Posts

Liderança Inovadora Hibrido

Liderança inovadora em tempos de trabalho híbrido

As novas formas de trabalho, impõe a necessidade de uma liderança inovadora que tenha a capacidade de estabelecer uma comunicação eficiente e empática com a equipe. Habilidades que devem ser desenvolvidas pelas lideranças diante dos desafios na gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar.

Em tempos de trabalho híbrido, o papel da liderança inovadora é reduzir as distâncias impostas, mas respeitando a flexibilidade de tempo e a autonomia nas relações de trabalho, sendo um exemplo para que as pessoas saibam como se comportar nesse novo contexto. 

Independente do formato de trabalho adotado, seja optando pelo trabalho remoto de forma permanente ou promovendo o retorno gradual ao escritório em formato híbrido, a liderança inovadora capta as tendências, aposta na mudança e estimula as pessoas a gerarem ideias e colocá-las em prática. 

Estudo realizado pela Alelo revela que boa parte dos profissionais reconhecem o aumento de produtividade e foco no trabalho remoto (41%), destacando os seguintes benefícios das novas formas de trabalho como pontos positivos: 

  • utilizar o tempo de deslocamento até o escritório para outras atividades (50%); 
  • ter mais tempo para estar com a família (44%); 
  • conciliar atividades do emprego e de casa (40%).    

Para gerenciar equipes à distância, as lideranças precisam conectar-se mais com a pessoa do que com o profissional e desenvolver a escuta ativa para entender como as relações e as expectativas mudaram nesse período para remodelar a rotina organizacional ao momento atual.

Em um cenário de grandes transformações, os maiores desafios das posições de liderança são engajar pessoas, tomar decisões rapidamente, ter estabilidade emocional para resistir às crises e criar estratégias para obter resultados além dos esperados. Nesse contexto, a agilidade mostra-se uma característica fundamental da liderança inovadora

Perfil da liderança inovadora 

A postura de uma liderança inovadora está diretamente alinhada a conceitos ligados à inovação, à habilidade de perceber mudanças e antecipar estratégias, a correr riscos a partir de pontos de vista diferenciados e mais ousados. O desenvolvimento desse perfil de liderança deve atuar em conjunto com a aplicação de novas tecnologias, a valorização do capital humano e o uso da intuição além da razão. 

Líderes inovadores incentivam a coragem e a ousadia de seus times. Além disso, fomentam a criatividade, sendo considerados fortes agentes de mudança, desenvolvendo e realizando ideias inovadoras que visam melhorar o mundo por meio da atuação em suas empresas.

Agilidade

O líder inovador é ágil, capaz de tomar decisões com base em dados existentes, estimula a colaboração e desperta um propósito maior no time, gerenciando as possibilidades de erros e assumindo os eventuais riscos. 

Assista ao Webinar Estratégias ágeis com times de alto desempenho para implementar a cultura ágil e engajar a equipe a alcançarem resultados exponenciais.

Adaptabilidade

Adaptar-se a um cenário complexo e de mudanças exponenciais é uma das principais habilidades de uma liderança inovadora para lidar com os desafios do mercado de trabalho em tempos de trabalho híbrido.

Experimentação

Essa é uma particularidade encontrada em líderes inovadores, que buscam conduzir mudanças disruptivas nos ambientes organizacionais, despertando o lado da inovação em seus colaboradores para desconstruir padrões e oferecer soluções diferenciadas 

Convivência híbrida

Líderes inovadores promovem uma cultura prioritariamente remota. Com a flexibilização das normas de distanciamento, o modelo de trabalho mais propício a ser adotado é o híbrido. A convivência híbrida possibilita liberdade, autonomia e flexibilidade para que os colaboradores possam optar pelo formato de trabalho que mais se encaixa às suas necessidades, seja remoto ou híbrido. 

Para adaptar a cultura organizacional às novas formas de trabalho, assista ao Webinar Comunicação e Convivência Híbrida.  

