Magia E Negócios Blog2 (1)

Magia e negócios podem andar juntos?

Apesar de serem conceitos antagônicos, magia e negócios podem caminhar juntos e impactar positivamente as organizações. Existe uma corrente de pensamento que considera  os elementos do universo místico como sendo possível compreender cada pilar, colaborador e projeto como peças singulares e necessárias para o crescimento do negócio. Este artigo é resultado do webinar que tivemos a oportunidade de realizar no dia 12 de maio de 2021, com um bate papo super instrutivo com o Prof. Thiago Gringon

A partir da premissa de que as organizações não existem por si, mas elas são feitas de pessoas, bastante particulares e singulares. Assim, a antiga máxima que diz que as emoções devem ficar do “lado de fora” do trabalho, acabou. Justamente, porque são essas particularidades que contribuem não apenas para o crescimento de um negócio, mas também para sua sustentabilidade a longo prazo. 

Isso se acentuou com a necessidade do trabalho remoto, que, por conta da pandemia mundial, nos forçou a trabalhar de dentro de nossas casas, trazendo a singularidade e criatividade de cada indivíduo e projeto ainda mais para a superfície.

O místico que habita em nós, e que muitas vezes não conseguimos externalizar, também precisa estar nas empresas. O importante, é compreender como manter um equilíbrio necessário entre elementos tão distintos para que o crescimento de uma organização seja, assim, sustentável. 

Mas que elementos são esses? Continue a leitura do artigo para compreender.


Os 5 elementos relacionados aos negócios, de acordo com Thiago Gringon

 Sim, aqui estamos falando da terra, água, fogo, ar e éter. 

Começando com a terra, que é o elemento mais próximo de nós. Quando trazemos o elemental da terra para próximo dos negócios, passamos a entender a força da tangibilização das coisas. Quando precisamos tangibilizar as nossas ideias, usamos a “magia da terra”, ou seja, fazemos com que nossas ideias ganhem forma. 

Fazemos com que os nossos projetos tenham uma “cara”, tornem-se sensoriais e verdadeiros. Afinal, apenas sendo colocado de forma tangível no mundo é que ele passa a ter sentido, certo? 

Outra metáfora que podemos fazer utilizando o elemento terra é que nela, as coisas crescem e se multiplicam de forma horizontal e, para que siga prosperando, trabalhamos com o solo mantendo-o fértil. Esse é o caso de tornar um modelo de negócio escalável! Compreender quais os elementos que faltam ali, as especificidades necessárias para que aquele projeto siga impactando da maneira que deve. 

Algumas organizações são bastante apegadas ao elemento terra, buscando trazer quase tudo para um espaço tangível e acabam, por vezes, esquecendo de inúmeras outras complexidades que o negócio exige. Voltando à terra, quando não cuidamos dela com a devida atenção aos detalhes, ela acaba por ficar improdutiva e, na pior das hipóteses, até infértil. 

Aí entra o elemento da água, que representa as emoções e os sentimentos. A água fala de coisas que fluem e que nos mata a sede — afinal é uma fonte de vida. A água faz com que nós alimentemos os nossos valores e crenças. Sem a água, a terra fica infértil e todas as coisas boas que estavam presentes ali, passam a sumir. 

Portanto, tudo o que for proposta de valor, emoções de nossa equipe e audiência, está dentro do elemento “água”. Normalizar a vulnerabilidade é a chave para esse equilíbrio. Ela auxiliará, inclusive, a aumentar a confiança entre líderes e liderados, uma vez que ela demonstra os vínculos que aproximam a equipe.

Falamos de materialidade e vulnerabilidade, mas onde aprendemos a lidar e equilibrar esses dois extremos? Aí entra o elemento do ar, que fala sobre os pensamentos. Todo o aprendizado e tudo o que é acumulado com as experiências no mundo corporativo, a educação acumulada, faz com que você compreenda melhor o fluxo do mundo.

Quem mantém esse fluxo é o ar. O ar é responsável por levar e trazer informações, projetos e experiências. Ele nos ajuda a compreender como os nossos projetos podem, por exemplo, educar quem participa dele. Como ele atingirá outras culturas e realidades, de que forma certas ações chegarão do outro lado. 

Nesse caso, podemos citar de exemplo a cultura organizacional. Uma empresa com o “ar sufocante”, quer dizer, informações demais chegando de forma confusa tanto em liderados, quanto em fornecedores e parceiros pode fazer com que os bons talentos vão embora. 

E para manter a motivação da equipe quando já compreendo como equilibrar os três elementos acima? 

Aqui falamos do fogo. O fogo é o elemento que fala sobre a nossa motivação, sobre o como fazer as coisas, o lado mais processual. Ele é aquela energia e confiança para o que precisa ser feito e o que você quer que seja feito. Para fazer com que todos ajam com algum propósito 

Por fim, o quinto elemento, éter, fala do espírito. Ele nada mais é que compreender que a cultura organizacional de seu negócio pode ajudar os colaboradores a “transcendem” e entregarem algo útil para a empresa e para a sociedade  Ele representa qual o legado que cada projeto de seu negócio deixa. 

Inovação tem a ver com magia também?

As inovações podem surgir na sociedade através de novos bens, novos métodos de produção, descobertas científicas e tecnológicas, novos arranjos comerciais e, consequentemente, alteram o equilíbrio da economia socioambiental. Isso significa que inovar vai muito além de colocar em prática uma nova ideia. 

Nesse caso, a magia e a atenção aos elementos e seu equilíbrio servem como um caminho para a inovação acontecer. Uma linguagem que ajuda a processos serem cada vez mais inovadores e que se preocupem com o equilíbrio da equipe, da empresa e do impacto gerado. 

Gostou do assunto e quer saber mais?  Assista ao webinar em que converso com Thiago Gringon a respeito da magia nos negócios.   

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *