Protagonismo Profissional

Protagonismo profissional e a construção de novos relacionamentos nas empresas

Já pensou como seria assumir o controle da sua carreira, guiando suas decisões da forma que achar melhor para o seu futuro? Se esse é o seu sonho, então se prepare porque é possível torná-lo realidade. Neste artigo, vamos mostrar como o protagonismo profissional pode alavancar sua vida e ajudar você a chegar mais longe. 

Ser protagonista da própria carreira significa assumir o papel principal na sua vida profissional. Sem terceirizar para as lideranças ou empresas, a responsabilidade sobre as suas ações. 

É claro que não é possível agir totalmente sozinho/a. Por isso, é importante reforçar que não se trata de achar que você é capaz de fazer qualquer coisa, a qualquer momento. Qualquer profissional que trabalhe dentro de uma organização, com uma equipe e relacionamentos comerciais está à mercê das decisões de outras pessoas também. 

Mas é possível se responsabilizar pelas próprias escolhas e desenvolver algumas habilidades que ajudarão você a se destacar no mercado. 

A seguir, você entenderá melhor o que significa protagonismo profissional, como desenvolver essa habilidade e como lidar com protagonistas na sua equipe sem que isso se torne um desafio da liderança

O que é protagonismo profissional?

Você com certeza já se encantou pelo protagonista de algum livro, filme ou série. Estamos falando daquele personagem que está no centro da história, a partir do qual todo o enredo se desenvolve. Essa figura costuma atrair toda a atenção dos espectadores e, para bem ou para mal, fica marcada em nossa memória. No mercado de trabalho não é tão diferente. 

Estamos tratando de um cenário real, mas é possível fazer alguns paralelos. Pense, por exemplo, em figuras que marcaram positivamente sua vida profissional. É provável que elas fossem as protagonistas.

De forma resumida, podemos dizer que ter protagonismo profissional significa assumir responsabilidade pela evolução da sua carreira. Trata-se de ter iniciativa e buscar os melhores caminhos para chegar onde se deseja. 

Quais são as características de um protagonista?

Assumir responsabilidade pela própria carreira exige algumas outras habilidades. Não é fácil, do dia para a noite, decidir que você fará uma mudança radical no seu perfil profissional. 

Algumas pessoas já possuem características que as beneficiam, mas nem todas. Por isso, é importante entender quais são as soft skills envolvidas nesse processo. 

Capacidade de liderança

A primeira coisa que vem à mente quando falamos de profissionais protagonistas é em líderes. Não necessariamente os protagonistas assumem cargos de gestão, mas o perfil de liderança vai muito além da sua função na empresa. 

Ter iniciativa e proatividade são formas de desenvolver suas habilidades de líder do futuro. Ao mesmo tempo, é importante saber dialogar com a equipe e motivar aqueles ao seu redor. Ser protagonista não significa que você trabalhará só. 

Hoje em dia, a colaboração é uma das habilidades mais exigidas no mercado e exercitar suas capacidades enquanto líder também passa por isso. 

Inteligência emocional

Outra habilidade necessária para o futuro do trabalho é a inteligência emocional. O termo já dominou o mundo corporativo, mas você sabe o que isso realmente significa? Trata-se da capacidade de lidar com as suas emoções em contextos complexos. 

Saber encarar desafios sem desespero, conseguindo enxergar o todo da situação, por exemplo, é uma forma de inteligência emocional. Isso não significa, é claro, reprimir seus sentimentos. Mas saber lidar com eles e encarar as dificuldades faz de você um profissional destacado.

Atualização constante

Ser protagonista também exige conhecer de perto o mercado e ter segurança na tomada de decisões. Para isso, você precisa estar sempre se atualizando com cursos, workshops, livros, podcasts e o que mais for relevante para a sua área. 

Aliás, você não precisa estudar apenas aquilo que se aplica ao seu trabalho imediato. Entender o funcionamento da empresa e as atribuições de outros times também ajudará na hora de assumir o protagonismo. Tendo uma boa visão do todo, você pode colaborar com outros profissionais e demonstrar ser uma pessoa interessada e proativa. 

Mesmo que você acredite saber tudo sobre um assunto, não desconsidere a oportunidade de aprender mais. Ainda que o conteúdo abordado seja similar ao que você já conhece, pode ser que a abordagem seja diferente ou mais atualizada, por exemplo. 

