Aprendizagem Autodirigida

Aprendizagem autodirigida: fomentar o aprendizado impacta na retenção de talentos

O aprendizado é uma jornada de longo prazo. Durante quase toda nossa vida, somos direcionados a aprender o que é exigido pela sociedade. No caso da aprendizagem autodirigida, o aprendiz escolhe o que deseja aprender e aprimorar em seu dia a dia. Trata-se de uma educação não convencional que faz com que se busque as próprias oportunidades de desenvolvimento, bem diferente de como estamos habituados a aprender. 

O conceito de aprendizagem autodirigida vai de encontro ao que se acreditava até pouco tempo atrás, quando, teoricamente, um profissional após se formar em uma graduação ou especialidade passava a estar “apto” para trabalhar na área escolhida durante toda a vida.

Além disso, a ideia incentiva que os aprendizes tenham liberdade para empreender em suas próprias investigações e descobertas. Dedicando tempo e energia em conexões, aprendizados e redes que fazem sentido com o que ele quiser. Não ao que lhe é “imposto” como necessário. 

O assunto é rico e cheio de possibilidades para você, como indivíduo, e para o estímulo de talentos em sua empresa.  Para que você possa se aprofundar no tema, te convido a assistir do webinar que fiz junto com Alex Bretas sobre o assunto.

Por que aprendizagem autodirigida?

Antes de apresentar o conceito de aprendizagem autodirigida, explico neste artigo o porquê utilizar a aprendizagem autodirigida para furar a bolha da zona de conforto, tanto como indivíduo ou nos grupos aos quais você pertence.

“Aprendizes autodirigidos assumem total responsabilidade por suas educações, carreiras e vidas”, afirma Blake Boles, no livro A Arte da Aprendizagem Autodirigida — com prefácio e tradução de Alex Bretas.

Um aprendiz autodirigido é antes de mais nada um atento às possibilidades que estão ao seu redor e que podem levá-lo mais longe. Colocando-o em lugares onde ele realmente quer estar — sem algo ou alguém ter dito que aquele era o local ‘ideal’.

Esse é o principal porquê da aprendizagem autodirigida: proporcionar um modelo mental de busca por objetivos através do conhecimento, onde se tem motivação e liberdade para considerar todas as possibilidades e seguir apenas com aquelas que fazem sentido para a realidade do indivíduo.

Por esse motivo, pode-se definir a aprendizagem autodirigida como a atitude de buscar conhecimento, por conta própria, de maneira estruturada e, sobretudo, emocional. Uma vez que o aprendiz autodirigido busca construir conhecimento apenas em pontos em que se tem desejo de ir mais longe e se aprofundar.

Como a aprendizagem autodirigida impacta na performance de seus colaboradores?

Em tempos em que novas formas de trabalho surgem e a educação à distância é facilitada pelas tecnologias, a aprendizagem autodirigida — ou, self learning — é um modelo mental que pode ser aplicado para gerar mais motivação e empoderar pessoas na busca por novos conhecimentos.

Não há regras ou espaços definidos para usar a aprendizagem autodirigida, mas fato é que ela pode (e deve) ser fomentada na realidade de um líder ou organização que busca novas formas de motivar seu time e, sobretudo, trazer mais know-how de forma orgânica para sua equipe.

As principais vantagens da aprendizagem autodirigida para organizações e líderes são:

Além de desenvolver processos claros e se adaptar rápido a novos contextos, um líder ágil deve estimular o seu próprio protagonismo e de seus colaboradores: criando um espaço aberto para ideias e testes, com uma comunicação clara e empática.

A aprendizagem autodirigida conversa inteiramente com esse conceito. Principalmente, por esse processo de aprendizagem rejeitar tiranias e imposições. Lideranças que promovem esse tipo de aprendizagem se destacam pois ganham credibilidade ao acreditar em um futuro promissor de sua equipe com o conhecimento. Trocando o “impor” pelo “sugerir”, o “faça” pela explicação do raciocínio por trás de determinado objetivo.

Um exemplo de como aplicar a aprendizagem autodirigida na sua rotina enquanto líder ágil: 

Você precisa que seus analistas entendam as novas diretrizes da LGPD. Em vez de impor nas demandas, você pode convidar um especialista para explicar a importância dessa nova lei e, a partir desse ponto, mapear os colaboradores mais curiosos e interessados pelo tema para criar uma squad do tema. Neste período, você deixará claro suas expectativas (sem impor!) e fornecerá os recursos necessários para esse estudo.

  • Reter as pessoas certas

Os ambientes de aprendizagem autodirigidas criam um sentimento de pertencimento e estes aprendizes, uma vez que eles acabam por não gastar tempo em lugares onde se sentem constantemente entediados ou desengajados. Em resumo, a produtividade e liberdade de um liderado, torna-se cada vez mais relevante.

Além disso, podemos considerar a pluralização de ideias e novas formas de se desenvolver o trabalho, a criação de comunidades em torno do conhecimento — que direciona energia para coisas positivas e relevantes para o dia a dia de trabalho, gerando habilidades a curto prazo. Dentre inúmeras outras portas que esse sistema de aprendizado permite. 

  • Liberdade para empreender suas próprias investigações e descobertas

É fundamental oferecer um espaço de escuta ativa e de trocas em que o colaborador se sinta acolhido por parceiros de jornada e mentores, assim como disponibilizar espaços de expressão em que ele possa compartilhar o que está descobrindo e espaços de aplicação em que ele possa manipular concretamente a realidade com o que descobriu. Além disso, é imprescindível valorizar e reconhecer o talento não só pelo resultado de sua aprendizagem, mas também (e sobretudo) pelo processo vivido.

 

Liderança ágil Protagonismo

Liderança ágil: como incentivar o protagonismo do colaborador trabalhando de qualquer lugar

O mundo do trabalho está mudando rapidamente e, com isso, precisamos lidar com desafios, assim como prevê-los. O trabalho remoto é uma das transformações mais significativas que vivenciamos nos últimos tempos.

Para grande parte das empresas e seus funcionários, qualquer lugar pode se tornar um escritório: tendo os equipamentos, conexão com internet e concentração necessários, o trabalho presencial passou a ser uma opção, não mais uma regra. Nesse contexto, uma liderança ágil é essencial para manter sinergia entre empresa, gestores e liderados.

De acordo com uma pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), 80% dos gestores das empresas brasileiras aprovam o regime de trabalho remoto. Independente da empresa adotar um modelo híbrido ou totalmente remoto, esse é um número bastante relevante e não pode ser ignorado. 

Entretanto, não significa que não existam desafios! Muito pelo contrário. Atualizar-se para manter os colaboradores protagonistas de suas atividades, motivados e o time unido, requer estratégias específicas para atuar em um contexto incerto.  

Vantagens do trabalho remoto

Sempre será desafiador atualizar-se e acompanhar as mudanças que o dia a dia do trabalho exige. E com a aceitação do trabalho remoto cada vez maior, bons líderes precisam olhar com atenção para todos esses movimentos e como eles afetam seus negócios. 

