lideranca digital

Liderança digital: 3 tecnologias essenciais para a gestão inovadora

Em um cenário no qual há uma verdadeira corrida de informações e que se você não estiver atento, acaba perdendo o caminho, a liderança digital surge como uma nova forma de se pensar as dinâmicas dentro das empresas. Mas como isso se deu? A criação de diversos canais e pontos de contato entre pares, empresas-clientes e do ecossistema aliado com as ferramentas tecnológicas que permitem a extração e disseminação de informações acabaram por construir uma nova realidade em diferentes âmbitos, inclusive para os negócios. Entre os propulsores das mudanças, podemos citar algumas inovações tecnológicas como a Internet das Coisas (IoT), Big Data, Machine Learning, Inteligência Artificial, etc.

Com tudo isso acontecendo, a liderança digital não é mais um opcional, como aponta o especialista Josh Bersin. Já em 2016, em uma pesquisa com o MIT, com mais de 1.000 CEOs participando, 90% dos executivos acreditava que os negócios deles estavam sendo interrompidos ou reinventados por modelos de negócios digitais e 70% não acreditava ter as habilidades certas, liderança ou estrutura operacional para se adaptar aos novos tempos. O que não é uma boa posição para se estar. O ideal, conforme Bersin, é que as empresas comecem a "agir digital", criando um novo modelo de gerenciamento, com a liderança dos CEOs e o auxílio das ferramentas tecnológicas.

liderança inovadora

Um dos comportamentos que os líderes digitais estão tendo, de acordo com Alex Shootman, e que vai ao encontro do "agir digital" e da "liderança digital", é o de tratar o trabalho, o que o time deles faz, como um ativo de primeiro nível. O que isso quer dizer? Que a administração financeira, o gerenciamento de recursos humanos, o gerenciamento dos clientes, o relacionamento com os clientes e as tecnologias foram investidos para serem ativos de primeiro nível. Por isso, por conta de tal investimento em ativos tão importantes para a empresa, eles não estão mais dispostos a gerenciar o trabalho com recursos legados. É preciso ter colaboração multifuncional, responsabilidade, visibilidade, modelo de negócio, modelo de marketing, distribuição e tecnologia suficientes para que todos atuem juntos como um time e alcancem resultados. É neste ponto que as tecnologias podem servir de aliadas para a liderança digital.

3 tecnologias para liderança digital

Separamos 3 tecnologias que podem ser utilizadas para alcançar uma gestão inovadora e contar com a colaboração e participação dos times capitaneados pela liderança digital. Confira:

1. Ferramentas para contratação de colaboradores

Os sistemas de recrutamento digital otimizam os processos de contratação de colaboradores  e permitem maior precisão na realização de um primeiro filtro. Um exemplo é o da Under Armour, empresa com viés esportivo e internacional, que recebia mais de 30 mil currículos mensais. Era bastante desafiador na hora de selecionar e contratar. Por isso, a liderança digital investiu em um processo de recrutamento no qual os gerentes criavam e estruturavam entrevistas com perguntas pré-gravadas. Se os requisitos da etapa fossem atendidos, os candidatos passam para uma fase com um entrevistador da empresa.

2. Plataformas de e-learning

O e-learning corresponde ao ensino digital, no qual são utilizadas tecnologias da internet para repassar o conhecimento aos alunos e garantir um desenvolvimento no desempenho deles. Para isso, conta-se com dispositivos digitais, como computadores, tablets e mobile, e uma conexão de internet. Em outra modalidade, temos ainda os treinamentos e cursos EAD (educação a distância), o Microlearning (atividades de aprendizagem de curto prazo) e o M-learning (que utiliza o ambiente dos dispositivos móveis, como smartphones, e pode ser realizado por meio de aplicativos, redes sociais acadêmicas, entre outros).

3. Modelo de negócios plataforma

As empresas plataformas têm alcançado o sucesso por meio da sua estratégia de criação de conexões. Elas facilitam as conexões entre as pessoas e a empresa e, também, entre as próprias empresas plataformas.  A interação entre os participantes é um ponto-chave do modelo. Dentro disso, destaca-se como é fácil estabelecer uma conexão, a amplitude de serviços, como se dá o fluxo de trocas e, a partir de então, o processo de co-criação. É fundamental que a liderança digital esteja olhando para os negócios que estão crescendo e que foram estabelecidos em cima de plataformas, inclusive utilizando-as como um apoio dentro da própria empresa e da construção e desenvolvimento de objetivos para os seus colaboradores.

Quer saber mais sobre as tecnologias que podem complementar e auxiliar uma liderança digital? Deixe seu comentário!