Responsabilidade com os erros

Assumir protagonismo exige também responsabilidade para encarar os erros. Afinal, ninguém gosta daquela pessoa que quer o reconhecimento apenas quando as coisas dão certo. 

Tomar o controle da sua carreira significa assumir seu papel nas falhas que ocorrerem. Seja na sua jornada profissional ou em algum projeto em que você estava trabalhando. 

Não estamos falando de se martirizar e deixar isso abalar todo o seu trabalho. Mas de entender o que poderia ter sido feito diferente. Também não se trata de apenas lamentar. É preciso descobrir o que deu errado, por quê e o que pode ser feito para corrigir e aprender a partir da experiência vivida. 

Como assumir protagonismo da própria carreira?

Como você viu, todas essas habilidades são fundamentais para quem deseja conquistar o protagonismo profissional. No entanto, fazer essa transformação cultural exige tempo e dedicação. Por isso, listamos algumas dicas que você pode seguir para dar esse passo. 

Trace objetivos 

Em primeiro lugar, você precisa entender onde quer chegar com a sua carreira. Ser protagonista não é a mesma coisa que fazer tudo, o tempo todo. Você tem que entender quais são os projetos mais relevantes para os seus objetivos. 

Para isso, faça um planejamento pessoal. Pergunte-se onde quer chegar e como quer ser reconhecido pelos outros. Assim, você terá mais clareza do caminho que precisa percorrer e de quais ações vem em seguida. 

Invista em capacitação

Com seus objetivos em mãos, você conseguirá entender quais habilidades precisa desenvolver para alcançá-los. Analise suas características profissionais hoje e veja quais conhecimentos você ainda precisa adquirir. 

Depois disso, invista em capacitação. Como você viu, estar em constante atualização é uma das principais habilidades de um profissional destacado. Então, coloque a educação no centro do seu desenvolvimento e, acredite, você não precisa fazer isso sozinho/a para ser protagonista. 

Saiba reconhecer quando precisa de ajuda. Mentorias, consultorias de carreira, cursos e workshops são excelentes opções para trabalhar em cima das habilidades que você precisa. E considere todas as opções disponíveis de forma online e gratuita. São muitas as possibilidades. 

Coloque-se à disposição para colaborar

Ter proatividade e oferecer ajuda são características fundamentais do protagonismo profissional. Por isso, engaje-se nas atividades do seu time e coloque-se à disposição para ajudar os demais. 

Hoje, muitas empresas criam grupos com membros de diversas equipes para atuarem juntos em uma pauta ou desafio específico. Se a sua ainda não tem algo parecido, considere criar ou sugerir para os colegas. Essa é uma forma de se destacar, não apenas na sua função, mas como alguém que se interessa e presta atenção. 

Como as empresas podem estimular o protagonismo profissional?

Cada vez mais empresas buscam profissionais protagonistas, proativos e criativos. Afinal, essas habilidades são chave para negócios que desejam sobreviver à transformação digital. O problema é que nem todas estão preparadas para lidar com profissionais proativos. Estruturas e hierarquias muito rígidas, por exemplo, afastam esses colaboradores. 

Ao mesmo tempo, muitos líderes afirmam procurar por protagonistas. Porém, na prática, não aceitam que sua “autoridade” seja contestada ou que esses profissionais se destaquem mais do que eles mesmos. Ou seja, trata-se de um problema cultural que exige mudanças em todos os níveis da organização. 

É preciso que a empresa desenvolva uma cultura da inovação, incentivando atributos como a colaboração, a responsabilidade e a inteligência emocional. Além disso, investir em educação corporativa pode ajudar. Com treinamentos adequados, os profissionais refletirão sobre suas próprias ações, dentro e fora da empresa, e sobre como podem melhorar. 

Nosso workshop sobre Accountability e Protagonismo, por exemplo, apresenta alguns conceitos e práticas que sua equipe pode adotar para estimular essas características. Saiba como funciona e entre em contato para agendar! 

 

Pensamento Agil

Pensamento ágil: qual a sua importância para o futuro do trabalho

O mundo está mais ágil a cada dia. Assim, para lidar com cenários complexos, atuar com uma visão mais centrada no cliente e, ainda, posicionar-se de maneira inovadora para permanecer relevante, o pensamento ágil é uma habilidade importante que deve ser considerada tanto por pessoas como por organizações. 

A agilidade é a capacidade de adaptar-se, reagindo de forma rápida e efetiva às mudanças. No contexto organizacional, está diretamente associada a conceitos ligados à inovação, à habilidade de perceber mudanças e antecipar estratégias, assim como correr riscos a partir de pontos de vista diferenciados e mais ousados. 