Você sabia que, segundo um artigo publicado na revista americana Fast Company, desde o início de 2020, quase 40% dos moradores de grandes cidades já consideraram se mudar em busca de lugares que ofereçam melhor qualidade de vida? Isso significa nas entrelinhas que nem todo mundo mais está disposto a voltar para grandes metrópoles e seus escritórios, antes fixos, para manter seus empregos. 

Toda a flexibilidade que “trabalhar em qualquer lugar” oferece, pode ser vista como benéfica para o futuro do trabalho. Sem a necessidade de arcar com manutenção de escritórios e grandes locais que comportam todo o time, por exemplo, a empresa pode realocar tais investimentos em outras prioridades. 

Assim sendo, inovação é a palavra de ordem para beneficiar seu negócio. Isso não significa apenas investir em tecnologias que acompanhem o crescimento da sua empresa. Claro, é uma parte bastante necessária, mas para manter o time inovando, é importante investir no desenvolvimento de seus profissionais.

Importância de manter o time motivado

Os gestores sempre tiveram a responsabilidade de cuidar. Além disso, devem gerenciar as tarefas a serem entregues para o negócio seguir rodando e fazer a gestão de seus colaboradores. Tal necessidade é ainda mais latente quando falamos no trabalho do futuro. A principal responsabilidade do líder passa a ser a gestão de pessoas, compreendendo a melhor maneira de mantê-las motivadas e engajadas com o trabalho. 

Com a distância física do time, um bom líder deve encorajar a cultura da “autoliderança”. Isso significa que todos os funcionários estão alinhados sobre as suas principais responsabilidades, eles buscarão se desenvolver com o time e ser eficazes.

Além disso, com o exemplo do líder investindo em tempo de conhecimento para si mesmo, o time tende a sentir-se estimulado a também fazer o mesmo, desenvolvendo protagonismo de suas carreiras. Como isso, depende única e exclusivamente de cada um, quando o colaborador encontra no líder um exemplo e estímulo da empresa a se tornar protagonista de suas expectativas no trabalho, todos saem ganhando. 

E você sabia que esse é um dos pilares que a Gestão Ágil pressupõe para o trabalho? Responder rapidamente a mudanças e ainda assim seguir um plano lógico coerente para todos os envolvidos desde gestores à liderados — está entre um dos valores de uma liderança ágil. Além disso, a motivação, organização, funcionalidade e diversas outras habilidades que fazem parte do trabalho do futuro. 

No caso da motivação, o princípio diz o seguinte: “Construa projetos em torno de indivíduos motivados. Dê a eles o ambiente e o suporte necessários e confie que eles farão seu trabalho.” 

Clique aqui e veja um infográfico sobre Agilidade e Inovação na Liderança. 

Como incentivar o protagonismo dos colaboradores

Conheça sua equipe. Esqueça aquela ideia de que a pessoa é uma dentro do horário do trabalho e outra fora dela. É crucial que o líder permita que sua equipe se sinta responsável pelas suas ações, compreenda as necessidades e diferenças de cada um e normalize a vulnerabilidade. Nem todos os dias o profissional estará no seu melhor momento e isso também precisa ser previsto. O importante é confiar que o time será capaz de desempenhar tudo o que lhes foi atribuído. 

Separar espaços para escuta, conversas e feedbacks também é mais uma forma de conhecer seu time e, consequentemente, mantê-lo motivado. Esse encurtamento entre certas diferenças hierárquicas permitem que os colaboradores compartilhem o que acham e necessitam no dia a dia do trabalho. 

Além de promover essa aproximação, são em momentos assim onde certas habilidades e limitações dos colaboradores aparecem com mais evidência. Facilitando, dessa forma, que o líder saiba onde melhor alocar cada talento. Por isso: 

  • Estimule a comunicação aberta, clara e síncrona entre o time; 
  • Incentive, da maneira que for possível para a empresa naquele momento, que seus colaboradores sigam se atualizando a respeito de suas áreas de atuação; 
  • Mantenha espaços de descontração, mesmo a distância, isso pode auxiliar inclusive na criatividade do time em inovar
  • Sempre esteja aberto para receber feedbacks e lembre de repassá-los também. Criar essa cultura entre o time é essencial para a saúde do dia a dia de trabalho. 

Gostou do assunto? Você pode se aprofundar ainda mais em todas essas questões conhecendo o curso “Curso Inovação e Liderança”. Basta clicar aqui para conhecer! Entre em contato conosco, caso preferir. 

 

Confiança E Protagonismo

Confiança e protagonismo: importância da autonomia nas relações de trabalho

Um bom líder, além de estar atento às necessidades do mercado e manter-se atualizado, deve inspirar confiança aos colaboradores e garantir que as relações de trabalho sejam saudáveis em uma via de mão dupla. O que compreende dar autonomia aos liderados, garantindo que todos tenham capacidade para tomar iniciativas e serem responsáveis pelos acertos e erros. 

Diariamente somos surpreendidos por novas tecnologias e automações em nosso trabalho. Diante de um cenário de incertezas, cada empresa busca compreender qual é  a melhor forma de atuação. Algumas já adotaram um modelo híbrido, outras pensam em  nunca mais voltar ao trabalho presencial.

Independente do que seja decidido por cada empresa, uma coisa é certa: é preciso entender o que fará com que a equipe, líder e liderados, se conectem. Garantindo engajamento, produtividade aliados à saúde do time e promovendo empatia organizacional.

Como garantir autonomia nas relações de trabalho? 

Microgerenciamento e autonomia são palavras que caminham em sentidos completamente opostos, ainda mais no universo corporativo. Pelo contrário, a microgestão é colocada de lado para dar espaço a um modelo de liderança que inspira a criatividade e motiva a inovação

De maneira bem aplicada e através de métodos específicos — tais como as metodologias ágeis, por exemplo — garantem que, mesmo em momentos de exceção, a cultura organizacional inovadora e independência dos liderados sejam fortalecidas.

Aprenda mais a respeito de novos métodos de liderança, clicando aqui

Importante ressaltar que a autonomia e a confiança são aspectos que precisam ser desenvolvidos com o tempo e apenas o bom exemplo vindo dos líderes não é o suficiente. É necessário garantir que os liderados sintam-se preparados para assumir responsabilidades. E, no sentido contrário, que os líderes confiem nos liderados. 

Para tanto, o aprendizado contínuo precisa ser estimulado em sua empresa. Uma pesquisa realizada pelo Linkedin aponta que o principal motivo pelo qual os funcionários se desestimulam com seus trabalhos é pela falta de tempo e espaço para aprender e se desenvolver. 

De acordo com a pesquisa, funcionários que tiram tempo no trabalho para aprender ficam 47% menos estressados, 39% sentem-se mais produtivos e bem-sucedidos, 23% aceitam e sentem-se prontos para abraçar mais responsabilidades e 21% responderam sentirem-se mais confiantes e felizes. 

Mantenha a comunicação fluida

Apesar do futuro do trabalho ser tecnológico, na era digital são as habilidades humanas o grande diferencial de organizações inovadoras. A boa comunicação é uma delas. E quando falamos de comunicação aqui, estamos ressaltando não apenas a capacidade de falar de maneira coesa e clara, mas também de escutar ativamente. 

Uma comunicação fluida possui alguns pilares, dentre eles: clareza, empatia, verdade e transparência. De um lado, gestores que saibam como se posicionar de outro, colaboradores que sintam-se motivados para expor seus objetivos, pontos e incomodações.

