Empresas Disruptivas

Empresas disruptivas: como identificar um modelo de negócio inovador?

Você já se perguntou o que torna uma ideia inovadora? Ou melhor: como boas ideias podem gerar empresas disruptivas? Em 2015, um estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP) com o apoio do Sebrae mostrou que o Brasil possuía a maior taxa de empreendedorismo do BRICS. Por outro lado, também temos a constatação de que muitas empresas ‒ especialmente micro, pequenas e empreendedores individuais ‒ não chegam ao segundo ano de atuação.

Em meio a tantas empresas criadas (em 2015 eram quase 2 bilhões, segundo o Serasa Experian), poucas se diferem por serem negócios disruptivos, como a EduK, considerada pela Fast Company a maior startup de educação do país ou o app iFood, que está entre os dez maiores do mundo em número de pedidos.

O que será que está faltando entre essas duas realidades brasileira tão opostas? De um lado, crescimento do empreendedorismo ano após ano; de outro, uma taxa de sobrevivência ainda abaixo dos dois anos. Esse contraste me levou a escrever um pouco mais sobre características de empresas disruptivas. Quais são os novos modelos de negócios e quais produtos ou serviços são aguardados nesse novo mercado.

O que esperar de empresas disruptivas?

Propósito, demanda, praticidade, proposta de valor. Pedir um táxi e pagar a corrida pelo celular, acessar apenas um site para contratar produtos e serviços, entre muitas outras facilidades que os negócios inovadores nos trouxeram.

Mas não é só de novas tecnologia que vivem as empresas disruptivas, também tem talento humano, processo consolidado, validações e remodelagem necessária. Confira abaixo:

Talentos e lideranças:

Do que adianta contratar o melhor profissional, se ele não tem espaço ou autonomia para sugerir e aplicar novas ideias? As empresas disruptivas reúnem talentos para que eles mostrem os melhores caminhos, definam os processos mais adequados e o momento ideal de mudança.

Já comentei em alguns conteúdos que isso tem a ver com a estrutura linear, que instituições conservadoras e hierárquicas não possuem (e preferem fugir!). A inovação pede um modelo de negócio colaborativo e aberto.

Se você quiser saber mais sobre o tema, confira o artigo sobre ambidestria organizacional e veja como líderes ambidestros contribuem para a inovação nas organizações.

Canais de feedback (com os clientes também)

O mais bacana neste item é uma qualidade das empresas disruptivas de não terem medo de errar. Por isso, elas abrem um diálogo construtivo com equipe interna, cliente e comunidade. Buscam essa aproximação para saber a origem de falhas, as possibilidades de melhorias a partir dos erros e as oportunidades de novos produtos.

Enquanto corporações conservadoras se fecham para resolver crises, as inovadoras caçam soluções em diversos locais, seja no brainstorm com os funcionários ou em uma plataforma para cadastro de novas ideias. Nos negócios disruptivos, inovação e criatividade andam lado a lado.

Alinhamento de ponta a ponta

Para os dois itens anteriores serem uma realidade, é preciso que a Liderança inovadora esteja 100% focada na causa e que repasse isso a toda empresa. A inovação deve estar presente na estrutura física, no clima organizacional, no processo de contratação, gestão, avaliação, etc. O alinhamento é uma parte importante para a construção da cultura de inovação.

Tire as ideias do papel

Digo e repito: não basta ter ideias geniais, elas têm que sair do papel, serem viáveis e rentáveis. É por isso que trabalhamos exaustivamente com a criação de estratégias e processos.

Para terminar a conversa, eu gostaria de compartilhar um exemplo do que empresas disruptivas conseguem fazer. Muita gente pensa que a inovação nos negócios só tem relação com algo nunca antes visto, mas ser inovador significa fazer diferente o que já existe, criar algo do zero ou transpor o que foi criado para outras esferas.

