo de negócio consolidado e com potencial de crescimento rápido. Conectam empreendedores, investidores, pesquisadores, empresários, mentores de negócios e fundos de investimento e oferecem mentoria, avaliação, treinamentos, crédito ou investimento por meio de fundos ou de capital de risco.

Laboratórios de inovação

Laboratórios de inovação possibilitam a exploração criativa de ideias, o desenvolvimento de testes de conceito, protótipos e produtos mínimos viáveis além de aplicações e o estímulo à cultura de compartilhamento e produção cooperada para testar, avaliar e validar soluções de maneira rápida, flexível e de baixo custo. Como influência desse movimento, surgem diariamente laboratórios de inovação corporativa em grandes organizações, como o Cubo Itaú, Inovabra do Bradesco, Oxigênio da Porto Seguro, LuizaLabs do Magazine Luiza, entre tantos outros que apostam em projetos de risco e atuam de maneira ágil na implementação de ideias inovadoras.

Parques tecnológicos

Estrutura para estimular ou prestar apoio logístico, gerencial e tecnológico ao empreendedorismo inovador e intensivo em conhecimento, com o objetivo de facilitar a criação e o desenvolvimento de empresas que tenham como diferencial a realização de atividades voltadas à inovação. Responsável por gerenciar o fluxo de conhecimento e de tecnologia entre universidades, instituições de Pesquisa e Desenvolvimento, empresas e mercados. Atua na criação e crescimento de empresas de base tecnológica por meio da incubação e de spin offs, além de fornecer outros serviços de alto valor agregado, aliados a um espaço físico e serviços de apoio de alta qualidade. 

As organizações para crescerem e prosperarem precisam estar inseridas em um ambiente propício para incentivar a inovação. A iniciativa deve ser uma via de mão dupla. Ao mesmo tempo que grandes empresas beneficiam-se do conhecimento de outros atores do ecossistema para o desenvolvimento conjunto de soluções de forma ágil e acessível, o mercado corporativo serve de experimentação para validação dessas inovações, contribuindo para promover a melhoria contínua de uma solução, formando, assim, um círculo virtuoso para aprimorar a experiência dos clientes.


Quer implementar a Inovação Aberta para agregar valor ao negócio e oferecer uma melhor experiência ao cliente?
Conheça os cursos e workshops que ofereço sobre liderança e inovação.

 

Mindset Exponencial

Como desenvolver o mindset exponencial nas organizações?

Para adaptar o modelo de negócio em um mundo cada vez mais desafiador, que se atualiza rapidamente, precisamos desenvolver uma nova forma de pensar, ou um mindset exponencial. Esse tipo de mentalidade tem se mostrado adequada para que as organizações acompanhem as necessidades que enfrentam.

De acordo com o CEO da Shift Thinking, Mark Bonchek, em um artigo na Harvard Business Review, atualmente os negócios precisam ser delineados a partir da capacidade de se criar valores exponenciais. E, sendo assim, apropriar-se do mindset exponencial é o que faz a diferença para uma empresa. 

O fator abre caminhos para a inovação e permite que as organizações acompanhem efetivamente esses novos modelos de se fazer negócios. O contexto atual exige dos profissionais habilidades para superar os obstáculos e adequar-se às mais variadas situações e assuntos. 

Para implementar esse tipo de mentalidade na cultura organizacional, primeiro é necessário entender o conceito do mindset exponencial e como desenvolvê-lo nas organizações. 

O que é mindset exponencial?  

Para compreender melhor o conceito de mindset exponencial podemos pensar em uma analogia com uma linha curva crescente. Imagine que, uma empresa em constante crescimento teria um gráfico com uma linha reta, subindo de forma incremental.  Nem sempre vai muito alto, às vezes sim, mas sempre gradativamente

O mindset exponencial é decorrente da função exponencial e cresce na potência. Por exemplo, 2 na potência 1, 2 na potência 2, 2 na potência 3 e, assim, sucessivamente. O resultado é uma curva ascendente. Mark Bonchek comenta que essa curva permite saber que há um caminho a ser explorado mas não necessariamente enxerga o que existe à frente. 