Os métodos ágeis facilitam nesse aspecto também. Métodos como o Scrum e OKRs ajudam a garantir que todos estejam na mesma página e que todos saibam quais são suas responsabilidades. Além de manter espaços de fala e escuta, feedbacks e alinhamentos entre todos os times.  

Outro ponto de atenção na comunicação diz respeito à vulnerabilidade. Esses últimos tempos têm demonstrado a necessidade de compreensão do que acontece na vida das pessoas “fora do trabalho”. Se um colaborador não está em um momento da vida pessoal fácil, isso certamente se refletirá no trabalho. 

Uma empresa que se preocupa em inovar, crescer e formar bons líderes, compreende que essas situações são factíveis, normalizando, assim, a vulnerabilidade. Esse movimento ajuda a garantir a confiança entre líderes, liderados e times, pelo simples fato de mostrar-se humano e compreensível. 

O grande valor das competências humanas 

Em meio a tantas transformações tecnológicas e inovações, a parte que mais se destaca em um bom líder e mantém a saúde do negócio são as competências humanas. 

A hiperconexão e os modelos híbridos de trabalho exigem cada vez mais transparência e honestidade nas relações de trabalho. Junto a isso, destaca-se alguns pontos que precisam ser comentados:

  • Inteligência emocional
  • empatia
  • espírito de liderança
  • capacidade de experimentação
  • comunidade
  • colaboração
  • criatividade
  • mindfulness
  • criatividade 

Estar atento às novas tendências é o que assegura o sucesso de uma organização. Assim, a jornada de transformação torna-se parte da cultura organizacional e, consequentemente, permeia as relações de trabalho.

 

Trabalho Remoto

Tecnologia como suporte ao trabalho remoto

Passado mais de um ano desde o início da pandemia causada pela COVID-19, o momento de adaptação ao trabalho remoto vem sendo vencido pela grande maioria das empresas. É interessante notar que, para cada organização, a adaptação se deu de uma forma diferente, levando em conta o seguinte: o que mais funciona para minha equipe? 

O Facebook, por exemplo, anunciou que deixaria que seus funcionários trabalhassem de casa para sempre, a depender da aprovação de cada gerente de área responsável. Já a Apple, anunciou que adotará o modelo híbrido, exigindo que seus funcionários trabalhem no escritório três vezes na semana.

O Nubank foi uma das primeiras empresas brasileiras a adotar o trabalho remoto como medida para garantir a segurança dos colaboradores. A fintech tem funcionários, distribuídos em escritórios em São Paulo, Berlim, Cidade do México e Buenos Aires, atuando em esquema home office desde 12 de março, um dia após a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar pandemia global pelo novo coronavírus. 

Para enfrentar o desafio de manter a colaboração viva em tempos de distanciamento, a empresa investiu no fortalecimento da cultura organizacional mesmo com seus colaboradores trabalhando de casa. O que inclui desde garantir a estrutura necessária para trabalhar de casa (como computadores, cadeiras e monitores), até o suporte emocional para passar por esse momento. Além disso, a empresa manteve um canal aberto com todos os Nubankers, onde informações são compartilhadas e qualquer um pode enviar comentários, sugestões e perguntas.

A XP Investimentos ampliou a prática de home office e estuda implementar o trabalho remoto de forma permanente. O sócio e responsável pela área de Gente & Gestão da XP, Guilherme Sant’Anna, garante que, após o fim da quarentena, o funcionário poderá escolher se trabalha de casa ou se vai para o escritório. 

Isso demonstra que não existe fórmula melhor ou pior, o que existem são tecnologias capazes de facilitar esse dia-a-dia e tais decisões. E é sobre isso que falaremos nesse artigo.

Otimizando o trabalho remoto

Primeiramente, uma organização que deseja ser líder no que se propõe a fazer, precisa estar pronta para se reinventar e transformar-se digitalmente. Realocando, inclusive, recursos, capital e talentos para que essa transformação seja ainda mais efetiva. 

O trabalho remoto pode melhorar a administração do tempo por sua dinamicidade, fazendo com que certas atividades sejam feitas com muito mais rapidez e de maneira eficiente. Atualmente, são inúmeras as soluções disponíveis para organizar processos, agendar reuniões, promover cursos online, plataformas para trocas de conhecimento e networking, entre outras.

Todas essas tecnologias permitem com que gestores e time estejam em sintonia, podendo otimizar resultados, objetivos e andamento de projetos:

  1. Busque por ferramentas ou métodos que indiquem os resultados das atividades realizadas pela sua equipe, assim é possível manter o foco na meta do negócio. E isso serve para todos os setores do time, seja tecnologia, vendas, marketing. Ter ciência dos resultados concretos é essencial — os OKRs e a metodologia de Scrum são um bom exemplo de metodologias inovadoras para aplicar na rotina da organização!
  2. Aproveite as ferramentas de automação de postagens em blogs e redes sociais e organize as metas semanais para você e sua equipe. Algumas redes sociais, possuem inclusive plataformas próprias para programar posts, otimizando tempo para manutenção do conteúdo que precisa ser postado.
  3. Ferramentas como o Trello, Miro, Notion, Canvas —  e agora, até o Google, vêm evoluindo cada vez mais suas plataformas para deixar tudo ainda mais intuitivo, facilitando o trabalho da equipe à distância.
  4. Para que os novos colaboradores se sintam parte do time, existem ótimas ferramentas para otimizar o onboarding de forma online — para casos de novos colaboradores, existem também plataformas excelentes de recrutamento.
  5. Além, claro, das vídeo chamadas e encontros online. Zoom, Loom, Google Meet, Streamyard. Todas são plataformas com planos gratuitos e pagos que se adaptam às necessidades do dia-a-dia de cada equipe. 

Ferramentas assim, são de extrema importância para auxiliar no trabalho remoto, porque elas se tornam a base da comunicação. É preciso adaptar-se a esse “escritório virtual” e manter o time conectado e comunicativo. E no caso de a empresa adotar um novo modelo de trabalho ou ferramenta, proporcionar aulas, tutoriais e treinamentos para que todos estejam alinhados.

Atenção com a saúde emocional do time 

O futurologista britânico Ian Pearson, em estudos, afirmou que quanto mais crescente a automação, mais as empresas precisarão priorizar inteligência emocional e relacionamento. No momento em que vivemos, a afirmação fica ainda mais evidente. Times que trabalham com sinergia, são aqueles que possuem motivação e confiança uns nos outros para trabalhar diariamente, inclusive à distância. 

Por isso, é necessário utilizar as tecnologias a favor da empresa também nesse aspecto. Os momentos de descompressão do trabalho presencial — sabe, a hora do cafezinho? — eles fazem falta sim. 

Precisa-se criar o hábito e ter o cuidado de criar tais momentos, separar espaço na agenda para que eles aconteçam. Isso demonstra que a empresa possui gestores disponíveis a conversar sobre a vida pessoal e problemas dos colaboradores. Normalizando, assim, a vulnerabilidade. 