Empatia

Uma liderança inovadora atua com foco nas pessoas, levando o lado humano de sua equipe em sua consideração. Sabem ouvir seus colabores e procuram entender os pontos de vista de todos. Além disso, aceitam assumir riscos controlados e entendem que, muitas vezes, é preciso uma mudança disruptiva para que se possa avançar com a inovação. 

Transparência

Cabe à liderança inovadora agir de forma transparente, com responsabilidade social e ambiental, impactando de forma positiva a vida das pessoas para transformar o mundo num lugar melhor para todos. 

Dinamismo

Líderes inovadores adotam um modelo dinâmico de gestão de pessoas, promovendo o alto engajamento e uma cultura organizacional que instaura as pessoas no centro, envolvendo e criando valor. 

Quer desenvolver a liderança inovadora na sua organização? Garanta o exemplar do livro “Liderança para a inovação — como aprender, adaptar e conduzir a transformação cultural nas organizações” e se aprofunde sobre o tema.

 

Lideranca Agil

Liderança ágil e inovadora: como desenvolvê-la nas empresas

O contexto atual torna urgente a necessidade de uma transformação organizacional para adaptar-se às mudanças exponenciais. Para isso, a mentalidade ágil deve integrar a cultura de uma organização para que os valores, princípios e práticas do Manifesto Ágil estejam integrados à rotina. Dessa forma, a gestão tradicional focada no comando e controle abre espaço para uma liderança ágil e inovadora.  

Um líder inovador possui competências essenciais para manter os colaboradores motivados e alinhados com o propósito da organização, como empatia, resiliência, escuta ativa, adaptabilidade e flexibilidade. Além disso, precisa atuar em um ambiente que propicie segurança psicológica, gerando confiança necessária para proporcionar autonomia nas relações de trabalho

Para desenvolver uma liderança ágil e inovadora, não basta apenas capacitar os profissionais a implementarem ferramentas, como o Design Thinking e o Scrum, por exemplo. A iniciativa exige que a organização inicie a jornada ágil rumo à inovação. 

O livro “Liderança para a inovação — como aprender, adaptar e conduzir a transformação cultural nas organizações” do qual sou uma das autoras, aborda a transformação cultural necessária para promover a inovação nas organizações. Desde habilidades e processos que precisam ser incorporados na cultura organizacional para promover essa mudança até exemplos de modelos de negócios inovadores e como as organizações estão se adaptando ao novo contexto exigido nos dias atuais. 

Uma liderança inovadora trabalha para que os colaboradores atuem em duas frentes:

  • Inovação

A inovação contribui para que os colaboradores possam ser criativos, colaborativos, engajados, estejam dispostos a correr riscos e tenham autonomia para procurar soluções alternativas para a resolução de problemas, além de abraçar a experimentação de novas ideias.

  • Processual

A equipe tem mais aderência às regras e aos processos, está disposta a correr riscos. Além de estar focada em atingir objetivos claros e específicos que levem à eficácia operacional. 

Clique aqui e veja um infográfico sobre Agilidade e Inovação na Liderança. 

 

Características de uma liderança ágil e inovadora

  • Foco nas pessoas

Uma gestão humanizada preocupa-se com o bem-estar das pessoas nas relações de trabalho acima dos resultados. Dessa forma, está engajada em formar equipes de alta performance, gerando maior eficiência aos processos organizacionais, sem negligenciar a qualidade de vida dos colaboradores.  

  • Segurança psicológica

Lideranças inovadoras encorajam seus colaboradores a pensarem diferente, fornecer condições para tal e estimulam a experimentação. Para isso, é importante criar um ambiente de trabalho seguro que contribui para que os mesmos sintam-se confortáveis em compartilhar suas ideias, sem receios.

  • Colaboração 

O papel da liderança inovadora está em encorajar e orientar os colaboradores a evoluírem na direção da colaboração para alcançar os objetivos definidos. Afinal, inovação se faz com pessoas! Por esse motivo, uma liderança ágil e inovadora deve exercitar o olhar para o quanto a co-criação é muito mais potente do que a individual. Nesse sentido, compartilhar conhecimento e informação de forma transparente deve ser o princípio da cultura organizacional. 