Saiba mais neste vídeo abaixo sobre modelos de negócios inovadores:

Conheça o case inovador da empresa Dafti

Quando chegou ao Brasil, em 2011, poderia ser mais uma loja virtual, mas a empresa chegou para ser o primeiro e-commerce de calçados. A partir daí, virou praticamente um shopping center virtual: multimarcas, múltiplas formas de entregas, portfólio variado. Até o provador da loja física foi para o mundo virtual, com avatar que reproduz as medidas, cor da pele, penteados e demais características do cliente.

A Dafiti pensou diferente para transpor o que já existe em um centro de compras físico para o mundo online. Atualmente, é considerada uma das empresas mais inovadoras da América Latina.

Olhe ao redor e apure os ouvidos para identificar o que pode ser diferente dentro da sua empresa. Se surgir uma boa ideia, saiba que a (re) criação de um modelo de negócio é uma importante arma de testes e validações. Quem sabe não surge algo com potencial inovador?

Agora que você já sabe conhece as principais características das empresas inovadoras, saiba como criar mais senso de responsabilidade em sua equipe. Leia o artigo:  Accountability: o que é e como colocá-la em prática na sua empresa.

desafios empresas inovadoras

Nem tudo são flores. Conheça 3 desafios para empresas inovadoras

Se tem uma coisa que as empresas inovadoras fazem muito bem é encarar mudanças como oportunidades de melhorias ou de expansão. De fora, existe a impressão de que a inovação é um risco alto demais para correr (está tudo caminhando bem há anos, por que mudar?). No entanto, em meio a tantos cases bem-sucedidos de negócios disruptivos, arrisco poetizar nas palavras de Fernando Pessoa: “tudo quanto vive, vive porque muda”. No caso de instituições, tudo sobrevive quando se pensa a evolução do modelo de negócio.

Engana-se, entretanto, quem pensa que empresas inovadoras nascem da noite para o dia, brotam nos programas de aceleração ou caem do céu direto nos diversos “Valley” do mundo ou surjam como geração espontânea. Há um longo caminho entre uma ideia transformadora e a sua concretização. Este percurso está rodeado de desafios, especialmente causados pelo conservadorismo empresarial e pelo medo de mudança. Afinal, empresas inovadoras precisam de uma gestão também inovadora, de um ambiente que abrace a modernização e profissionais igualmente arrojados.

3 desafios enfrentados por empresas inovadoras

1. Tempo. Empresas inovadoras não nascem em 3 minutos

A inovação é um processo a ser construído. É preciso paciência e persistência para chegar ao status das empresas inovadoras, sendo que nem sempre as primeiras iniciativas serão bem-sucedidas. Isso me lembra uma frase do VP de produtos de hardware do Google, Mario Queiroz. Certa vez, em uma matéria do Estadão, ele disse ao explicar alguns lançamentos: “mesmo que um projeto não tenha muito êxito, temos de pensar no que é possível tirar de bom para a próxima inovação. Porque ela vem, mas, às vezes, requer umas duas ou três tentativas”.

2. Falta de um ambiente de inovação

As empresas inovadoras respiram inovação. O ambiente físico é agradável: salas, bancadas e demais espaços são um convite à colaboração, à conversa, ao brainstorm e às discussões. O dia a dia atrai pessoas que combinam com esse clima, afinal, é preciso ter o perfil certo para produzir bem em conjunto e pensar fora da caixa. Os processos não são modernos apenas no papel “pra gringo ver”, enquanto a realidade traz uma hierarquia conservadora. A inovação é praticada e medida diariamente, às vezes falha, mas nunca é desestimulada. Existem métodos e práticas para organizar o ambiente – com dois pés (e a cabeça) na gestão do conhecimento.

Você consegue perceber que não é simples ser inovador? É claro que alguns se desenvolvem naturalmente inovadores, por isso temos atualmente tantas empresas modernas em sua origem. Mas isso não quer dizer de maneira alguma que instituições já existentes e com longos anos de atuação não possam se recriar. A discussão não é sobre o poder do novo sobre o velho, mas sim sobre o poder de transformação.