É importante também, manter sempre uma comunicação clara e direta. Pode-se, por exemplo, separar os locais de conversa para demandas urgentes daquelas que podem esperar. Isso pode evitar ansiedade e o sentimento de que os colaboradores estão disponíveis o tempo todo para a empresa. 

Ou também, utilizar plataformas de videoconferências diferentes para reuniões de trabalho e momentos de bate-papo ou happy hour. 

Ainda existem muitas possibilidades para que as empresas  encontrem seus métodos ideais de trabalho remoto. Mas adotar tecnologias que contribuem para melhorar o desempenho e felicidade da equipe já é um primeiro passo para se adaptar ao contexto atual complexo. 

Trabalho Remoto

Como aumentar a confiança entre times em trabalho remoto?

Manter a motivação e aumentar a confiança entre o time em tempos de home office é um dos grandes desafios da gestão de organizações no atual momento. À medida que os times migram cada vez mais para o modelo virtual — ou híbrido — percebe-se nuances e diferenças entre a comunicação e construção de confiança entre equipes presenciais e não presenciais.

Isso porque, no ambiente de trabalho presencial existem formas mais orgânicas e que exigem menos esforço para manter o engajamento e comunicação sem ruídos. Ainda assim, antes mesmo do trabalho remoto se tornar uma exigência devido à pandemia, a questão da confiança no ambiente de trabalho permeia o dia a dia de qualquer organização.

Quando falamos de confiança em ambiente organizacional, enfrenta-se certos obstáculos, justamente porque nem sempre criou-se a cultura de conhecer tão bem a todos com quem compartilhamos o trabalho. Além disso, nem sempre a comunicação entre todos os colaboradores é fluida. Nesse caso, como estender o processo da confiança, portanto, quando os grupos estão à distância?

O que significa confiança?

Podemos afirmar que  confiança é possuir credibilidade ou se ter conceito positivo a respeito de alguém ou de algo; Confiança é crédito, segurança, crença de que algo é de qualidade.

E existem também diversas outras definições para o que é confiança. Dentre muitas, uma delas, explica que confiança é um sentimento que se verticaliza com a prática. Se solidifica com a constância e se constrói a partir de relacionamentos. Nesse caso, o tempo é um fator determinante. Mostrando-se necessário, inclusive, a qualidade com que é utilizado esse tempo.

Pensando no mundo corporativo, não existe relação sustentável entre líder, liderados e equipe, a longo prazo, se ela não estiver sobre a base sólida da confiança. A confiança no ambiente de trabalho torna-se, portanto, um valor de negócio para as organizações.

Afinal, não só de estratégia, investimento e tecnologia vive uma empresa. E não existe trabalho em equipe sólido e funcional se não há confiança. Quando a confiança é alta, a velocidade é maior e o custo é menor.

Leia também: Liderança inovadora: o que é e quais as habilidades necessárias

Como construir um ambiente de trabalho onde a confiança esteja presente?

É necessário, para aumentar a confiança em uma organização, partir de uma premissa de que nada é óbvio. Quando o emissor — seja ele quem for, líder ou liderado —  parte da ideia de que óbvio existe, as chances de ocorrerem problemas de compreensão, falha na comunicação e falta de escuta são enormes.

Para tanto, é fundamental adotar alguns princípios para crescimento da confiança:

  1. Mantenha a clareza na comunicação: uma comunicação fluida é essencial para o processo da confiança. O ideal é criar métodos em que fique claro a todos do time o que precisa ser feito e de quem é cada responsabilidade.
  2. Deixe claro qual a intenção: seja em uma reunião, seja com uma demanda, quanto mais clara estiver a intenção, menos a chance de haver ruídos entre todos os envolvidos. Evitando, assim, que desentendimentos aconteçam.
  3. Cumpra as promessas: e caso não possa cumpri-la, avise com antecedência. Isso evita desconfortos e expectativas que podem impactar negativamente, se deixadas de lado.
  4. Busque a comunicação não violenta: isso garante que a pessoa com a qual o líder está se comunicando sinta que há empatia no que é dito ou solicitado. É importante lembrar que, nem sempre as pessoas estão em um bom dia, e isso precisa ser compreendido e levado em consideração.
  5. Normalize a vulnerabilidade: muitas vezes a falta de confiança mora no medo de compartilhar a vulnerabilidade. Em geral, passamos a confiar nas pessoas quando percebemos que existem vínculos que nos aproximam.

Aumentar a confiança é ocupar-se do outro

O cenário pandêmico surgiu sem aviso e acelerou a necessidade de adaptar-se à nova realidade. Foi preciso construir a confiança com a necessidade de se trabalhar à distância, dando a oportunidade de se conhecer de fato quem são e como agem os colaboradores e colegas de uma equipe.

A postura adequada para isso é  ocupar-se do outro de verdade. Ouvir o que o outro tem a dizer e mostrar-se disponível. Se antes, em um bate-papo presencial era mais fácil puxar a atenção de alguém, perceber pequenos detalhes de atitude ou conduta, agora, virtualmente, é a boa escuta uma das  partes mais poderosas de uma comunicação.

Para isso, é preciso abrir espaço na agenda para que se possa construir tais relações que, em curto prazo, estimulem cada vez mais confiança. De acordo com Ricardo Vandré, as organizações precisam ser espaços de cura, onde momentos de escuta devem ser institucionalizados.

E eles não acontecem nesses momentos orgânicos do cafezinho, happy hour, encontros semanais da equipe toda — seja ele presencial ou remoto. Momento de escuta significa ter espaço na agenda reservado para procurar conhecer melhor líder, liderado e time e verticalizar a confiança. Assim, a instituição demonstra que a escuta é um hábito que permeia todos os seus  integrantes.

Para refletir sobre como a confiança é um importante pilar para o sucesso de uma organização, confira o Webinar: Confiança em times em trabalho remoto em que conversei com o educador corporativo e palestrante, Ricardo Vandré e deixem seus comentários.

 

ilustração de post

Como é o novo líder ágil no contexto pós-normal

Não há dúvidas, um dos efeitos positivos da crise do coronavírus foi acelerar processos de transformação digital que já estavam ocorrendo ou tirá-los do papel. E, para algo assim acontecer, é preciso que haja um esforço coletivo e mudanças em diferentes patamares, adicionando ainda uma velocidade que muitos não estavam acostumados. Para fazer todos remarem juntos no mesmo barco, comunicando a mensagem de forma clara, foi preciso uma  liderança atuante. Após todos esses aprendizados, é natural que a própria liderança esteja mudada. Mas como será esse novo líder ágil? 

Daniel Pacthod e Michael Park, da McKinsey, respondem que para não abandonar o progresso acelerado que as empresas conquistaram, é preciso um foco renovado nas pessoas e em suas capacidades. Para isso, o novo líder ágil precisará estar atento a determinadas questões no pós-normal: 

  • as capacidades essenciais para a construção de uma cultura de adaptabilidade;
  • equipes ágeis e capacitadas para se aproximarem do cliente;
  • reconhecer que muito pode ser feito imediatamente e virtualmente por pequenas equipes e com menos ciclos;
  • trazer o propósito da empresa para os colaboradores;
  • tratar os talentos como seu principal recurso;
  • liderança alinhada com a cultura;
  • tecnologias que permitem agilidade e melhoram a experiência do cliente;
  • estar preparado para as necessidades que os colaboradores terão a partir de uma nova forma de trabalho

E, aqui, entra um ponto bastante relevante: como fazer com que os colaboradores se relacionem bem com as novas tecnologias necessárias ao pós-normal. 