  • Senso de propósito

Líderes inspirados pelo senso de propósito influenciam positivamente seus liderados, estimulando relações saudáveis e o fortalecimento do protagonismo das pessoas para tomada de decisões estratégicas.

  • Empatia

Uma liderança inovadora preocupa-se em trabalhar a inteligência emocional para compreender as pessoas e situações complexas da rotina organizacional, estimulando a comunicação aberta, clara e síncrona entre o time. 

  • Cultura de feedback ágil

Líderes ágeis e inovadores criam ciclos de feedbacks constantes e se auto avaliam constantemente para que consigam encontrar formas de levar a equipe para outro nível. Implementar a cultura de feedback contínuo é relevante para que gestores acompanhem de perto os projetos, garantindo que os objetivos estejam alinhados e colocando os colaboradores em primeiro lugar. 

  • Engajamento de equipes remotas

Atualmente, para grande parte das empresas e seus colaboradores, qualquer lugar pode se tornar um escritório: tendo os equipamentos, conexão com internet e concentração necessários, o trabalho presencial passou a ser uma opção, não mais uma regra. Nesse contexto, uma liderança ágil e inovadora é essencial para manter sinergia entre empresa, gestores e liderados.

  • Compartilhamento de conhecimento

Líderes inovadores valorizam a troca para que a gestão do conhecimento dentro de uma organização seja mais rica e eficaz. Assim como também incentivam a diversidade ao priorizar a pluralidade de vozes para promover as mudanças necessárias no ambiente corporativo. 

Acesse o Checklist: Metodologias Ágeis para equipes de alta performance, desenvolvido a partir do Webinar realizado em parceria com a Feedz — plataforma que cria ambientes de trabalho mais felizes sobre o tema, para conhecer as metodologias recomendadas para formar equipes de alta performance e potencializar os resultados. 

 

Como desenvolver uma liderança ágil e inovadora nas empresas

O desenvolvimento de líderes inovadores é um aspecto essencial das organizações ágeis. Para incentivar que equipes e líderes estejam sensibilizados sobre a importância da cultura ágil, é preciso estabelecer um ambiente de trabalho criativo em todos os níveis da organização. 

Confira os pontos em comum das organizações ágeis:

  • objetivos comuns disseminados por toda a organização;
  • executivos, líderes e times capacitados;
  • decisões rápidas e aprendizagem constante;
  • líderes ágeis que estimulam colaboradores a assumirem protagonismo;
  • tecnologia integrada e essencial ao negócio.

Além desses pontos, as organizações devem investir ainda em outros aspectos que favoreçam um ambiente de trabalho criativo que impulsione a agilidade e, consequentemente, a inovação:

Colaboração e comunicação: é preciso estimular a colaboração e a troca de ideias para criação conjunta de soluções. 

Aceitação de novas ideais: os líderes devem incentivar o desenvolvimento e a exploração de ideias.

Liberdade: um ambiente criativo define objetivos claros para fornecer liberdade e direção para o entusiasmo dos colaboradores. 

Aceitação do risco: o risco é parte do processo criativo que visa produzir boas ideias. 

Reconhecimento: o reconhecimento por geração e desenvolvimento de ideias é importante para que a equipe sinta-se valorizada. 

Confiança: estimular um ambiente em que as pessoas sintam-se seguras é fundamental para que elas desenvolvam soluções inovadoras.

 

Quer desenvolver uma liderança ágil e inovadora na sua organização? Conheça palestras e workshops que ofereço para auxiliar empresas a implementarem a cultura criativa rumo à inovação. 

 

Gestao De Equipes Blog2

Desafios da liderança na gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar

As lideranças das organizações estão sendo desafiadas a gerenciar times em contextos complexos, intensificado por novas formas de trabalho, a exemplo do modelo híbrido e remoto. O anywhere office, termo em inglês que refere-se a escritório em qualquer lugar —  modelo de trabalho que permite que as pessoas desempenhem suas atividades a partir de qualquer local — também tem imposto novos desafios às lideranças ao exigir maior liberdade, flexibilidade e autonomia nas relações de trabalho.