3. Estrutura rígida não combina com modelo inovador

O caminho para a inovação é colaborativo. Esqueça a estrutura vertical e rígida, a sala luxuosa do chefão isolado, mandos e desmandos sem questionamentos. Há uns três anos, começou a pipocar nos noticiários brasileiros o termo holocracy (holocracia, em português), uma criação do empresário norte-americano Brian Robertson para definir um modelo de negócio com distribuição de autoridade no lugar da estrutura tradicional hierárquica.

O que Robertson deu nome é o que muitos acreditam que sejam um dos pré-requisitos para empresas inovadoras: o fim da figura antiga de chefes e a valorização de perfis de liderança. É o que já acontece em empresas reconhecidamente disruptivas como o Google: estrutura linear, canais abertos para a discussão de melhorias, líderes que mantêm o ambiente propício para a inovação, processos transparentes com foco no resultado.

Esse cenário é um grande desafio para instituições tradicionais, pois derruba conceitos enraizados no meio corporativo. Ninguém manda em nada? Não há controle de horários? Todos fazem o que querem? Parece exagero, mas essas perguntas estão na cabeça de gestores que ainda não conseguem enxergar um modelo de negócio inovador.

No lugar de mandar, liderar. Em vez do bate ponto, avaliação constante de desempenho e resultados. Para substituir regras e processos decididos por poucos, pesquisas e estudos aprofundados sobre modelos colaborativos.

Qual o desafio mais difícil de ser driblado? Comente!

 

Business Model You

Business Model You – um método para reinventar a carreira e a si mesmo

Para início de conversa, o que é Business Model ou Modelo de Negócio? O termo ‘modelo de negócio’ é muito recente, apesar de sempre ter existido . Ele passou a ser adotado como uma alternativa de abordagem de negócios por volta da década de 1990, quando as chamadas empresas ponto com emergiram em decorrência da expansão da internet. Esse novo ambiente demandou novas formas de organização de empresas e negócios, pois os processos pautados pela era industrial não atendiam às necessidades das empresas da era digital.

Em paralelo a esse movimento, a comunidade acadêmica iniciou os estudos na área, e, a partir de então, foi produzida uma infinidade de artigos, dissertações e teses e, em todo o mundo, sobre modelos de negócios. Entretanto, um dentre tantos trabalhos publicados, recebeu destaque especial: o do pesquisador suíço Alex Osterwalder. Ao defender sua tese de doutorado sobre o tema e publicá-la na web, logo recebeu um convite para produzir um livro.

Ele aceitou o desafio e, para tanto, criou uma uma comunidade, abrindo espaço para colaboração, e 470 praticantes de modelos de negócios de 45 países elaboraram, coletivamente, o livro Business Model Generation, lançado no Brasil em 2011 pela editora Alta Books. Dentre outros tópicos, a publicação apresenta o Business Model Canvas (Quadro de Modelo de Negócio), tornando-se mundialmente famoso.

Alex Osterwalder e o Canvas de Modelo de Negócio

O Canvas do Modelo de Negócio apresenta, em uma única página, nove áreas organizacionais que compõem qualquer tipo de negócio. Para o autor, a metodologia descreve a lógica de como uma organização cria, captura e entrega valor. Os componentes do quadro de modelo de negócios ampliam a compreensão da necessidade de conjugar a intuição, a criatividade e o rigor analítico no processo de inovação nas organizações.

Inspirado no Business Model Generation, Tim Clark, autor de diversas publicações, coach de grandes empresas e professor doutor em Tóquio, decidiu replicar a receita e lançou uma comunidade com o objetivo de adaptar o conteúdo do livro para um processo de coaching e redefinição de carreira. Surgiu assim, em 2012, o livro Business Model You, ou, em português, Modelo de Negócio Pessoal. Em parceria com os principais autores do Business Model Generation, Alexander Osterwalder e Yves Pigneur, a iniciativa reuniu 328 profissionais em 43 países.  