Um novo mundo de máquinas pensantes

Qual a importância da tecnologia para o novo líder ágil? Por meio dela é que muitas decisões foram tomadas durante a crise, além da adoção de plataformas que permitiram estabelecer a conexão líder-liderado. Para termos um panorama do futuro, o Simplilearn reuniu em um clipe a opinião de diversos líderes e grandes influenciadores da indústria tecnológica sobre inteligência artificial (IA) entre eles Bill Gates, Tim Cook, Elon Musk, Sundar Pichai, e Jeff Bezos. Há uma previsão de que até 2035, a IA aumentará o crescimento econômico em média 1,7% em 16 segmentos. Também a produtividade no trabalho subirá em 40% ou mais.

O primeiro passo do novo líder ágil é ampliar a percepção sobre inteligência artificial. Para Olaf Groth e Mark Nitzberg, especialistas no assunto, grandes descobertas que chamam atenção do público são importantes, porém, é preciso ir além e entender como as aplicações de IA estão entrando nas rotina das pessoas e tomando decisões por elas. De acordo com eles, atualmente, são transferidas inúmeras decisões para as máquinas, muitas vezes sem as pessoas saberem ou entenderem os efeitos.

Otimizar o relacionamento entre inteligência humana e máquina, impactará nos interesses econômicos, sim, mas também no bem-estar do indivíduo. Há um verdadeiro potencial na criação de locais de trabalho mais significativos, proporcionando mais realizações. No entanto, para isso, será fundamental uma reflexão profunda e multidisciplinar sobre como a inteligência artificial influencia os valores humanos, bem como outras tecnologias. 

Na análise de Olaf Groth e Mark Nitzberg, as pessoas entregam grande parte da suas decisões aos dados. E, na maioria das vezes, é ótimo poder confiar mais em evidências científicas para entender nosso mundo e como percorrê-lo. A questão está quando se vai longe demais, pressupondo que dados e algoritmos produzem uma história completa e não maculada por deficiências intelectuais ou preconceitos. O novo líder ágil não pode ficar cego  pelos dados “sujos”, acreditando serem originais.

A saída está na conscientização. Ou seja, na compreensão do controle de dados e em como as decisões terceirizadas para máquinas podem apresentar oportunidades ou desafios.

Novo líder ágil: nova realidade, novas habilidades

A pandemia fez necessário o aprendizado em inúmeras áreas, como apontam Kevin Sneader e Shubham Singhal, de novas tecnologias até uma infinidade de outras inovações. Como o trabalho remoto, foi um dos protagonistas do período de crise. A partir disso, será possível um entendimento maior daquilo que, se adotado permanentemente, trará benefícios econômicos e de bem-estar no pós-normal. É uma oportunidade para as empresas otimizarem seu desempenho por meio de inovações.

Mas, pensando na atuação do novo líder ágil, quais são as habilidades incorporadas na pandemia que deverão continuar? Em “The Top Three Leadership Skills Needed Post-Pandemic”, Tammy Homegardner descreve três elementos que farão diferença na liderança em um mundo pós-normal:

1. Construção de equipes fortes e coesas, mesmo remotamente: a flexibilização do local mudou o fluxo de trabalho. Mas, mesmo com espaços reduzidos e trabalhos híbridos ou completamente remotos, os colaboradores devem se sentir conectados e valorizados. 

Exercer uma comunicação eficaz e consistente deve ser um aprendizado contínuo sobre a maneira que as pessoas gostam de se comunicar ou recebem melhor as mensagens, garantindo a conexão entre todos e o cumprimento das tarefas com qualidade e no tempo adequado, independente de onde a equipe se encontra. 

2. Navegar e gerenciar mudanças de forma rápida e adequada: sem perder o foco da tarefa maior que tem em mãos. Navegar por mudanças tecnológicas, logísticas e culturais, para promover ambientes de trabalho onde as pessoas se sentem seguras, protegidas e reconhecidas.

3. Permanecer culturalmente sensível e emocionalmente consciente: o novo líder ágil deve permanecer adaptável e flexível, fazendo com que as operações aconteçam mesmo em ambientes dinâmicos e em mudanças. Para isso, o foco está em percorrer emoções individuais e coletivas com compaixão e empatia. 

Para navegar por um cenário de transformações constantes, lidando com inovações tecnológicas, mas sem perder de vista as pessoas, é preciso que exista um investimento nesse novo líder ágil. 

Aprender a aprender, se capacitar e aplicar os conhecimentos serão as peças-chave em um contexto pós-normal. Quer conversar mais sobre isso? Deixe um comentário!

 

transformacao digital

Como a transformação digital nas organizações mudou a maneira como trabalhamos

O alcance das mudanças ocasionadas pela transformação digital nas organizações somente aumentará. De acordo com o artigo “The changes covid-19 is forcing on to business”, do The Economist, ao buscar respostas para a crise do coronavírus, muitas empresas e líderes perceberam que a Tecnologia da Informação tinha muito mais a oferecer do que eles imaginavam inicialmente. Diversos serviços que já existiam, passaram a ter um novo nível de importância e se tornaram essenciais para modelar a forma como as equipes passaram  a trabalhar.

O Zoom, serviço de videoconferência online, possuía uma média de atendimento diária de 10 milhões de clientes no início de 2020. Em abril do mesmo ano, o número saltou para 200 milhões de pessoas. Dentro das organizações, passou a ser um recurso fundamental assim como outras opções semelhantes a ele para realizar reuniões entre empresa-cliente ou entre os colaboradores da mesma equipe. Fora do escritório, foi adotado para diversas finalidades, desde a prática remota de atividades físicas até para oportunizar o encontro entre membros da mesma família que residiam separadamente.

Outro exemplo é o Slack, que proporciona um meio pelo qual colegas distantes conseguem coordenar tarefas e projetos. Mais do que novas e jovens empresas de tecnologia, grandes big techs também conquistaram mais adeptos para seus produtos, como o Teams, da Microsoft. 

A importância da transformação digital nas organizações e, por conta disso, da adoção de ferramentas como Zoom, Slack, Teams, Trello, entre outros, está ligada com a própria sobrevivência dos negócios. A capacidade de se adaptar rapidamente às interrupções, às pressões do tempo e às mudanças ágeis  se tornou crítica, como afirma o artigo “What is digital transformation?“, do The Enterprisers Project.  

O comportamento do consumidor e a transformação digital nas organizações

Um ponto de atenção é que a transformação digital nas organizações está ancorada em movimentos que não estão restritos ao escritório. O comportamento do consumidor, por exemplo, também sofreu mudanças no decorrer da pandemia do coronavírus e, consequentemente, disparou gatilhos para que as empresas promovessem inovações, além daquelas que já eram necessárias por conta de fatores internos, como a manutenção do distanciamento dos colaboradores e a estruturação de trabalhos remotos ou híbridos. 