Educação corporativa

Educação corporativa e TD: por que a transformação dos talentos é tão importante quanto a dos processos

Há um senso que faz parte de todas as organizações, aquele que diz respeito ao como você sente ao entrar em determinado local. É comum que ele seja descrito como cultura, ambiente de trabalho, clima organizacional, entre outros. No entanto, como é reforçado em "RH de Dentro para Fora: Seis Competências para o Futuro da Área de Recursos Humanos", não importa de qual maneira é denominado, o que deve ser considerado é que, sim, é algo real. Também é um fenômeno que impacta as diversas pontas, desde o cliente que chega para fazer negócios, como o colaborador que está imerso naquela sensação. Por isso, é que muitos profissionais de RH sabem que é preciso de capacitação por meio de educação corporativa para que se crie a atmosfera certa que conduzirá ao sucesso - ou até a transformação digital.

Agora, imagine quanto é preciso para construir a cultura organizacional em um contexto rápido e tecnológico. É, por conta disso, que a educação corporativa tem se tornando a melhor amiga da transformação digital. Pense que criar o que é certo nos negócios a partir de perspectivas culturais é o mesmo que encontrar quais são os valores, normas e padrões que direcionarão a organização. Já, fazer o mesmo por meio de processos, significa identificar e melhorar os processos-chave. Se, a criação se der pela lógica de competências, serão aperfeiçoadas atividades funcionais. Por último, criar por meio de uma visão de recursos é sinônimo de encontrar quais são os recursos da empresa que entregarão valor. Todas essas abordagens podem ser sintetizadas por uma lógica de capacitação e educação que permitirá ao RH conduzir os negócios para o caminho mais adequado.

A educação corporativa permite desenvolver e alcançar a maturidade nas diferentes perspectivas citadas anteriormente, inclusive no âmbito digital. Levando em consideração que a transformação digital interfere no cenário tradicional ao adotar soluções tecnológicas e, mais do que isso, impacta e modifica o ambiente ou cultura organizacional. Mais do que tecnologia, a transformação digital permite uma série de benefícios e vantagens competitivas, como a ampliação de possibilidades e de resultados para a empresa. No entanto, a educação corporativa não possui um trabalho simples, basta analisar o quão a transformação digital exige das organizações para alcançar a maturidade digital, incluindo a preparação para quebra de paradigmas e novos conceitos de trabalho e interação com as pessoas.

Agora, como promover uma educação corporativa que permitirá todos os ganhos da transformação digital, incluindo a cultura organizacional? Não basta somente procurar por uma capacitação apenas por que é preciso aprender rápido para não ficar para trás. Certamente é um motivo mais do que válido. Porém, deve-se ir adiante e buscar na educação corporativa as capacitações que de fato, identificarão oportunidades, o desenvolvimento de talentos e a aplicação de ambos dentro de um cenário propício para que ocorra a transformação digital.

Como unir a educação corporativa e a transformação digital na empresa?

As empresas que estão promovendo a transformação digital precisam investir corretamente na educação corporativa para garantir que os resultados sejam realmente relevantes. Mas, para que isso, aconteça, há algumas boas práticas que são fundamentais. Na sequência, você encontrará uma seleção delas.

  1. Entenda qual é o foco e não desperdice energia: mais do que se dedicar a diferentes propostas de educação corporativa, o ideal é entender quais são aquelas que possuem os fatores necessários para causar o impacto desejado.
  1. O seu mestre deve ser o melhor: nada de se comparar com empresas com um desempenho baixo ou que não estão no patamar adequado para a transformação digital. Aqui, a dica é aprender com o melhor, tendo como alvo em sua educação corporativa aquelas organizações com uma alta performance dentro do maior cenário possível. Inclusive, deve-se olhar para os setores irmãos em que as capacitações se tornaram um destaque, buscando modelos e personalizando eles.
  1. Tenha sempre um lugar reservado para a criatividade: o incentivo ao novo e ao criativo favorecem um mindset adequado para a transformação digital. Portanto, as capacitações devem permitir a criação de espaços para a experimentação, a colaboração e a inovação.
  1. Não se trata apenas de tecnologia: novamente, assim como a transformação digital alcança mais do que as soluções tecnológicas, o mesmo acontece com a educação corporativa. É, sim, essencial que os colaboradores estejam habilitados para o convívio e a manutenção das novas tecnologias, mas não é só isso. As capacitações devem também desenvolver competências profissionais importantes que possam contribuir com aquelas que são peças-chave na transformação digital. São exemplos de habilidades essenciais: colaboração, inovação, liderança, criatividade, etc.
  1. Mais do que atividades: a educação corporativa é um conglomerado, um conjunto de atividades, não somente um ato isolado, ou uma busca única. Mais do que a ação, é imprescindível o entendimento dentro da capacidade que está sendo desenvolvida. Não são soluções prontas e sozinhas, mas o exercício de competências para determinado fim.