Promover a agilidade em uma organização demanda desconstruir padrões já estabelecidos com a finalidade de promover soluções disruptivas que estejam alinhadas às atuais demandas dos consumidores. 

Para isso, além de investir na capacitação técnica dos profissionais para que estejam familiarizados com as metodologias ágeis, como Design Thinking, Scrum e OKR, por exemplo, é fundamental adotar a cultura ágil para direcionar as estratégias organizacionais e alcançar resultados surpreendentes. 

Para acompanhar o dinamismo do mercado, muitas empresas passaram a adotar o pensamento ágil. A partir do Manifesto Ágil, originalmente publicado em 2001, os valores e princípios que norteiam a gestão ágil foram amplamente difundidos, deixando de ser uma prática adotada exclusivamente pelas startups. Devido aos resultados bem sucedidos, esse modelo inovador de gestão passou a ser incorporado também em empresas já consolidadas.

Com a experimentação de novas formas de trabalho tornando-se uma forte tendência, como o trabalho remoto e o modelo híbrido, a necessidade de uma organização tornar-se ágil é cada vez mais urgente. Isso se deve ao fato do pensamento ágil possibilitar mais rapidez e eficiência ao cumprimento das demandas e tornar os processos mais flexíveis e dinâmicos. 

A transformação ágil já é uma realidade no presente, e eu convido você a fazer parte dessa jornada. Para auxiliar lideranças nessa missão, recomendo a leitura do livro A Jornada Ágil: um caminho para inovação, que apresenta os conceitos e caminhos para implementar as metodologias ágeis em uma organização, do qual sou uma das autoras. 

A importância das organizações adotarem o pensamento ágil 

A agilidade organizacional não deve mais ser vista apenas como um diferencial, e sim uma necessidade para adaptar-se às mudanças exponenciais. Dessa forma, as organizações desenvolvem a capacidade de agir de forma rápida, decisiva e eficiente frente aos desafios, muitas vezes, ainda desconhecidos. 

Aplicar as metodologias ágeis em busca de inovação, mas sem abrir mão da eficácia operacional, é alternativa para substituir os modelos tradicionais de gestão, que têm se mostrado cada vez menos efetivos, produtivos e saudáveis. Adotar um mindset ágil contribui para o desenvolvimento das organizações e inovação de seus produtos e serviços. 

Isso porque, o pensamento ágil estimula constantemente o aperfeiçoamento, tanto dos processos corporativos quanto das soluções desenvolvidas. A fim de que as empresas mantenham um ritmo de crescimento acelerado e ofereçam experiências completas a partir do entendimento da necessidade de seus clientes.

A pesquisa PMI’s Pulse of the Profession 2018, realizada pelo Instituto PMI, constatou que 73% das organizações globais utilizam os métodos ágeis para gerenciar seus projetos. Já o estudo Agilidade na América Latina, feito pela consultoria everis em parceria com a MIT Tech Review revelou que 52% das empresas que adotaram metodologias ágeis acreditam que a iniciativa contribuiu para redução de custos, 68% constaram melhorias na redução de riscos e 94% observaram melhorias na velocidade e no alinhamento da TI com o negócio. 

Os dados comprovam a importância em adotar o pensamento ágil nas organizações, conferindo benefícios práticos na rotina organizacional como colaboração, flexibilidade e abertura para experimentação.

Conheça cases de empresas nacionais que adotam esse tipo de metodologia organizacional. 

Diferenciais das organizações com pensamento ágil

Para que o modelo de organização ágil seja adotado de forma bem sucedida, é necessário ter conhecimento sobre as principais práticas que diferenciam as organizações com pensamento ágil daquelas que ainda resistem a esse modelo de gestão.  

Contudo, é recomendado testar diferentes metodologias gradualmente e monitorar seus resultados para obter o entendimento de quais estratégias impactam positivamente o desempenho do negócio.