Do lado do consumidor, o digital está acelerando rapidamente em praticamente todas as categorias, é o que diz a McKinsey & Company. Há uma mudança veloz em direção ao streaming e ao condicionamento físico online que devem ficar permanentemente, afirma Rodney Zemmel, líder global da McKinsey Digital. Também aconteceram alterações notáveis na alimentação, como na compra online de alimentos. Já, no B2B, dados da consultoria comprovam que a venda remota está funcionando também. 

Pensar no comportamento do consumidor aliado com a transformação digital nas organizações, é uma forma de garantir uma experiência única. A RXR Realty, incorporadora de imóveis comerciais e residenciais com sede em Nova York, é um desses casos de sucesso. Embora o setor imobiliário nem sempre seja visto como especializado em tecnologia, Scott Rechler, CEO da RXR, está mostrando como isso pode ser diferente. Rechler explica que ao alavancar as habilidades digitais da empresa, percebe  que eles conseguem criar experiências personalizadas para os seus clientes, semelhante àquelas que estão acostumados em outros aspectos de suas vidas.

Antes da crise, a RXR havia estabelecido um laboratório digital. Agora, possuem mais de 100 cientistas de dados, designers e engenheiros trabalhando em iniciativas digitais. Também investiram em um aplicativo que permite agendamento de mudanças, entregas, pagamentos, análises em tempo real sobre aquecimento, refrigeração e otimização de espaços, entre outros. Com o distanciamento físico ocasionado pela pandemia, as necessidade de interações sem contato se tornaram fundamentais para os inquilinos.

Atualmente, trabalham na implementação de protocolos para o retorno dos inquilinos aos escritórios, além de um novo aplicativo móvel. Melhorar a experiência do cliente se tornou indispensável para o sucesso dos negócios. Por isso, é igualmente primordial pensar neles quando se projeta a transformação digital nas organizações. 

Dados e novas tecnologias: elementos de sucesso 

O que há em comum nas empresas com transformações digitais bem encaminhadas? Uma pesquisa da McKinsey & Company, apontou alguns elementos que se destacam entre as organizações com bons resultados:

  • Velocidade digital: quem está na frente e é líder opera com mais rapidez. Isso significa adotar uma velocidade maior em diferentes partes do negócio, desde a revisão de estratégias até a alocação de recursos. Para termos uma breve ideia, a realocação de talentos e capital, nessas empresas, acontece quatro vezes mais rapidamente do que em seus pares.
  • Pronto para se reinventar: certamente, a transformação digital das organizações não elimina os elementos lucrativos dos seus negócios. Porém, a questão é que fazer negócios como antigamente é uma postura perigosa para se adotar. Por essa razão, as empresas que são líderes estão investindo na atualização do núcleo de seus negócios e na inovação, em muitos casos aproveitando e fazendo uso da tecnologia. 
  • Decisões baseadas em dados: os dados têm fornecido o combustível para acelerar e melhorar as tomadas de decisão.
  • Seguidores do cliente: sabemos que estar centrado no cliente é algo consolidado. No entanto, pressões, contexto e prioridades concorrentes podem deixar o cliente de lado. Mas as empresas que mantêm um foco abrangente no cliente, junto com melhorias operacionais e de Tecnologia de Informação, tendem a gerar maiores ganhos econômicos.

Além disso, o desenvolvimento de talentos e habilidades em toda a organização, junto com a redefinição das funções e responsabilidades de cada um alinhadas com os objetivos da transformação digital nas organizações, são fatores que farão diferença na nova forma de trabalhar. Por conta disso, líderes e empresas devem estar preparados para capacitar as pessoas a trabalhar de novas maneiras e promover a adoção de ferramentas digitais que tornem as informações acessíveis para todos.  

Quer entender melhor como a transformação digital nas organizações modificará a maneira como trabalhamos? Converse conosco!

 

novas formas trabalho

Conheça as novas formas de trabalho do pós-normal

A crise do coronavírus desafiou as empresas a encontrar maneiras diferentes de servir e gerar valor para seus clientes e comunidades. A pandemia proporcionou transformações nas organizações e na sociedade que, olhando para o ano anterior, pareciam impossíveis de acontecer em tão pouco tempo. Foi preciso remodelar pensamentos consolidados sobre espaço, tempo e valores. Entre muitas outras mudanças, construímos novas formas de trabalho, que certamente perdurarão ou impactarão o que acontecerá no pós-normal. 

Em “Beyond coronavirus: The path to the next normal”, Kevin Sneader e Shubham Singhal, da McKinsey & Company, explicam que a pandemia do coronavírus vai muito além de ser uma crise de proporções imensas – é também uma reestruturação iminente da ordem econômica global. Embora ninguém possa dizer quando a crise passará completamente, é certo que a aparência do pós-normal, o que encontraremos do outro lado, não será o “mesmo normal” dos anos anteriores.

Mas, em algum momento, as crises diminuem. Inevitavelmente, é o que acontecerá também com esta. Embora não se saiba necessariamente o quando, já há mudanças ocasionadas pelo cenário que podem ser identificadas como uma tendência do pós-normal.

Foi fundamental acelerar o que já estava acontecendo e buscar novas formas de realizar as mais diferentes atividades. Em meio a tudo isso, as organizações estão constatando que é possível, sim, trabalhar de outras maneiras, mesmo nessa situação, e ajudar suas equipes, seus clientes e as comunidades onde estão inseridas. São lições aprendidas que direcionarão o futuro e as novas formas de trabalho do pós-normal.

As novas formas de trabalho e a resiliência

Indubitavelmente, a resiliência dentro das empresas se tornou um ponto de destaque em todo esse cenário. E, independente de quando e onde a crise terminará definitivamente, a resiliência será algo que continuará sendo importante nas novas formas de trabalho. Por isso, ao pensar nas mudanças que farão parte do pós-normal, há três características organizacionais que merecem atenção:

  • Mindset de ecossistema: as empresas, todas elas, podem contar com o suporte de uma rede de pessoas externas – fornecedores e parceiros – que atuam juntos na criação de valor. Porém, as empresas de sucesso elevam as parcerias em um nível superior, fazendo delas uma extensão de si mesmas. Com isso, podem arriscar mais, pensar em mais oportunidades e, por consequência, aprofundar conexões e relacionamentos de confiança. É a partir disso que elas obtêm conhecimento, talentos e dados.
  • Tomadas de decisão baseadas em dados: mais do que nunca, os fatos e percepções estão sendo utilizados para orientar as tomadas de decisão. No entanto, há ainda a necessidade de obter plataformas que permitam acesso a dados estratégicos. Reunir, organizar, interpretar e agir com base em dados e análises é e será uma diferencial competitivo que fará parte das novas formas de trabalho.
  • Aprenda como aprender: as novas formas de trabalho no pós-normal são diferentes, assim como muitos dos colaboradores serão também diferentes a partir da vivência de cada um no decorrer da crise. Por isso, é preciso que as empresas trabalhem com seus times a habilidade de aprender como aprender. Ou seja, como se adaptar e mudar rapidamente. 

3 características das novas formas de trabalho pós-normal

Escritórios menores, mudanças na arquitetura, reposicionamento de salas, surgimento de coworkings e hubs regionais, que permitirão que as pessoas possam trabalhar perto de suas casas. São apenas algumas das tendências que estão se delineando entre as novas formas de trabalho. 