Atualmente, gerenciar equipes que trabalham à distância tornou-se regra e não mais exceção. A tendência é que as empresas mantenham seus escritórios, mas adotem um formato de gestão cada vez mais descentralizado para que possam tornar o trabalho remoto uma prática permanente.

No Webinar Confiança em times em trabalho remoto, em que conversei com o educador corporativo e palestrante, Ricardo Vandré, abordamos a importância de implementar novas estratégias e ferramentas que provoquem agilidade, inovação, criatividade e dinamismo nos processos organizacionais para promover a gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar. 

As transformações em curso exigem adaptações principalmente na cultura organizacional. Para acompanhar as mudanças, tanto comportamentais como nas tendências de mercado, os líderes precisam estar preparados para lidar com esses novos desafios. 

Para entender quais os principais desafios da liderança na gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar, foram consultados mais de 60 profissionais, pesquisadores e estudantes que estão conectados de alguma maneira com Liderança e Inovação. 

Os entrevistados responderam questões sobre o impacto da pandemia na liderança, os desafios enfrentados nesse cenário e quais os ensinamentos que deverão levar. Além disso, também falaram sobre as principais habilidades e competências que líderes precisam desenvolver para superar os principais desafios da liderança que se apresentam. 

A pesquisa resultou no Checklist: Os principais desafios da liderança, material que pode ser acessado gratuitamente aqui

Principais desafios da liderança 

Com base na pesquisa, elaboramos um material que além de mostrar as tendências apontadas pelos especialistas, também faz um checklist daquilo que os líderes precisam atentar-se. Entre os desafios apontados estão:

Liderança e gestão do trabalho remoto

A grande descoberta das organizações foi compreender que é possível promover a gestão de equipes de forma inteiramente remota sem que essa iniciativa impacte negativamente na produtividade. Pelo contrário, as organizações constataram que os colaboradores podem se manter produtivos mesmo à distância. 

Construção e exercício da confiança

Aumentar a confiança entre times em trabalho remoto é um dos grandes desafios da gestão de organizações no atual momento. A gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar exige um ambiente de trabalho que inspire a confiança dos colaboradores, garantindo que as relações de trabalho sejam saudáveis.

Agilidade e flexibilidade da liderança

Uma liderança ágil e inovadora mantém os colaboradores motivados e alinhados com as metas e objetivos da organização. Isso porque, esse perfil de líder possui habilidades como empatia, resiliência, escuta ativa, adaptabilidade, flexibilidade e propósito. Baixe gratuitamente o Infográfico Agilidade e Inovação na Liderança e saiba como tornar-se um líder ágil.

Gestão do tempo

Adotar ferramentas de produtividade e colaboração, bem como estratégias ágeis para automatizar a gestão das tarefas do time e manter uma comunicação fluida e eficiente é primordial para gerenciar equipes à distância. A iniciativa contribui para o aumento da produtividade e autonomia para que a equipe possa assumir o protagonismo no cumprimento dos objetivos da organização.

Engajamento da equipe

Uma organização ágil e inovadora conta com líderes criativos, flexíveis, inspiradores e com senso de propósito, que sejam capazes de estimular o sentimento de pertencimento, impactando no engajamento e retenção de talentos. Além disso, devem fornecer condições e segurança psicológica para o time colaborar e inovar. 

Liderança inspiracional e acolhedora

Esse perfil de liderança inspira a criatividade e motiva a inovação ao promover uma gestão baseada na competência e na confiança, descentralizando decisões e proporcionando autonomia nas relações de trabalho para obter um melhor desempenho dos colaboradores. 

Os desafios da liderança são inúmeros, mas há muitos que estão enfrentando a mesma situação e, por isso, há bastante conhecimento para ser gerado e compartilhado a partir das experiências vivenciadas. 

Faça o download gratuito do checklist “Os principais desafios da liderança” que traz os itens mais desafiadores na rotina de lideranças atualmente.