Quer saber mais sobre educação corporativa para a transformação digital? Vamos continuar nossa conversa nos comentários!

Transformação digital no RH

Transformação digital no RH: como construir um time para crescer e inovar

As mudanças que estão ocorrendo globalmente vão além da tecnologia e das máquinas, prova disso é o protagonismo da transformação digital no RH. Em uma pesquisa recente, os riscos da transformação digital apareceram em primeiro lugar para grande parte dos diretores, CEOs e executivos high level. Isso se justifica no fato de que dos quase 1,3 trilhão de dólares gastos em transformação digital em 2018, pelo menos 900 bilhões desse montante podem ser considerados desperdiçados. É justamente aqui que entra a transformação digital do RH, pois apesar de as tecnologias digitais prometerem e oferecem mil possibilidades de aumento de eficiência e conexão com os clientes, de nada adianta se não houver um esforço global de todos os setores e a mentalidade certa para as mudanças das práticas organizacionais atuais.

Se a transformação digital não se trata somente de uma solução tecnológica, é fundamental estar preparado para os desafios que acompanham o novo cenário. Trata-se de uma capacitação que alcança os diversos níveis da organização. Por conta disso, é tão relevante que a transformação digital no RH possa viabilizar a construção da liderança sob novas perspectivas e que, a partir de então, os demais colaboradores possam aderir os diversos aspectos que fazem parte da transformação digital. Mas como colocar isso em prática e construir um time focado em crescimento e inovação?

Transformação digital no RH: crescer e inovar

Para que a transformação digital no RH consiga propiciar a construção de um time que participara do crescimento e da inovação na empresa, algumas mudanças devem ser realizadas. Isso porque se é esperado que com as novas perspectivas e desafios surgidos em decorrência das demandas e exigências de um contexto diferenciado, criem-se comportamentos que vão desde a aceitação até receios. Confira abaixo, algumas questões-chaves para facilitar essa mudança.

Planejamento estratégico da força de trabalho:

Entre alguns dos pontos salientados pela Gartner, em seu artigo sobre “Every Organizational Function Needs to Work on Digital Transformation”, a transformação digital no RH engloba as preocupações dos funcionários em relação a suas habilidades e o fato de "ficar para trás". Portanto, é fundamental repensar, inclusive, em iniciativas que  gerenciarão talentos e promoverão reciclagens. É natural que exista uma demanda por destreza digital, que se torna uma guarda-chuva para uma série de aspectos, como crenças, mentalidades e comportamentos que acelerarão a entrega de resultados dentro das iniciativas digitais. Sendo assim, a capacitação está no topo da lista de muitos líderes.

Clareza estratégica:

Outro ponto que a transformação digital no RH deve lidar é com as rupturas ocasionadas pelas ambições digitais das empresas e, por esse motivo, promover o auxílio na busca pela clareza daquilo que a equipe deve ter como objetivo. O que pode acontecer é que as novas ambições batam de frente com aqueles que são os objetivos operacionais consolidados e que estão implantados na cultura da empresa, criando, dessa forma, uma série de prioridades competitivas que podem trazer confusão para os funcionários e, por consequência, um desequilíbrio. Se não houver clareza estratégica, é bastante difícil que a equipe saiba onde deve de fato se concentrar e com qual grau de velocidade, qualidade, eficiência e inovação devem trabalhar. Um cenário assim é propenso ao estresse e, sendo assim, a uma redução do desempenho geral.

Direcionando a nova realidade operacional:

Quando se pensa na evolução digital, um dos pontos cruciais que é levantado em conjunto é a segurança dos consumidores e das próprias organizações. Em grande parte das empresas, tal responsabilidade, da segurança cibernética, acaba ficando a cargo do CIO. Sendo que os CIOs devem, em consenso com as novas diretrizes da transformação digital no RH, buscar a educação das diretorias e dos executivos high level sobre a importância de considerar e assumir a responsabilidade pela segurança cibernética. É uma realidade operacional que acaba tocando as diversas áreas da empresa, pois trata-se de um desafio entre cumprir suas funções e gerenciar os riscos que surgem na mesma velocidade que os negócios digitais e, também, por conta deles.

A transformação digital transcende o puramente tecnológico, pois se está falando de uma transformação digital que atinge pessoas. Vamos discutir mais sobre o assunto? Deixe sua dúvida ou comentário!