Business Model You

Eu tive a oportunidade de participar da elaboração coletiva do livro, fazer a revisão da tradução para o português além de escrever o prefácio da publicação, ocasião que descrevi que Business Model You é um chamado para que as pessoas desenvolvam uma nova percepção para o entendimento da vida em rede e o que cada uma pode contribuir com o todo. Não se trata de receitas ou fórmulas de autoajuda, mas de uma descoberta de processo de autorreflexão, com resultados que vão além da imaginação.

A inovação é imprevisível. E novos agrupamentos podem resultar em novas descobertas. Por exemplo, o hidrogênio é inflamável. O oxigênio é respirável. Quando juntamos H e O, temos a água, que é bebível, e ser bebível é considerado uma propriedade nova, inesperada, inexplicável a partir de um elemento inflamável ou respirável. Quando juntamos diferentes olhares, um novo olhar surgirá, inesperado e inexplicável. Assim é a vida. Neste processo do inexplicável e do inovador, abre-se a possibilidade de encontrar outras fórmulas para a vida profissional. Ao cruzarmos especialidades e conhecimentos, descobrimos novos significados, de uma forma simples e direta, divertida e inteligente.

Um modelo de negócio, em síntese, aborda como uma organização é sustentável financeiramente. Isso não difere na construção de uma nova vida profissional. Trocamos nosso trabalho e dedicação por uma remuneração que nos sustenta e nos proporciona o atendimento das nossas necessidades básicas e a plena realização. Business Model You é uma ferramenta que ajuda nesta reflexão, proporcionando um autoconhecimento que auxilia as pessoas a repensarem sua vida profissional e até efetuarem, com segurança, uma mudança de carreira.

O Canvas do Modelo de Negócio Pessoal ou Canvas BMYou é assim representado:

Modelo de Negócio Pessoal

Podemos exercer diferentes papéis: somos pais e mães, somos filhos, somos profissionais de determinada área; podemos atuar em alguma organização de amparo aos animais ou a crianças em condição de risco. Identificados todos os papéis que desempenhamos no dia a dia, devemos destacar os mais relevantes e cujos resultados atendam às nossas expectativas. Para cada um deles, devemos elaborar um Canvas BMYou.

São nove blocos que representam as áreas da vida profissional:

1 – Clientes

Começamos por definir quem ajudamos, no lado direito do quadro. Por que iniciar por esse bloco? Porque é a partir das necessidades de quem atendemos ou ajudamos que moldaremos a nossa carreira, associadas com os nossos recursos-chave ou principais habilidades e competências. Nesse primeiro bloco – CLIENTES, Quem você ajuda - identifica-se quem são as pessoas, grupo de pessoas ou empresas que auxiliamos ou apoiamos e quem paga pelos nossos serviços. Nem todo pagamento, entretanto, é monetário. Há aqueles emocionais, os quais recebemos pelo apoio que damos a um irmão, aos nossos pais ou aos amigos.

2 – Proposta de valor – por que você ajuda os seus clientes?

A partir da definição das diferentes pessoas que ajudamos, o passo seguinte é descobrir que valor isso tem para cada uma delas. O valor aqui não é monetário; refere-se à importância atribuída ao serviço pelo cliente. Negócios não são feitos com base no que gostaríamos de realizar, mas, sim, na forma como podemos ajudar alguém a ter uma expectativa atendida, tornando-nos relevantes para cada cliente atendido. Para esse bloco que aborda a proposta de valor, é preciso ter conhecimento profundo dos anseios das pessoas atendidas para anteciparmos uma resposta e tornarmos o serviço relevante a eles.

3 – Canais – Como seus clientes sabem que você existe e como você entrega o seu serviço a eles?

Não adianta obtermos uma proposta de valor relevante se ninguém souber disso. Esse bloco aborda três etapas:

  1. a) divulgação da proposta de valor;
  2. b) contato com os clientes ativos;
  3. c) acompanhamento e manutenção dos clientes conquistados.