E como sua organização tem enfrentado esse novo desafio? Compartilhe conosco enviando seus comentários neste artigo. 

 

Liderança Do Futuro

Liderança do futuro: cenários e tendências do mercado de trabalho em 2022

Diante de um cenário de intensas e aceleradas mudanças, as relações de trabalho passam por profundas transformações, fator que exige repensar o futuro da liderança dentro das organizações. Afinal, o papel do líder torna-se cada dia mais indispensável para atender a uma nova dinâmica de mercado.

A liderança do futuro deve conduzir mudanças disruptivas nos ambientes organizacionais. Usando a tecnologia como aliada, o líder do futuro é capaz de gerenciar pessoas e não apenas processos, desenvolvendo um olhar humanizado e rompendo com hierarquias rígidas para adaptar-se às normas formas de trabalho e perfis de colaboradores de mentalidade inovadora, proativa e empreendedora. 

Apesar das tecnologias impactarem os processos organizacionais e as metodologias de gestão, habilidades como criatividade e colaboratividade serão cada vez mais valorizadas no perfil da liderança nos próximos anos.

“A liderança do futuro é uma liderança mais humana, combinada com o mindset digital e a coragem em assumir riscos calculados em um contexto incerto e complexo.” - Paulo Alvarenga. 

Uma pesquisa feita pelo Cegos Group, revela as habilidades-chave para uma liderança realmente preparada para atuar no contexto atual. 

Competências da liderança do futuro  

As principais competências do líder do futuro estão associadas a habilidades humanas como criatividade, comunicação assertiva e equilíbrio emocional, sendo consideradas indispensáveis para potencializar os resultados dentro das organizações.

Adaptabilidade

Adaptar-se a um cenário complexo e de extrema incerteza é uma das principais habilidades que a liderança deve desenvolver para lidar com os desafios do mercado de trabalho.

Confiança

Construir um ambiente de trabalho saudável que inspire confiança aos colaboradores e autonomia nas relações de trabalho é essencial, pois a iniciativa impacta diretamente na produtividade dos times e na eficiência dos processos organizacionais

Assista ao webinar sobre o tema confiança em times em trabalho remoto.


Neuroliderança

O modelo de liderança do futuro adota a Neuroliderança, visando compreender e identificar emoções para gerenciar comportamento dos liderados e influenciar positivamente no clima organizacional, no bem-estar e no desempenho dos colaboradores.

Convergência e divergência

A liderança do futuro preza pela diversidade como diferencial competitivo, investindo no desenvolvimento profissional do capital humano da organização para desenvolver times criativos, engajados e produtivos.

Mindset digital

O líder do futuro deve promover uma cultura prioritariamente remota, conciliando competências essencialmente humanas ao mindset digital para tornar a organização inovadora e bem-sucedida. 

Coragem

A liderança do futuro possui coragem em assumir riscos calculados em um contexto incerto e alta complexidade, buscando soluções frente aos desafios impostos.

Inovação

É preciso adotar a cultura da inovação, em que o papel da liderança é estimular a criação de equipes ágeis e multidisciplinares com foco em inovação, valorizando as competências e potencialidades de cada profissional. 

Confira a pesquisa sobre os principais desafios da liderança no contexto atual e desenvolva as habilidades necessárias para atuar no mercado de trabalho do futuro. 

Cenários e tendências do mercado de trabalho

No estudo “Perspectivas para o Mercado de Trabalho 2022” a PageGroup considera que o modelo de trabalho híbrido deve prevalecer em 2022. Com a flexibilização das normas de distanciamento, houve um retorno parcial ao escritório em todos os países que fizeram parte do estudo, com 37,5% dos profissionais. Ainda assim, cerca de 20% dos participantes continuam a trabalhar exclusivamente em casa. 

O Brasil é o país com a maior porcentagem de colaboradores em esquema presencial, ainda que de forma escalonada: 44,3% afirmaram que estão trabalhando na modalidade híbrida ou mista.