Sendo assim, uma empresa com essa cultura possui confiança o suficiente para se arriscar no desconhecido e desbravar novos mercados, permitindo com que o planejamento estratégico considere cenários prospectivos e almejados. Diferente de uma previsão estática e linear que estamos acostumados a ver no nosso dia a dia.

Dessa forma, o mindset exponencial estimula uma visão ambiciosa para a empresa, de forma global, exigindo não apenas ações, resoluções e melhorias pontuais, mas mudanças que fazem a empresa alcançar resultados significativos. 

Diferenças entre mindset exponencial e incremental

O que chamamos de mindset incremental ou linear é a forma de agir, onde mudanças acontecem em escala de 1:1.  Ele propõe melhorias nos produtos, serviços e processos sem o uso de tecnologias que impulsionam o crescimento. São pautadas por modelos que consideram o crescimento somente quando conseguem dobrar os seus ativos.

O mindset exponencial considera a tecnologia como aliada. Tecnologias exponenciais dobram sua capacidade a cada 12 a 24 meses. Por isso conseguem crescer sem necessariamente dobrar seus ativos. Com isso, é possível atingir novos patamares de resultados que de uma forma linear não seria possível. Por exemplo: uma tecelagem para dobrar a sua produção tem que dobrar a sua capacidade fabril, com o dobro de máquinas. Por sua vez, uma plataforma digital de e-commerce pode atender o dobro de clientes sem mudar sua estrutura. 

Como funciona o mindset exponencial?

O mindset exponencial atua de diferentes formas a depender do momento em que a empresa se encontra. Para isso precisamos ampliar o suporte da tecnologia que dá base aos processos e serviços oferecidos. Questões como a digitalização e revisão dos processos, adotar metodologias ágeis, rever a forma de liderar promovendo protagonismo entre os colaboradores, são algumas atitudes que podem ser adotadas. 

Ao se considerar mudanças no modelo de negócio para o exponencial, precisamos ampliar a transformação digital para dar suporte às novas demandas e assim criar novas experiências tanto para os colaboradores como para os clientes.  

O pensamento exponencial acelera as mudanças e abre novas possibilidades de gerenciamento, tanto de pessoas como de processos. Precisamos ter suporte da tecnologia para que isso aconteça. Mas precisamos também dar suporte emocional para que as pessoas possam acompanhar essa evolução e saber que tecnologia é apenas um meio. Empresas são feitas por pessoas. 

Você se interessa por esse tipo de conteúdo e acredita que essa forma de pensar pode ser aplicada na cultura da sua empresa? Entre em contato comigo e saiba como desenvolver uma liderança inovadora para implementar o mindset exponencial na sua organização. 

 

Liderança Do Futuro

Liderança do futuro: cenários e tendências do mercado de trabalho em 2022

Diante de um cenário de intensas e aceleradas mudanças, as relações de trabalho passam por profundas transformações, fator que exige repensar o futuro da liderança dentro das organizações. Afinal, o papel do líder torna-se cada dia mais indispensável para atender a uma nova dinâmica de mercado.

A liderança do futuro deve conduzir mudanças disruptivas nos ambientes organizacionais. Usando a tecnologia como aliada, o líder do futuro é capaz de gerenciar pessoas e não apenas processos, desenvolvendo um olhar humanizado e rompendo com hierarquias rígidas para adaptar-se às normas formas de trabalho e perfis de colaboradores de mentalidade inovadora, proativa e empreendedora. 

Apesar das tecnologias impactarem os processos organizacionais e as metodologias de gestão, habilidades como criatividade e colaboratividade serão cada vez mais valorizadas no perfil da liderança nos próximos anos.

“A liderança do futuro é uma liderança mais humana, combinada com o mindset digital e a coragem em assumir riscos calculados em um contexto incerto e complexo.” - Paulo Alvarenga. 

Uma pesquisa feita pelo Cegos Group, revela as habilidades-chave para uma liderança realmente preparada para atuar no contexto atual. 

Competências da liderança do futuro  

As principais competências do líder do futuro estão associadas a habilidades humanas como criatividade, comunicação assertiva e equilíbrio emocional, sendo consideradas indispensáveis para potencializar os resultados dentro das organizações.