Entenda os principais diferenciais das organizações com pensamento ágil: 

Adaptação à mudança: capacidade de encarar as incertezas e minimizar os riscos envolvidos para obter sucesso mesmo em um contexto complexo; 

Transparência: a cultura ágil trabalha com transparência dentro dos mais diversos níveis de planejamento e ações para tomada de decisões rápidas e ciclos de aprendizagem;

Resolução de problemas complexos: com o modelo ágil, capacitar os talentos para resolver problemas inéditos e complexos é diferencial importante para qualquer organização, independentemente do modelo de negócio, porte e segmento de atuação; 

Foco no cliente: atuar na resolução das dores e dos problemas dos clientes e ter atenção especial na entrega de valor;

Confiança: a colaboração e o trabalho conjunto, visando um mesmo objetivo, exigem confiança. Para promover a autonomia nas relações de trabalho e alcançar melhores resultados, líderes e liderados precisam desenvolver a confiança mútua para estimular o compartilhamento de ideias e feedbacks

Gestão de pessoas: os colaboradores têm um papel muito relevante dentro de uma empresa. Por isso, é vital que as lideranças saibam motivar suas equipes, de modo a estimulá-las a maximizar os resultados, fornecendo condições para a equipe desenvolver as soluções e em remover restrições;

Inteligência emocional: a inteligência emocional ajuda a entender o ponto de vista do outro, aproximando as pessoas, gerando confiança em ambientes de trabalho sustentáveis e saudáveis;

Cooperação: a capacidade de trabalhar como parte de uma equipe é fundamental. Para que a colaboração efetiva ocorra, cada integrante da equipe precisa estar focado em alcançar um objetivo comum. Bons colaboradores precisam ser capazes de trabalhar bem uns com os outros e conduzir-se de uma maneira que agregue valor à entrega compartilhada;

Tomada de decisão: discernimento e habilidade para tomada de decisão baseada em dados e ciclos de aprendizagem ágeis para administrar incertezas em ambientes complexos e em constante evolução;

Liderança ágil que incentiva o protagonismo dos colaboradores: desenvolver líderes ágeis que estimulam colaboradores a assumirem o protagonismo, promovendo uma cultura de confiança para atrair e reter talentos, bem como engajar equipes remotas;

Equipes multidisciplinares e de alta performance: a gestão ágil demanda equipes de alta performance que sejam diversas, auto-gerenciáveis e multidisciplinares. Assista ao Webinar Estratégias ágeis com times de alto desempenho para entender como tornar as metodologias ágeis aliadas para potencializar os resultados; 


Para implementar o pensamento ágil de maneira efetiva é importante envolver todos os níveis de uma organização. Deseja remodelar o modelo de gestão e tornar sua organização ágil?
Veja nossos cursos online.

 

Liderança Inovadora Hibrido

Liderança inovadora em tempos de trabalho híbrido

As novas formas de trabalho, impõe a necessidade de uma liderança inovadora que tenha a capacidade de estabelecer uma comunicação eficiente e empática com a equipe. Habilidades que devem ser desenvolvidas pelas lideranças diante dos desafios na gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar.

Em tempos de trabalho híbrido, o papel da liderança inovadora é reduzir as distâncias impostas, mas respeitando a flexibilidade de tempo e a autonomia nas relações de trabalho, sendo um exemplo para que as pessoas saibam como se comportar nesse novo contexto. 

Independente do formato de trabalho adotado, seja optando pelo trabalho remoto de forma permanente ou promovendo o retorno gradual ao escritório em formato híbrido, a liderança inovadora capta as tendências, aposta na mudança e estimula as pessoas a gerarem ideias e colocá-las em prática. 

Estudo realizado pela Alelo revela que boa parte dos profissionais reconhecem o aumento de produtividade e foco no trabalho remoto (41%), destacando os seguintes benefícios das novas formas de trabalho como pontos positivos: 

  • utilizar o tempo de deslocamento até o escritório para outras atividades (50%); 
  • ter mais tempo para estar com a família (44%); 
  • conciliar atividades do emprego e de casa (40%).    

Para gerenciar equipes à distância, as lideranças precisam conectar-se mais com a pessoa do que com o profissional e desenvolver a escuta ativa para entender como as relações e as expectativas mudaram nesse período para remodelar a rotina organizacional ao momento atual.

Em um cenário de grandes transformações, os maiores desafios das posições de liderança são engajar pessoas, tomar decisões rapidamente, ter estabilidade emocional para resistir às crises e criar estratégias para obter resultados além dos esperados. Nesse contexto, a agilidade mostra-se uma característica fundamental da liderança inovadora

Perfil da liderança inovadora 

A postura de uma liderança inovadora está diretamente alinhada a conceitos ligados à inovação, à habilidade de perceber mudanças e antecipar estratégias, a correr riscos a partir de pontos de vista diferenciados e mais ousados. O desenvolvimento desse perfil de liderança deve atuar em conjunto com a aplicação de novas tecnologias, a valorização do capital humano e o uso da intuição além da razão. 