Com isso, não só as empresas, mas também a comunidade e outros negócios viverão um novo momento. Locais que antes funcionavam com um propósito, como os hotéis, poderão ser remodelados para atender a necessidade de novos locais de trabalho remoto. Outros negócios, como cafés e restaurantes, otimizarão ainda mais seus espaços para atender pessoas que precisam de espaços de trabalho. Não é mais home office, é anywhere. 

Dentro disso, há elementos que estarão presentes nestas novas formas de trabalho, de maneira imediata ou ainda em processo de construção.

1. O espaço não será mais o mesmo: o home office, que nasceu ou tomou maiores proporções devido ao cenário e necessidades das empresas, certamente provocará mudanças no pós-normal.

Por conta do trabalho remoto, será preciso que líderes passem a olhar para novos ângulos dos seus times. A organização das novas formas de trabalho impactará na comunicação, no fortalecimento da cultura e na própria hierarquia, que deverá permitirá uma aproximação maior, mesmo com a distância territorial.

No entanto, há uma oportunidade para coworkings ofereceram a estrutura necessária para esses trabalhadores remotos. Seja, como dito acima, a partir da remodelação de negócios locais, ou com a criação de hubs regionais que permitam morar perto do trabalho e eliminem a necessidade de transporte.

2. A importância de pertencer: em “Returning to work in the future of work”, os especialistas da Deloitte apontam que o cenário da crise nos lembrou sobre o quanto as pessoas são motivadas quando conseguem conectar suas contribuições profissionais com um propósito e missão maiores. Os colaboradores desejam contribuir quando conseguem entender como seus talentos e contribuições impactam em objetivos maiores do que eles.

Nas novas formas de trabalho pós-normal, as organizações deverão se certificar de que estão proporcionando conexões claras entre os indivíduos, os objetivos da equipe e a missão da organização. O senso de pertencimento virá de uma conexão mais profunda, com ligações visíveis do impacto no negócio e na sociedade como um todo.

3. Resiliência e adaptabilidade em foco: a resiliência aparece aqui novamente como ponto de destaque. Na crise, as empresas puderam compreender que é mais importante saber o que os colaboradores são capazes de fazer do que entender o que eles fizeram anteriormente. A resiliência e a adaptabilidade entraram em foco à medida em que os colaboradores e as equipes precisaram assumir novos papéis e funções e puderam, inclusive, contribuir para a criação de oportunidades em outros setores e campos.

No pós-normal, incentivar e oferecer oportunidades para que os colaboradores possam desenvolver seu potencial será fundamental para alcançar o sucesso. Mais do que habilidades e certificações existentes, abraçar uma orientação futura, indo além do hoje, para criar valor no amanhã. 

Outro ponto importante é o desenvolvimento e a capacitação das lideranças para as novas formas de trabalho no pós-normal. A educação será o melhor caminho para se preparar para desafios e aproveitar as oportunidades que a nova realidade nos trará.

 

Inovação aberta

Inovação aberta: prepare-se para as novas formas de trabalho

Por que, mais do que em qualquer outra hora, agora é o momento da inovação aberta? Não só a transformação digital foi acelerada durante a pandemia do novo coronavírus. Outro movimento bastante exemplar passou a acontecer, empresas que antes se fechavam em si, começaram a se unir e trabalhar abertamente de uma forma nunca vista anteriormente. Além disso, passaram a colocar acima de tudo, inclusive da oportunidade de aumentar seus lucros e a capacidade de criar valor. 

É assim que Linus Dahlander e Martin Wallin abordam o tema em “Why Now Is the Time for Open Innovation. Os autores trazem o exemplo da Siemens, multinacional alemã, que abriu sua rede de fabricação de aditivos para a produção de equipamentos médicos. Outro caso é o da Scania, no qual cerca de 20 especialistas de compras e logística da empresa estão ajudando o Hospital Universitário Karolinska a adquirir equipamentos de proteção para profissionais de saúde. Os reboques da Scania também foram convertidos em estações móveis de teste.

São iniciativas que além de salvar vidas, podem modificar inteiramente a forma que as empresas operam e o futuro do trabalho. Embora, em muitos casos, não sejam o modus operandi padrão em circunstâncias consideradas normais. No entanto, testemunhar ações como aquelas que estão acontecendo ao redor do mundo por conta do atual contexto, comprova o gigantesco potencial da inovação aberta e da ampliação de espaços para criação de valor. 

Mas, afinal, o que é inovação aberta?

A forma como muitos dos negócios atuais estão operando não conseguirá garantir sua sobrevivência por um longo período. As mudanças estão acontecendo em alta velocidade no outro lado da janela e nem sempre todos estão preparados para reagir ao que está acontecendo. Pelo contrário, uma da primeiras reações instintivas tende a ser, justamente, a proteção e a defesa. Ou seja, construir um ambiente seguro e sem riscos.

O que muitas empresas podem acabar se esquecendo é que focar na proteção e na defesa impedirá que se tire o melhor daquilo que está acontecendo, do que as mudanças estão provocando. O cenário inverso está em olhar para aquilo que as organizações que são referência estão fazendo e adotar mecanismos semelhantes. E é aqui que entra a inovação aberta.

Se há alguém que entende de inovação aberta, certamente é Henry Chesbrough, já que o próprio termo foi lançado em sua obra “Open Innovation: The New Imperative for Creating and Profiting from Technology”. Em 2009, em entrevista, o especialista explicou sobre o que é inovação aberta. Ele começou ressaltando que o modelo anterior, a chamada inovação fechada, era baseada na autossuficiência. E o que isso significa? Algo que ainda se vê atualmente, faz-se muito por conta própria e sem falar com mais ninguém.

Porém, basta olhar para o lado que nos deparamos com novos conhecimentos. É papel das empresas fazerem um bom uso das ideias externas. Por mais que a tentação de fazer tudo sozinho possa ser grande, pois a confiança e a vulnerabilidade são matérias novas na grade curricular dos profissionais, não é algo necessário e nem uma ótima estratégia. Pois, cada vez mais é fundamental trabalhar mais árduo e com maior rapidez para recuperar investimentos. A inovação aberta funciona para poupar recursos, tempo e dividir riscos.

Uma das das ressalvas de Henry Chesbrough, entretanto, é que a inovação aberta deve funcionar sempre como uma via de mão dupla. Não basta servir apenas para a entrada de ideias na empresa, ela deve operar, inclusive, na saída delas. Fazendo com que as ideias de cada organização saiam pela porta da frente e possam ser utilizadas em outros negócios do mercado. 

O papel dos ecossistemas de inovação 

Os ecossistemas de inovação são ambientes colaborativos, compostos por startups, incubadoras, aceleradoras, governo, universidades e outros agentes. Eles têm proporcionado interação entre empresas e setores, fazendo com que haja um crescimento acelerado e estimulando a cooperação, promovendo trocas e construindo redes. Se há colaboração, a tendência é que as empresas que estão em sinergia possam superar os desafios e adquirir vantagens competitivas com maior rapidez. 