Na etapa de divulgação, podemos criar e manter um blog, divulgar  comentários e opiniões em redes sociais de forma profissional e manter um perfil profissional em sites tais como LinkedIn, por exemplo. Igualmente, podemos fazer uso do marketing digital para o envio de e-mail marketing e para a criação de e-books com conteúdo rico e de interesse do nosso público-alvo, por exemplo.

Na etapa de contato, acompanhamento e manutenção dos clientes conquistados, é importante verificar como cada um gostaria de ser acionado, respeitando diferenças e particularidades. É fundamental manter contato frequente com visitas, por meio de chats ou WhatsApp, com entrega de produtos em domicílio ou pelo envio de material que resolva as demandas deles.

4 – Relacionamento com o cliente

Um lado mais afetivo do Canvas, o bloco do relacionamento com o cliente define como interagimos com ele. Essa interação acontece de forma pessoal, impessoal, via internet ou automatizada.  Nessa etapa, devemos refletir sobre o tipo de contato  com o cliente que o serviço prestado exige. A partir daí, é essencial realizar as devidas adequações às necessidades e anseios dele a fim de conquistar a fidelização e a retenção na sua base de clientes ativos.

5 – Fonte de Renda – O que você ganha com o serviço que entrega?

Conforme o Canvas que estivermos trabalhando, o ganho poderá ser financeiro ou emocional. É importante destacar essa opção, e registrar as fontes de receitas, como honorários, pagamentos como freelancer e serviços temporários, entre outros itens.

6 – Recursos-chave – Suas habilidades e competências

Neste bloco, identificamos nossas principais habilidades e competências para entregarmos a proposta de valor adequada ao segmento de clientes. Recomenda-se destacar contatos, experiência, capacitações realizadas etc.

7 – Atividades-chave – O que tem que ser feito?

Nas atividades-chave lista-se tudo o que deve ser feito para que este modelo de negócio pessoal seja mantido. Representa um check-list, que pode ser acrescido dos prazos para a realização de cada atividade.

8 – Parcerias-chave – Quem ajuda você?

Neste item são considerados todas as pessoas com quem você pode contar para realizar adequadamente as atividades chave visando a entrega da proposta de valor

9 – Custos – O que você oferece?

Os custos estão relacionados ao tempo e a energia dispensados para a realização das atividades. Considera-se, também, as taxas, as despesas de viagens e com veículos e a logística necessária para atendimento dos clientes.

Construa o seu Canvas pessoal e deixe-o afixado em um local de fácil acesso para que seja revisado semanalmente. Gere empatia com o processo e amplie as suas possibilidades.

Percebemos alguns sentimentos predominarem entre muitos profissionais que necessitam de um apoio em sua carreira ou negócios: medo, dúvida ou descrença ocorrem eventualmente. E o que precisamos é despertar a confiança. Quando o padrão de comportamento vigente é o medo, a energia resultante é de competição, e o relacionamento interpessoal é superficial. Consequentemente, a evolução das pessoas acontece de forma isolada. Por outro lado, se o padrão de comportamento for de confiança, a energia reinante será de colaboração, resultando na coevolução entre as pessoas.

Vivemos em um novo contexto organizacional. E mudanças vêm ocorrendo na forma como as empresas contratam pessoas, ampliando as possibilidades de uma contratação temporária ou por um serviço específico. Ter as habilidades e competências avaliadas por meio do Business Model You aumentam as chances de você tornar-se empresário de si próprio, cultivando uma carreira promissora e valorosa.

Artigo originalmente publicado na Revista Coaching edição 46

Referências:

Clark, Tim. Business Model You: o modelo de negocio pessoal – o método de uma página para reinventar a sua carreira. Rio de Janeiro, Alta Books, 2013

OSTERWALDER, A. et al. Inovação em modelos de negócios: um manual para visionários, inovadores e revolucionários. Rio de Janeiro, Alta Books, 2011

OROFINO, Maria Augusta. Técnicas de criação do conhecimento no desenvolvimento de modelos de negócio. Dissertação de mestrado UFSC, Florianópolis, 2011. Disponível em www.mariaaugusta.com.br