Líderes inovadores incentivam a coragem e a ousadia de seus times. Além disso, fomentam a criatividade, sendo considerados fortes agentes de mudança, desenvolvendo e realizando ideias inovadoras que visam melhorar o mundo por meio da atuação em suas empresas.

Agilidade

O líder inovador é ágil, capaz de tomar decisões com base em dados existentes, estimula a colaboração e desperta um propósito maior no time, gerenciando as possibilidades de erros e assumindo os eventuais riscos. 

Assista ao Webinar Estratégias ágeis com times de alto desempenho para implementar a cultura ágil e engajar a equipe a alcançarem resultados exponenciais.

Adaptabilidade

Adaptar-se a um cenário complexo e de mudanças exponenciais é uma das principais habilidades de uma liderança inovadora para lidar com os desafios do mercado de trabalho em tempos de trabalho híbrido.

Experimentação

Essa é uma particularidade encontrada em líderes inovadores, que buscam conduzir mudanças disruptivas nos ambientes organizacionais, despertando o lado da inovação em seus colaboradores para desconstruir padrões e oferecer soluções diferenciadas 

Convivência híbrida

Líderes inovadores promovem uma cultura prioritariamente remota. Com a flexibilização das normas de distanciamento, o modelo de trabalho mais propício a ser adotado é o híbrido. A convivência híbrida possibilita liberdade, autonomia e flexibilidade para que os colaboradores possam optar pelo formato de trabalho que mais se encaixa às suas necessidades, seja remoto ou híbrido. 

Para adaptar a cultura organizacional às novas formas de trabalho, assista ao Webinar Comunicação e Convivência Híbrida.  

Empatia

Uma liderança inovadora atua com foco nas pessoas, levando o lado humano de sua equipe em sua consideração. Sabem ouvir seus colabores e procuram entender os pontos de vista de todos. Além disso, aceitam assumir riscos controlados e entendem que, muitas vezes, é preciso uma mudança disruptiva para que se possa avançar com a inovação. 

Transparência

Cabe à liderança inovadora agir de forma transparente, com responsabilidade social e ambiental, impactando de forma positiva a vida das pessoas para transformar o mundo num lugar melhor para todos. 

Dinamismo

Líderes inovadores adotam um modelo dinâmico de gestão de pessoas, promovendo o alto engajamento e uma cultura organizacional que instaura as pessoas no centro, envolvendo e criando valor. 

Quer desenvolver a liderança inovadora na sua organização? Garanta o exemplar do livro “Liderança para a inovação — como aprender, adaptar e conduzir a transformação cultural nas organizações” e se aprofunde sobre o tema.

 

Gestao De Equipes Blog2

Desafios da liderança na gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar

As lideranças das organizações estão sendo desafiadas a gerenciar times em contextos complexos, intensificado por novas formas de trabalho, a exemplo do modelo híbrido e remoto. O anywhere office, termo em inglês que refere-se a escritório em qualquer lugar —  modelo de trabalho que permite que as pessoas desempenhem suas atividades a partir de qualquer local — também tem imposto novos desafios às lideranças ao exigir maior liberdade, flexibilidade e autonomia nas relações de trabalho.

Atualmente, gerenciar equipes que trabalham à distância tornou-se regra e não mais exceção. A tendência é que as empresas mantenham seus escritórios, mas adotem um formato de gestão cada vez mais descentralizado para que possam tornar o trabalho remoto uma prática permanente.

No Webinar Confiança em times em trabalho remoto, em que conversei com o educador corporativo e palestrante, Ricardo Vandré, abordamos a importância de implementar novas estratégias e ferramentas que provoquem agilidade, inovação, criatividade e dinamismo nos processos organizacionais para promover a gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar. 

As transformações em curso exigem adaptações principalmente na cultura organizacional. Para acompanhar as mudanças, tanto comportamentais como nas tendências de mercado, os líderes precisam estar preparados para lidar com esses novos desafios. 

Para entender quais os principais desafios da liderança na gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar, foram consultados mais de 60 profissionais, pesquisadores e estudantes que estão conectados de alguma maneira com Liderança e Inovação. 