Se a inovação trabalha em uma progressão que combina elementos internos e externos, é importante que exista um alinhamento com o ecossistema de inovação. Assim, há uma promoção das ideias “de dentro” da empresa, a partir de experimentação e prototipagem, mas também um acompanhamento das ideias que estão “fora”, se permitindo guiar por práticas de quem está na ponta. 

É natural que exista um receio de compartilhar ideias e projetos e isso pode travar a inovação aberta e a colaboração necessária aos ecossistemas de inovação. Porém, se tem visto o quanto empresas como IBM e Intel, por exemplo, tem trabalhado em parceria com pesquisadores e universidades. Isso quer dizer que há sim uma abertura para parceiros, que em contrapartida auxiliam na criação da valor, mas mantendo aquilo que permite a rentabilidade e sustentabilidade do negócio.

Se há uma grande lição na inovação aberta é o equilíbrio no compartilhamento. É preciso colaborar, ser aberto para criar valor, mas também se manter fechado quando é necessário guardar uma parte para si. Passada pela fase de reconhecimento de valor, as organizações, em geral, se encontram mais preparadas para analisar onde devem se manter fechadas. Sendo assim, não significa que não existe um modelo fechado, mas que ele está dentro de um modelo de inovação aberta. 

Ainda temos muito para falar sobre inovação aberta, principalmente ao olhar para o presente e planejar os próximos passos. Novas formas de inovar permitirão flexibilidade e agilidade necessárias para se adaptar ao que o mercado e as pessoas demandarão no futuro. É uma nova forma de trabalhar e precisamos estar preparados para isso. Vamos conversar mais sobre isso? Deixe sua opinião nos comentários!

 

Tipos de liderança: qual líder promoverá a transformação cultural?

As metodologias ágeis se tornaram assunto comum nas rodas de negócios, painéis, eventos e até no cafezinho. Esse modelo surgiu nas empresas de desenvolvimento de software, mas logo se tornou uma maneira de implementar um mindset digital nos mais diversos segmentos. A adaptação das organizações, porém, passa também por novos tipos de liderança, que vão encabeçar essas mudanças.

Mais do que adotar processos, a mentalidade ágil exige uma cultura baseada em valores, princípios e práticas que substituam a gestão focada no comando e no controle. Por isso, a transformação precisa começar nos gestores. Em especial nos executivos C-level.

A seguir, você vai entender um pouco melhor quais são as características necessárias para esses líderes e quais tipos de liderança se destacarão nas empresas. Além de conseguir identificar qual é o seu padrão de liderança atual e como mudá-lo, se necessário. Continue a leitura e saiba mais.

3 tipos de liderança para promover transformação

1 – Liderança inovadora

O primeiro perfil que costuma promover mudanças culturais nas empresas é o de liderança inovadora. Esses gestores costumam fomentar o pensamento criativo e valorizam aqueles profissionais que encontram novas formas de resolver problemas. Eles confiam nas novas ideias e fazem apostas, mesmo que elas tenham chances de dar errado.

Além disso, esses líderes geralmente têm uma boa capacidade de vender suas ideias (e do seu time) para o restante da organização, com um pitch assertivo e dados relevantes.  Assim, ele consegue arranjar espaço para inovação, mesmo em ambientes um pouco relutantes.

2 – Liderança ambidestra

Mas a inovação também depende de um equilíbrio entre eficiência nos serviços e flexibilidade. Afinal, a empresa precisa garantir a satisfação dos clientes e o retorno financeiro para continuar investindo na descoberta de novas possibilidades.

Para isso, existe outro tipo de gestão: a liderança ambidestra. Executivos com esse perfil costumam equilibrar os dois pólos, refinando, selecionando e implementando o que já está dando certo, ao mesmo tempo em que experimentam e alteram variáveis para encontrar formas mais eficazes de trabalhar.

Para isso funcionar, a gestão precisa priorizar o equilíbrio entre esses dois esforços, dividindo bem o tempo e as tarefas para cada um. Da mesma forma, deve ser tolerante a erros ao longo da implementação dessa nova rotina. Afinal, eles são normais e existirão.

3 – Liderança ágil

Existe ainda a  liderança ágil. Líderes desse tipo costumam trabalhar para que metodologia ágil seja aplicada, com experimentação, decisões descentralizadas e flexibilidade. Esses executivos costumam trabalhar lado a lado com métricas precisas, utilizadas para identificar o desempenho do time e perceber quando processos podem ser otimizados.

Os indicadores, inclusive, precisam ser bem adaptados diante da realidade da empresa. Como em todo modelo de gestão, não adianta apenas replicá-los de uma organização para outra. É preciso ter clareza para interpretar dados e direcionar os esforços aos objetivos do negócio. Tudo com ambidestria para equilibrar os resultados.

Aliás, a verdade é que os três tipos de liderança que você viu nessa lista não são excludentes. Um executivo que busca gerir bem seu time e preparar a empresa para a transformação cultural deve reunir características desses três perfis. Assim como deve respeitar suas próprias características de gestão, adaptando aqueles comportamentos que atrapalham as mudanças na corporação.

Abaixo você verá um pouco mais sobre tipos de liderança comuns e como eles podem se adaptar ao mindset digital para incorporar as características que listamos.

Tipos de liderança comuns e como elas podem se adaptar

Liderança democrática

A liderança democrática é uma das que encontra mais facilidade para se adaptar às metodologias ágeis. Afinal, esses líderes já estão acostumados a dividir as decisões com o time e compartilhar responsabilidades.

Mas se você está nessa categoria, preste atenção: essa é uma forma de gerir equipes que exige bastante das suas habilidades de comunicação. Isso porque você precisa deixar todos cientes do que acontece na empresa. Além de ter que apostar em feedbacks rápidos, para que o time evolua constantemente.

Liderança autoritária

Por outro lado, as lideranças autoritárias são aquelas que enfrentam mais dificuldade para se adaptar à nova mentalidade de trabalho.

Como você viu, a transformação na cultura organizacional passa por uma gestão mais flexível e com menos controle. Então se você é do tipo que gosta de microgerenciamento, pode ser difícil mudar. Contudo, com a ajuda de boas métricas de acompanhamento, você pode dormir com mais tranquilidade de noite.

Liderança pragmática

Entre os tipos de liderança, existem ainda os pragmáticos. Esses gestores costumam se dar bem em cargos de direção, pois são racionais e bastante direcionados por dados. No entanto, na cultura digital é preciso lembrar que o foco ainda está nas pessoas.

Então se você possui essas características, precisa focar bastante no seu time para conseguir manter o equilíbrio e inspirar os profissionais.

Liderança carismática

Já a liderança carismática costuma ser muito praticada. Afinal, esses profissionais se destacam por falar bem em público e ter um discurso  engajador. Essas qualidades são sempre bem-vindas e inspiram muitos colaboradores. Mas precisam acompanhar uma mudança real na cultura e não apenas na forma de se portar.

Em resumo, você não precisa mudar sua forma de trabalhar para promover uma transformação cultural na sua empresa. Porém, é importante estar sempre em evolução, testando e aprendendo com a sua equipe sobre as melhores formas de estabelecer essa nova dinâmica.

Se você gostou de saber mais sobre os tipos de liderança, leia também  artigo Liderança de resultados: como aprender, adaptar e ensinar para crescer.