Adaptabilidade

Adaptar-se a um cenário complexo e de extrema incerteza é uma das principais habilidades que a liderança deve desenvolver para lidar com os desafios do mercado de trabalho.

Confiança

Construir um ambiente de trabalho saudável que inspire confiança aos colaboradores e autonomia nas relações de trabalho é essencial, pois a iniciativa impacta diretamente na produtividade dos times e na eficiência dos processos organizacionais

Assista ao webinar sobre o tema confiança em times em trabalho remoto.


Neuroliderança

O modelo de liderança do futuro adota a Neuroliderança, visando compreender e identificar emoções para gerenciar comportamento dos liderados e influenciar positivamente no clima organizacional, no bem-estar e no desempenho dos colaboradores.

Convergência e divergência

A liderança do futuro preza pela diversidade como diferencial competitivo, investindo no desenvolvimento profissional do capital humano da organização para desenvolver times criativos, engajados e produtivos.

Mindset digital

O líder do futuro deve promover uma cultura prioritariamente remota, conciliando competências essencialmente humanas ao mindset digital para tornar a organização inovadora e bem-sucedida. 

Coragem

A liderança do futuro possui coragem em assumir riscos calculados em um contexto incerto e alta complexidade, buscando soluções frente aos desafios impostos.

Inovação

É preciso adotar a cultura da inovação, em que o papel da liderança é estimular a criação de equipes ágeis e multidisciplinares com foco em inovação, valorizando as competências e potencialidades de cada profissional. 

Confira a pesquisa sobre os principais desafios da liderança no contexto atual e desenvolva as habilidades necessárias para atuar no mercado de trabalho do futuro. 

Cenários e tendências do mercado de trabalho

No estudo “Perspectivas para o Mercado de Trabalho 2022” a PageGroup considera que o modelo de trabalho híbrido deve prevalecer em 2022. Com a flexibilização das normas de distanciamento, houve um retorno parcial ao escritório em todos os países que fizeram parte do estudo, com 37,5% dos profissionais. Ainda assim, cerca de 20% dos participantes continuam a trabalhar exclusivamente em casa. 

O Brasil é o país com a maior porcentagem de colaboradores em esquema presencial, ainda que de forma escalonada: 44,3% afirmaram que estão trabalhando na modalidade híbrida ou mista.

A pesquisa apontou ainda que mais da metade dos profissionais da região, 53,3%, estão abertos a receber ofertas de trabalho. Nesse sentido, os desafios apresentados no futuro do trabalho impõem a necessidade cada vez maior das organizações em atrair e engajar as pessoas. Segundo levantamento do LinkedIn, o cargo que mais vai se destacar no mercado de trabalho em 2022 é o do recrutador especializado em tecnologia. 

Milton Beck, Diretor Geral do LinkedIn para América Latina, vê que as profissões em alta na tecnologia estão mudando a demanda por competências e direcionando o mercado de trabalho do futuro.

Por isso, adaptar a cultura organizacional, bem como o seu modelo de negócio para gerenciar equipes alinhadas às tendências e aos possíveis cenários do futuro é de extrema importância para que a liderança corporativa atenda às necessidades que o contexto atual demanda.

Conheça os cursos e palestras que ofereço sobre liderança e inovação para capacitar e motivar os líderes e colaboradores da sua empresa a adaptarem-se às novas formas de trabalho. 

Comunicação

Comunicação e os processos organizacionais em tempos de trabalho remoto

O futuro do trabalho chegou e as tendências que estavam em curso foram aceleradas, impondo novas formas de trabalho, a exemplo do modelo híbrido. Diante desse contexto, gerenciar os colaboradores à distância se tornou regra e não mais exceção. Fator que desafia lideranças ao exigir maior liberdade, flexibilidade e autonomia nas relações de trabalho.

Em tempos de trabalho remoto, é essencial que as empresas adaptem seus processos, implementando novas estratégias e ferramentas que provoquem inovação, criatividade e dinamismo nos processos organizacionais, priorizando as pessoas no centro da estratégia corporativa. Para isso, é necessário aprimorar habilidades em comunicação, engajamento, envolvimento com metas organizacionais, performance e olhar humanizado. 