Os entrevistados responderam questões sobre o impacto da pandemia na liderança, os desafios enfrentados nesse cenário e quais os ensinamentos que deverão levar. Além disso, também falaram sobre as principais habilidades e competências que líderes precisam desenvolver para superar os principais desafios da liderança que se apresentam. 

A pesquisa resultou no Checklist: Os principais desafios da liderança, material que pode ser acessado gratuitamente aqui

Principais desafios da liderança 

Com base na pesquisa, elaboramos um material que além de mostrar as tendências apontadas pelos especialistas, também faz um checklist daquilo que os líderes precisam atentar-se. Entre os desafios apontados estão:

Liderança e gestão do trabalho remoto

A grande descoberta das organizações foi compreender que é possível promover a gestão de equipes de forma inteiramente remota sem que essa iniciativa impacte negativamente na produtividade. Pelo contrário, as organizações constataram que os colaboradores podem se manter produtivos mesmo à distância. 

Construção e exercício da confiança

Aumentar a confiança entre times em trabalho remoto é um dos grandes desafios da gestão de organizações no atual momento. A gestão de equipes que trabalham de qualquer lugar exige um ambiente de trabalho que inspire a confiança dos colaboradores, garantindo que as relações de trabalho sejam saudáveis.

Agilidade e flexibilidade da liderança

Uma liderança ágil e inovadora mantém os colaboradores motivados e alinhados com as metas e objetivos da organização. Isso porque, esse perfil de líder possui habilidades como empatia, resiliência, escuta ativa, adaptabilidade, flexibilidade e propósito. Baixe gratuitamente o Infográfico Agilidade e Inovação na Liderança e saiba como tornar-se um líder ágil.

Gestão do tempo

Adotar ferramentas de produtividade e colaboração, bem como estratégias ágeis para automatizar a gestão das tarefas do time e manter uma comunicação fluida e eficiente é primordial para gerenciar equipes à distância. A iniciativa contribui para o aumento da produtividade e autonomia para que a equipe possa assumir o protagonismo no cumprimento dos objetivos da organização.

Engajamento da equipe

Uma organização ágil e inovadora conta com líderes criativos, flexíveis, inspiradores e com senso de propósito, que sejam capazes de estimular o sentimento de pertencimento, impactando no engajamento e retenção de talentos. Além disso, devem fornecer condições e segurança psicológica para o time colaborar e inovar. 

Liderança inspiracional e acolhedora

Esse perfil de liderança inspira a criatividade e motiva a inovação ao promover uma gestão baseada na competência e na confiança, descentralizando decisões e proporcionando autonomia nas relações de trabalho para obter um melhor desempenho dos colaboradores. 

Os desafios da liderança são inúmeros, mas há muitos que estão enfrentando a mesma situação e, por isso, há bastante conhecimento para ser gerado e compartilhado a partir das experiências vivenciadas. 

Faça o download gratuito do checklist “Os principais desafios da liderança” que traz os itens mais desafiadores na rotina de lideranças atualmente.

E como sua organização tem enfrentado esse novo desafio? Compartilhe conosco enviando seus comentários neste artigo. 

 

Burnout

A síndrome de Burnout nas organizações atuais

A síndrome de burnout tem sido um desafio nas organizações atuais devido ao impacto no comportamento dos colaboradores, bem como na qualidade de vida dos profissionais. Isso porque, entre os sintomas da doença provocada pelo esgotamento profissional estão: cansaço físico e mental, estresse e irritabilidade. 

Esse conjunto de sintomas, tornaram-se ainda mais evidentes em um cenário pandêmico. Como consequência disso, o desempenho das organizações é afetado, impactando negativamente tanto na performance, quanto na lucratividade do negócio.

Segundo pesquisa divulgada pela International Stress Management Association (ISMA-BR), o Brasil ocupa o 2º lugar no ranking de trabalhadores com burnout. Devido ao aumento no número de casos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a síndrome de burnout como uma doença ocupacional em 2022. Com isso, a mudança na classificação relaciona a doença ao ambiente de trabalho e problemas de gestão, responsabilizando direta e indiretamente as empresas com relação à saúde integral dos funcionários. 

A síndrome é caracterizada por sintomas específicos que desencadeiam a condição, entre eles:

  1. Sensação de exaustão ou falta de energia. 
  2. Sentimentos de negativismo, cinismo ou distância em relação ao trabalho. 
  3. Sensação de ineficácia e falta de realização.