A pesquisa apontou ainda que mais da metade dos profissionais da região, 53,3%, estão abertos a receber ofertas de trabalho. Nesse sentido, os desafios apresentados no futuro do trabalho impõem a necessidade cada vez maior das organizações em atrair e engajar as pessoas. Segundo levantamento do LinkedIn, o cargo que mais vai se destacar no mercado de trabalho em 2022 é o do recrutador especializado em tecnologia. 

Milton Beck, Diretor Geral do LinkedIn para América Latina, vê que as profissões em alta na tecnologia estão mudando a demanda por competências e direcionando o mercado de trabalho do futuro.

Por isso, adaptar a cultura organizacional, bem como o seu modelo de negócio para gerenciar equipes alinhadas às tendências e aos possíveis cenários do futuro é de extrema importância para que a liderança corporativa atenda às necessidades que o contexto atual demanda.

Conheça os cursos e palestras que ofereço sobre liderança e inovação para capacitar e motivar os líderes e colaboradores da sua empresa a adaptarem-se às novas formas de trabalho. 

Comunicação E Convivência Híbrida

Comunicação e convivência híbrida

“Sem comunicação não dá! Não dá para aprender, não dá para inovar, vender, engajar e, principalmente, não dá para conviver.”

Novas formas de trabalho, como o modelo híbrido, tem desafiado organizações, impondo a necessidade de ágil adaptação. Nesse contexto, a comunicação é um fator determinante para organizações que desejam ser mais inovadoras e colaborativas com capacidade de lidar com problemas complexos de frente para manterem-se diferenciadas. 

Sabemos o quanto a comunicação ficou ainda mais dificultada a partir do momento em que quase a totalidade das empresas passaram a trabalhar de forma remota. Afinal, perdemos aqueles momentos espontâneos de encontrar com as pessoas, resolver problemas com conversas rápidas, encontros para um cafezinho ou no elevador. Agora, mais do que nunca, precisamos nos comunicar.

Um estudo coordenado por Ethan Bernstein, professor de comportamento organizacional da Harvard Business School sobre as implicações de trabalhar sem estar em um escritório, avaliou como positiva a experiência de trabalho remoto durante a pandemia, com ganhos organizacionais e também de aprendizados individuais. Por outro lado, a pesquisa evidenciou os impactos negativos dessa experiência, como a perda do cultivo de relacionamentos paralelos entre colegas e também de inovação à medida que ideias surgem no contato presencial.

Se, mesmo no modelo de trabalho tradicional a comunicação já era um problema recorrente, agora a comunicação no ambiente de trabalho entra em um nível ainda mais complexo. Com muitas empresas adotando o modelo de trabalho híbrido, ou seja, parte das pessoas trabalhando da empresa e parte ainda em home office, como fazer para manter todos alinhados? Como o formato de trabalho híbrido ampliou ou dificultou a comunicação e integração entre times? 

É sobre o tema comunicação e convivência híbrida que Vânia Bueno comunicadora há 40 anos e mentora para líderes, equipes e organizações — trata no webinar sobre o papel das organizações para que a convivência no ambiente de trabalho híbrido seja repensada. 


Comunicação é tudo o que falamos e não falamos

Vânia evidenciou que o mal estar, assim como o stress e o cansaço das pessoas dentro das organizações está atribuído muito mais à qualidade do ambiente onde elas executam as atividades do que com relação às tarefas que elas executam de fato.

Nesse sentido, quando pensamos em comunicação e convivência híbrida, precisamos lembrar que a boa comunicação contagia e reflete não apenas no dia a dia de trabalho, mas também na produtividade, conforto, liberdade e intimidade entre as pessoas. Cada ação comunicativa abre janelas ou constrói muros, não há na comunicação um ponto neutro, há sempre algum efeito. 

Em um ambiente de trabalho, a comunicação é uma corresponsabilidade partilhada por todos — sejam líderes e liderados. Todos na empresa fazem parte dela, não apenas o setor de comunicação e marketing. Tomar consciência de que estamos nos comunicando o tempo todo é o primeiro e mais importante passo para uma organização que está se preparando para esta nova forma de trabalhar.   