A comunicação é considerada elemento indispensável para o sucesso de uma organização, independentemente do segmento de atuação ou formato de trabalho adotado. Afinal, promover uma comunicação estratégica, contribui para manter o clima organizacional equilibrado, melhorar o ambiente de trabalho, elevar a produtividade, integrar e motivar a equipe e fortalecer a cultura da empresa. 

Por esse motivo, habilidades e competências como pensamento crítico, resolução de problemas complexos, liderança para inovação, inteligência emocional, empreendedorismo, criatividade e aprendizagem autodirigida são exigidas pelas organizações que buscam adaptar a cultura organizacional às novas formas de trabalhar.   

Assista ao Webinar Comunicação e Convivência Híbrida para ficar por dentro das boas práticas e ferramentas para construir uma comunicação saudável e eficaz de equipes remotas.  

Adaptando a comunicação às novas formas de trabalho

A comunicação organizacional é considerada ferramenta estratégica para promover a geração de valor e aumento da competitividade da empresa no mercado. Portanto, deve ser priorizada para manter o engajamento e a produtividade dos colaboradores.

 Apesar da resistência em implementar o trabalho remoto por parte de algumas empresas devido ao distanciamento físico de tempo e espaço, melhorar a comunicação na equipe remota por meio do uso de canais de comunicação eficientes é crucial para gerenciar equipes em trabalho remoto ou híbrido. 

Existem diversas ferramentas disponíveis para manter a comunicação fluida, facilitando a estruturação dos processos organizacionais para garantir a produtividade desejada pela empresa. Também é de fundamental importância que as empresas compreendam e se organizem para atender às novas demandas, de forma que se tornem mais atrativas e obtenham maior engajamento de seus times. 

A pesquisa Work Trend Index revelou que o formato de trabalho adotado pelas empresas impacta diretamente na escolha dos profissionais por ingressar e permanecer nela. Nesse sentido, implementar o trabalho híbrido torna-se fundamental para aquisição e retenção de talentos. 

Para evidenciar a importância de adaptar a comunicação, bem como os processos organizacionais aos novos formatos de trabalho, destacamos dados relevantes sobre as principais tendências do futuro do trabalho.   

  • Pesquisa Work Trend Index: 2021 Annual Report aponta que mais de 70% dos trabalhadores querem que as opções flexíveis de trabalho remoto sejam mantidas pós-pandemia.
     
  • A pesquisa global “Revolução das Competências”, do ManpowerGroup, aponta que 66% dos líderes de RH no Brasil priorizam a saúde e o bem-estar dos colaboradores.
  • Mais de 65% da equipe do Trello é remota, o que significa que o uso da tecnologia para integrar as equipes e manter a produtividade no trabalho é parte importante de uma cultura organizacional prioritariamente remota, auxiliando na comunicação assíncrona de ideias e tarefas. 

Comunicação e convivência híbrida

Ao adotar novos formatos na maneira de trabalhar, promover uma comunicação empresarial eficaz possibilita que todos compartilhem da mesma visão e valores mesmo diante de um contexto em que a convivência híbrida é inevitável. 

Assim, ocorre um alinhamento de propósito em que todos conseguem obter total clareza sobre a direção em que devem seguir, saber exatamente onde a organização quer chegar, e compreender a importância de suas próprias atribuições. 

Nesse sentido, a comunicação estratégica contribui para a construção de uma cultura de confiança e flexibilidade, proporcionando ambientes de trabalho seguros e saudáveis que estimulam o trabalho fluído e colaborativo.  

Assista ao WEBINAR | Estratégias ágeis com times de alto desempenho para compreender a importância de aplicar as metodologias ágeis como aliadas à cultura de inovação das organizações.

Boas práticas para aperfeiçoar a comunicação empresarial em tempos de trabalho remoto:

Estabeleça relação de confiança com os colaboradores: A comunicação empresarial tem papel fundamental na construção de relações de confiança no ambiente de trabalho, proporcionando autonomia dos colaboradores, independente do formato de trabalho adotado.