Diante dos desafios impostos pela síndrome de burnout, as empresas precisam ficar atentas a esse risco de forma a preveni-lo. Para isso, é necessário que gestores desenvolvam características da liderança do futuro para lidar com essa condição tão comum nas organizações atuais, como por exemplo: a empatia, equilíbrio entre o ser e o dever e domínio de técnicas de resolução de conflitos. 

Entenda o que é a síndrome de burnout e a importância de prevenir a doença no ambiente corporativo.

O que é a síndrome de burnout?

O burnout é um transtorno psíquico originado pelo cansaço extremo, descrito como uma síndrome resultante do estresse crônico no local de trabalho que não foi administrado com sucesso. 

Problemas cada vez mais complexos, alto volume de demanda, bem como fatores como assédio moral, metas fora da realidade ou cobranças agressivas são alguns dos principais causadores da síndrome. 

Conheça os principais sintomas da síndrome de burnout:

  • Alterações no humor;
  • Complicações gastrointestinais;
  • Confinamento;
  • Dificuldades de concentração;
  • Dores de cabeça;
  • Dores musculares
  • Falta ou excesso de apetite;
  • Insegurança;
  • Insônia;
  • Negatividade;
  • Problemas de pressão alta;
  • Sentimentos de derrota

Em muitos casos, o problema causado pelo excesso de trabalho está associado a uma cultura organizacional nociva. Portanto, é essencial oferecer um ambiente de trabalho saudável e acolhedor em que a satisfação do colaborador seja prioridade

Organizações que adotam uma cultura humanizada oferecem um ambiente corporativo seguro, tratando com respeito e empatia os profissionais, principalmente aqueles que apresentem um quadro de burnout, bem como iniciativas para adaptar os processos internos a fim de acolher as necessidades dos colaboradores, atuando de forma preventiva para evitar casos de burnout. 

O livro Liderança para a inovação — como aprender, adaptar e conduzir a transformação cultural nas organizações pode ser considerado uma leitura importante para impulsionar a virada de chave mental nas lideranças das organizações atuais. 

Importância de prevenir a síndrome de burnout na sua organização

Até então, o esgotamento profissional, estresse e a ansiedade preocupavam a gestão de pessoas devido ao impacto no engajamento, produtividade e alta rotatividade. A partir de agora, a síndrome de burnout ganha mais um fator de risco jurídico e financeiro para as organizações atuais. 

Com isso, as empresas devem se posicionar de forma proativa com relação às questões de saúde integral para mitigar os riscos que a doença provoca. Organizações preocupadas em prevenir a doença entre seus colaboradores, estão atentas à saúde mental dos profissionais e colocam essa pauta na agenda dentro do pilar social dos critérios ESG

Dessa forma, passam a adotar práticas de bem-estar efetivas para implementar a mudança de hábitos tóxicos, visando garantir a saúde de seus trabalhadores, ao invés de ações desestruturadas com pouca ou nenhuma efetividade. 

Para criar ambientes corporativos mais saudáveis, um fator essencial é nutrir a segurança psicológica, indo além de investir apenas em ginástica laboral, espaço de descompressão ou uma roda de conversa ocasional sobre saúde mental. É necessário desenvolver alternativas estratégicas para deixar o colaborador satisfeito, com qualidade de vida e feliz. 

Qualidade de vida no trabalho é garantir que a equipe tenha equipamentos e ferramentas necessárias para desenvolver as atividades da melhor forma possível, é assegurar que os colaboradores não levem trabalho para casa e não façam horas extras com frequência. É também investir em capacitação e treinamento para que o time se desenvolva, oferecendo feedbacks contínuos, fomentando a troca de conhecimento e garantindo benefícios que promovam a saúde do trabalhador.

Por conta da importância de prevenir a síndrome de burnout nas organizações atuais, realizei um webinar juntamente com a Fernanda Bornhausen — Psicóloga especialista em Neurociência, idealizadora da Healthtech SEDO Farmácia da Mente e do Social Good Brasil, para conversar sobre esse tema que tanto tem preocupado pessoas e organizações. Assista.

 

 

Liderança Do Futuro

Liderança do futuro: cenários e tendências do mercado de trabalho em 2022

Diante de um cenário de intensas e aceleradas mudanças, as relações de trabalho passam por profundas transformações, fator que exige repensar o futuro da liderança dentro das organizações. Afinal, o papel do líder torna-se cada dia mais indispensável para atender a uma nova dinâmica de mercado.