Sendo assim, é necessário despertar um interesse genuíno em elevar a comunicação para um outro patamar de prioridade dentro das organizações. Em geral fazemos comunicação de forma muito espontânea, mas comunicar-se de forma positiva e apropriada é muito mais difícil do que parece. Ainda mais se considerarmos que comunicar-se não é apenas falar ou escrever, mas também as formas de comportamento. Não à toa a questão sempre aparece quando se trata de soluções e caminhos de melhoria dentro das organizações. 

“Sem comunicação não dá! Não dá para aprender, não dá para inovar, vender, engajar e, principalmente, não dá para conviver. A escola e a vida me ensinaram que praticar comunicação consciente e responsável é chave para solucionar e prevenir a maior parte dos desgastes que cultivamos dia após dia. Nada fácil. Falo por mim. Aprendi que comunicação tem muito mais a ver com comportamento do que com retórica. Mais sobre ser do que parecer. E que compreender e ser compreendido é peleja para a vida toda.” Vânia Bueno. 

No trabalho híbrido, construir essa lógica de pensamento demonstra-se ainda mais necessária. Se a intenção é manter um ambiente de trabalho eficiente, saudável e sem furos de comunicação é necessário dar a devida relevância ao assunto. E sabe aqueles momentos espontâneos de corredor? Pois é, eles precisam ser inseridos também para o ambiente digital como parte obrigatória da rotina de trabalho.

Só assim, em trabalho remoto ou híbrido, é possível manter um time alinhado em um cenário de macrotransição em que as mudanças são profundas, abrangentes e irreversíveis. Sem dúvida, os negócios que vão criar maior impacto são aqueles que possuem colaboradores com propósitos alinhados e que sentem que o seu trabalho importa para o mundo.

Boa práticas no trabalho híbrido para implementar a inovação comportamental nas organizações

A Nova Teoria da Comunicação, de Gregory Bateson, defende que comunicação é sinônimo de comportamento. “Todo comportamento comunica. Como não existe forma contrária ao comportamento (não-comportamento), também não existe não-comunicação. Então, é impossível não se comunicar”. 

Por isso, algumas boas práticas são primordiais para um ambiente de trabalho híbrido saudável. Destaco, as principais: 

Autonomia e confiança são de extrema importância e estão diretamente relacionadas à comunicação. Isso porque, é através de uma comunicação fluida, clara, empática e transparente que gestores podem se posicionar e, de outro lado, colaboradores sintam-se motivados para expor seus objetivos, pontos e desafios. 

Ao incentivar o protagonismo do colaborador trabalhando de qualquer lugar, os colaboradores são motivados a seguir aprendendo com os desafios com espaço para serem criativos e vulneráveis. Para que isso seja viável, é preciso estimular a comunicação aberta, clara e síncrona entre todo o time, combinando os diferentes formatos de execução de tarefas — online e offline — tornando os processos mais dinâmicos e otimizados, tanto dentro quanto fora do ambiente de trabalho.

Desenvolver senso de pertencimento é outra boa prática que deve ser implementada ao adaptar os processos internos e a cultura organizacional a essa nova realidade. Por sermos seres sociais, precisamos fazer parte de um grupo. Para isso, é necessário promover liberdade com responsabilidade que possibilita manter equipes com pessoas realizadas e conectadas entre si e com a organização;

É comprovado que quando há sensação de pertencimento, o engajamento dos colaboradores torna-se muito mais elevado. Em contrapartida, uma pesquisa feita pela Gallup aponta que 85% das pessoas no mundo se sentem desengajadas ou insatisfeitas em seu local de trabalho.

Esse dado reflete a necessidade de repensarmos a nossa convivência, seja no ambiente presencial como no digital. E a comunicação é imprescindível para implementar boas práticas no modelo de trabalho híbrido. 

Como sua organização está se adaptando aos novos formatos de trabalho? Compartilhe sua opinião sobre o tema nos comentários e participe do debate.