Construa um mindset colaborativo: o mindset colaborativo deve estar no centro da estratégia corporativa. Líderes devem proporcionar as condições necessárias para todos estabelecerem relações de confiança para que as equipes se conheçam, partilhem histórias, virtudes, valores e talentos. 

Desenvolva a escuta ativa: Ouvir atentamente os membros do time é a maneira mais eficaz de melhorar os processos e manter a competitividade do negócio. A empatia organizacional só é possível com uma comunicação personalizada e eficiente.

Adote ferramentas adequadas para uma comunicação empresarial efetiva: a tecnologia é aliada da comunicação empresarial pelo fato de otimizar as interações. Adote ferramentas ou métodos que indiquem os resultados das atividades realizadas pela sua equipe, assim é possível manter o foco na meta do negócio.

Promova a cultura do trabalho prioritariamente remota: o modelo de trabalho híbrido deve se tornar o padrão. Assim, os colaboradores se sentem capazes de realizar seu trabalho com sucesso de qualquer lugar.   

Adaptando os processos organizacionais às novas formas de trabalho

Assim como a comunicação precisa adaptar-se às novas formas de trabalho, os processos organizacionais também passam por profundas transformações. Toda empresa estipula os processos organizacionais, visando garantir o melhor desempenho da organização. 

No contexto atual de mudanças exponenciais, adaptar hábitos antigos ao novo contexto corporativo exige o compartilhamento e troca de informações, fatores cruciais para promover melhorias contínuas por meio da identificação, documentação, análise e monitoramento dos processos organizacionais. 

A boa notícia é que não faltam ferramentas de comunicação e soluções colaborativas para aproximar as equipes remotas e mantê-las sempre conectadas, como o Trello, a plataforma de reuniões online Zoom e o hub de colaboração Microsoft Teams. 

Desse modo, para sobreviverem e tornarem-se mais atraentes no cenário atual, as empresas precisam valorizar procedimentos de comunicação mais integrados entre as diversas pessoas e diferentes fatores sociais que compõem a organização. Por esse motivo, é de fundamental importância que a empresa fortaleça as relações com os principais stakeholders por meio de uma comunicação estratégica, visto que a dinâmica social tem sido profundamente alterada pelos novos tempos. 

Boas práticas para aperfeiçoar os processos organizacionais em tempos de trabalho remoto 

Mapeie os processos organizacionais: ao mapear os processos organizacionais é possível identificar gargalos e promover melhoria contínua dos processos. 

Difunda metodologias e boas práticas organizacionais inovadoras: implemente metodologias inovadoras na rotina organizacional para melhoria dos processos.

Desenvolva uma cultura baseada em resultados: esse tipo de cultura é a mais adequada para uma equipe em trabalho remoto ou híbrido. Definir os principais indicadores de desempenho (KPIs) e os objetivos e principais resultados (OKRs) pode fornecer aos funcionários que trabalham, tanto no escritório como no modelo remoto, a visibilidade necessária sobre quais devem ser as prioridades para alcançar melhores resultados. 

Promova integração entre áreas: o novo contexto empresarial exige que as empresas implementem novas formas de trabalho, como a organização de equipes por squads para aumentar a colaboração e garantir mais celeridade aos processos.

Utilize ferramentas de gestão para otimizar os processos: gestores e líderes ágeis implementam hábitos e processos produtivos para a equipe, que permite flexibilidade e auto-organização. A iniciativa contribui para otimizar os processos, assim como gerenciar melhor as tarefas do time e manter uma comunicação fluida e eficiente. 

Quais práticas sua organização tem adotado para adaptar a comunicação e os processos organizacionais em tempos de trabalho remoto? Compartilhe nos comentários. 

Método Gtd

Como maximizar produtividade pessoal e profissional usando o método GTD

Para administrar o tempo de maneira mais eficiente, priorizando o que é necessário ou urgente e delegando ou adiando tarefas não urgentes, o método GTD — Get Things Done é indicado como uma ferramenta para auxiliar na organização e produtividade.

A metodologia para maximizar a produtividade pessoal e profissional, consiste em produzir mais e melhor, gastando menos tempo e energia. Liberando tempo — físico e mental — para investir no autodesenvolvimento, descanso, lazer e tudo o que faz sentido para você. 