A liderança do futuro deve conduzir mudanças disruptivas nos ambientes organizacionais. Usando a tecnologia como aliada, o líder do futuro é capaz de gerenciar pessoas e não apenas processos, desenvolvendo um olhar humanizado e rompendo com hierarquias rígidas para adaptar-se às normas formas de trabalho e perfis de colaboradores de mentalidade inovadora, proativa e empreendedora. 

Apesar das tecnologias impactarem os processos organizacionais e as metodologias de gestão, habilidades como criatividade e colaboratividade serão cada vez mais valorizadas no perfil da liderança nos próximos anos.

“A liderança do futuro é uma liderança mais humana, combinada com o mindset digital e a coragem em assumir riscos calculados em um contexto incerto e complexo.” – Paulo Alvarenga. 

Uma pesquisa feita pelo Cegos Group, revela as habilidades-chave para uma liderança realmente preparada para atuar no contexto atual. 

Competências da liderança do futuro  

As principais competências do líder do futuro estão associadas a habilidades humanas como criatividade, comunicação assertiva e equilíbrio emocional, sendo consideradas indispensáveis para potencializar os resultados dentro das organizações.

Adaptabilidade

Adaptar-se a um cenário complexo e de extrema incerteza é uma das principais habilidades que a liderança deve desenvolver para lidar com os desafios do mercado de trabalho.

Confiança

Construir um ambiente de trabalho saudável que inspire confiança aos colaboradores e autonomia nas relações de trabalho é essencial, pois a iniciativa impacta diretamente na produtividade dos times e na eficiência dos processos organizacionais

Assista ao webinar sobre o tema confiança em times em trabalho remoto.


Neuroliderança

O modelo de liderança do futuro adota a Neuroliderança, visando compreender e identificar emoções para gerenciar comportamento dos liderados e influenciar positivamente no clima organizacional, no bem-estar e no desempenho dos colaboradores.

Convergência e divergência

A liderança do futuro preza pela diversidade como diferencial competitivo, investindo no desenvolvimento profissional do capital humano da organização para desenvolver times criativos, engajados e produtivos.

Mindset digital

O líder do futuro deve promover uma cultura prioritariamente remota, conciliando competências essencialmente humanas ao mindset digital para tornar a organização inovadora e bem-sucedida. 

Coragem

A liderança do futuro possui coragem em assumir riscos calculados em um contexto incerto e alta complexidade, buscando soluções frente aos desafios impostos.

Inovação

É preciso adotar a cultura da inovação, em que o papel da liderança é estimular a criação de equipes ágeis e multidisciplinares com foco em inovação, valorizando as competências e potencialidades de cada profissional. 

Confira a pesquisa sobre os principais desafios da liderança no contexto atual e desenvolva as habilidades necessárias para atuar no mercado de trabalho do futuro. 

Cenários e tendências do mercado de trabalho

No estudo “Perspectivas para o Mercado de Trabalho 2022” a PageGroup considera que o modelo de trabalho híbrido deve prevalecer em 2022. Com a flexibilização das normas de distanciamento, houve um retorno parcial ao escritório em todos os países que fizeram parte do estudo, com 37,5% dos profissionais. Ainda assim, cerca de 20% dos participantes continuam a trabalhar exclusivamente em casa. 

O Brasil é o país com a maior porcentagem de colaboradores em esquema presencial, ainda que de forma escalonada: 44,3% afirmaram que estão trabalhando na modalidade híbrida ou mista.

A pesquisa apontou ainda que mais da metade dos profissionais da região, 53,3%, estão abertos a receber ofertas de trabalho. Nesse sentido, os desafios apresentados no futuro do trabalho impõem a necessidade cada vez maior das organizações em atrair e engajar as pessoas. Segundo levantamento do LinkedIn, o cargo que mais vai se destacar no mercado de trabalho em 2022 é o do recrutador especializado em tecnologia. 

Milton Beck, Diretor Geral do LinkedIn para América Latina, vê que as profissões em alta na tecnologia estão mudando a demanda por competências e direcionando o mercado de trabalho do futuro.

Por isso, adaptar a cultura organizacional, bem como o seu modelo de negócio para gerenciar equipes alinhadas às tendências e aos possíveis cenários do futuro é de extrema importância para que a liderança corporativa atenda às necessidades que o contexto atual demanda.

Conheça os cursos e palestras que ofereço sobre liderança e inovação para capacitar e motivar os líderes e colaboradores da sua empresa a adaptarem-se às novas formas de trabalho.