O método GTD propõe o planejamento do tempo, a partir de um fluxo para execução das atividades de rotina, proporcionando eficiência na organização de compromissos. Para aplicar o método em sua rotina, é necessário criar hábitos consistentes e, assim, aprimorar a organização de suas atividades para obter os benefícios dessa metodologia de produtividade. 

O que é o método GTD?

Criado por David Allen, o método GTD auxilia na organização e produtividade sendo uma ferramenta que ensina a utilizar o tempo de maneira mais eficiente. Do inglês "Get Things Done", o método foi ensinado em seu livro "A arte de fazer acontecer".

A metodologia de produtividade é aplicada em 5 etapas que auxiliam as pessoas a gerenciarem com muito mais eficiência suas tarefas diárias. O principal objetivo do método GTD é minimizar o estresse e a ansiedade ao mesmo tempo em que maximiza a produtividade. Uma vez que você começa a conseguir lembrar de todos os compromissos que acontecem no seu dia, além daquele sentimento de que nada está ficando para trás, o sentimento de sobrecarga passa a ser menor.

Como aplicar o método GTD no dia a dia?

É importante compreender que o método GTD baseia-se em um conceito chamado "mind like water'', referência das artes marciais, que significa, basicamente, ter tudo sob controle. Ou seja, se algo sair dos trilhos, você também saberá a melhor maneira de lidar com cada uma das situações.  

O método GTD define cinco passos para organizar tarefas diariamente.  

Capturar

David Allen acredita que a nossa mente deve produzir ideias e não armazená-las. Então, nesse primeiro passo é necessário tirar as ideias e lembranças de coisas que há para se fazer e passar para um sistema confiável. Afinal, nossa mente é excelente para imaginar, criar e buscar soluções, mas tem um potencial limitado de armazenamento que exige disciplina para organizar o que está planejado e evitar a sobrecarga mental.     

Nesse primeiro passo, o importante é anotar as atividades em um lugar onde seja mais fácil organizá-las. Algumas pessoas preferem papel e caneta, agenda, outras o celular ou o computador. Anote ideias, coisas a fazer, projetos, objetivos e tudo o que surgir de relevante enquanto você está fazendo esse exercício. E que, claro, requer sua atenção e foco em algum momento. 

É recomendado que você mantenha o hábito de anotar sempre que necessário, também. Imagine que você esteja em uma reunião e ali você tem um insight interessante, mas depois não se recorda para colocá-lo em prática. 

Esclarecer

Nesta etapa você se dedica com foco e atenção para analisar cada uma das atividades que foram "capturadas" e, assim, decidir o que demanda sua ação naquele momento ou não. Se, ao analisar uma das ideias, você compreender que ela não demanda nenhuma ação, o que pode ser feito é "jogar" aquela informação fora, incubar, ou seja, guardar a ideia para um outro momento relevante onde ela precisará ser utilizada ou "arquivar", como possível referência para outras ideias. 

Caso aquela ideia demande alguma ação específica, os caminhos podem ser: realizar aquela atividade ou demanda na hora, delegar para que alguém a faça ou adiar, comprometendo-se de que irá realizá-la o mais rápido possível.

Organizar

Nesse passo é importante que você organize as suas tarefas e projetos de acordo com o contexto em que se encaixa cada um deles. Para isso, você pode criar listas e pastas. 

Por exemplo a lista de "trabalho", onde serão colocadas todas as demandas relacionadas à carreira profissional. "Pessoal" onde estão todas as demandas do dia a dia, "Estudos" e, assim por diante. Isso ajudará você a identificar o que precisa ser feito mais facilmente em cada um desses contextos.

Refletir

É importante que você faça uma revisão periódica, de preferência semanal, das suas listas, atividades e tarefas para reavaliar prioridades e reorganizar suas obrigações. Nesse ponto, já passamos por três dos passos do método GTD: você já capturou, esclareceu e organizou as suas ideias. Para garantir que ela seja feita, anote-a como um compromisso semanal em seu calendário. 

Engajar

O último passo do método GTD é o engajamento. Isso significa que você terá que definir critérios para decidir sobre cada uma de suas ações, transformando isso em um hábito que esteja alinhado com seus propósitos e prioridades. 

Saber fazer a gestão de próprio tempo é uma das habilidades exigidas dos líderes do futuro. Por isso, busque aplicar o método para maximizar produtividade pessoal e profissional. 

Acesse outros materiais gratuitos disponíveis no blog para se aprofundar sobre administração do tempo e produtividade.

 

Novas Formas De Trabalho

Novas formas de trabalho: tendências para 2022

A pandemia acelerou as mudanças no ambiente de trabalho, exigindo a necessidade de adaptação das organizações às novas formas de trabalho para atender aos atuais padrões de comportamento e tendências do mercado em todos os segmentos de atuação. 

O futuro do trabalho já está se desenhando. Entre as principais tendências apontadas por especialistas destacam-se as metodologias e modelos de trabalho centrados na valorização do potencial e do capital humano, a automatização dos processos e as mudanças nos ambientes organizacionais frente à nova configuração da organização do trabalho. 

Colocar as pessoas no centro da estratégia corporativa é essencial, independente do modelo de trabalho ou processo organizacional adotado. O relatório “Futuro do trabalho: 20 tendências para você e sua empresa navegarem”, estudo elaborado pela consultoria de talentos ManpowerGroup Brasil em parceria com O Futuro das Coisas revela as direções que o mundo do trabalho está tomando. A busca por mais liberdade e por maior flexibilidade são comportamentos que estão remodelando o futuro do trabalho.

Convivência híbrida é o novo normal

A convivência híbrida exige que as organizações promovam uma cultura prioritariamente remota e descentralizada que proporcione liberdade, autonomia e flexibilidade nas relações de trabalho. Assim, os colaboradores podem escolher quando e onde trabalhar, assim como têm a possibilidade de optar pelo formato de trabalho que mais se encaixa às suas necessidades, seja remoto ou híbrido. 

O novo normal no ambiente corporativo é proporcionar uma convivência híbrida que oportunize um maior equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Empresas consolidadas que adotam medidas para abraçar o futuro do trabalho têm investido no modelo de gestão ambidestro, focado em inovação e na excelência operacional.

Para adaptar a cultura organizacional às novas formas de trabalho, assista ao Webinar Comunicação e Convivência Híbrida e aprofunde seu conhecimento sobre o tema.  

Modelo de trabalho remoto e híbrido estão entre as principais tendências das novas formas de trabalho em 2022

As novas formas de trabalho impõe desafios pouco imaginados, mas também apresentam vantagens que mantém as organizações competitivas, contribuindo para o crescimento sustentável e estratégico. 

Para se beneficiar dos novos formatos de trabalho, é preciso adaptar a rotina organizacional para atuar neste novo contexto de prestação de serviço. De acordo com pesquisa do LinkedIn, a possibilidade de trabalhar remotamente foi apontada como essencial por 72% dos entrevistados. O relatório revela ainda que as empresas podem se beneficiar do modelo remoto tanto quanto os funcionários. Isso porque, a flexibilidade pode aumentar a retenção de talentos e a performance do time. 

Com a consolidação do trabalho remoto, o tradicional home office divide espaço com outro modelo, o anywhere office, ou seja, o trabalho em qualquer lugar. Esse conceito também envolve o trabalho remoto, mas a diferença em relação ao home office é que o colaborador não precisa necessariamente estar em casa para realizar suas atividades, oportunizando maior liberdade geográfica para exercer o trabalho. 

O modelo híbrido é essa nova forma de trabalho que permite combinar dias de trabalho na empresa e a distância. Segundo pesquisa divulgada pela consultoria de recrutamento especializado Robert Half, cerca de 95% dos executivos entrevistados acreditam que o modelo de trabalho híbrido será o padrão adotado no futuro do trabalho. 

Independente do formato de trabalho implementado pela sua organização, é importante conhecer as principais tendências, bem como suas vantagens para avaliar quais novas formas de trabalho podem ser implementadas no seu negócio para potencializar os resultados.

 Sua organização está preparada para enfrentar esses novos desafios da forma de trabalhar? Compartilhe nos comentários.