Gerando valor por meio de modelos de negócios inovadores

O período de 24/9 a 8/11 de 2014 ficará registrado como a maior concentração treinamentos em modelos de negócios que eu já tive oportunidade de realizar, desde que inicie esta atividade em 2011. No período de 24/9 a 15/10 conduzi uma Maratona de workshops sobre Modelo de Negócios Canvas dentro do Programa Geração TEC – Talentos Empreendedores, do Governo do Estado de Santa Catarina – 2014, atendendo cerca de 450 empresários, em 14 cidades e rodando em 22 dias cerca de 4.800 km. O Geração TEC é um programa que cria oportunidades para jovens e adultos por meio de qualificação profissional e que pretende formar uma nova geração de profissionais e empreendedores para trabalhar com tecnologia e inovação em Santa Catarina.

2014-10-20-10.11.59Na sequência, praticamente no dia seguinte que terminei essa jornada, iniciei juntamente com o Sebrae SC e a Duvekot Corporate uma outra maratona de capacitação em modelos de negócios desta vez para adequar modelos de negócios realizados no Brasil em vista a um processo de internacionalização.

O Exporta SC é um programa de internacionalização de empresas catarinenses que tem o objetivo de preparar as micro e pequenas empresas para operar no mercado norte-americano, dando o suporte na incubação que inclui a capacitação de empreendedores, visitas técnicas, suporte administrativo, jurídico, fiscal, marketing, comercialização, operação e logística. Foram treinados 210 empresários em 5 cidades diferentes.

Além disso, tive também a oportunidade de realizar trabalhos de consultoria em Caxias do Sul – RS, Porto Alegre – RS, Cuiabá – MT, Campo Grande – MS, Florianópolis – SC e em São Paulo onde resido atualmente.

Encerrei essa maratona participando da Master Class com o próprio Alex Osterwalder em um evento promovido pela HSM em São Paulo nos dia 6 e 7/11/2014. Desde que trouxemos Alex ao Brasil pela primeira vez em novembro de 2011 no Rio de Janeiro, estivemos presentes em todos os eventos que ele ministrou aqui. Neste treinamento especificamente, além da apresentação do Canvas do Modelo de Negócio, Alex Osterwalder trouxe seu segundo livro que estava sendo lançando em português naquela data. Segundo Alex é preciso ir além da inovação em tecnologia e dedicar parte dos recursos para projeto e desenvolvimento (P&D) à criação de novos modelos de negócios. Ele cita que tecnologia pode ser copiada, mas modelos de negócios são mais difíceis de serem imitados pela concorrência.

2014-11-06-19.29.40Um dos pontos destacados durante os dois dias de curso foi no modelo de receita do negócio. Como criar novas formas de remuneração, como ter receitas recorrentes e como fazer com que os outros trabalhem para que o seu negócio gere lucro. Citando exemplos clássicos e enfatizando aspectos que no primeiro livro não haviam sido contemplados como a experimentação e prototipagem, passando por exercícios práticos e muito relacionamento, concluímos que este assunto é impactante e nos tira da zona de conforto. Outro aspecto super importante que também foi destaque está em como eu gero valor ao meu cliente. Nesta nossa jornada, em contato com empresários de todos os tipos e tamanhos, vimos que trabalhar com o conceito de modelos de negócios nos permite integrar times, conduzir reuniões muito mais animadas e produtivas, estimular outras áreas sensoriais que normalmente ficam adormecidas no nosso dia a dia e principalmente ganhar novos amigos. Indiscutivelmente a melhor parte deste negócio.

Nossa próxima turma sobre inovação em modelos de negócios acontecerá nos dias 18 e 19/11, em São Paulo, em parceria com a ANPEI. Caso tenha interesse em realizar um desses eventos in company, não hesite em nos contatar para realizarmos essa experiência conjunta dentro da sua empresa.

Maratona sobre Inovação em Modelos de Negócios

A partir do dia 24/9 até o dia 15/10 de 2014, Santa Catarina viverá uma maratona de disseminação dos conceitos de inovação em modelos de negócios, uma promoção da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Sustentável em parceria com a FAPESC através do programa Geração TEC. O publico alvo são empresários e colaboradores das empresas de TIC, incubadoras, microempresas e associados da RECEPETI – Rede Catarinense de Inovação, vinculados aos Centros de Inovação do Estado. Cada empresa poderá inscrever um representante em um dos cursos, até o limite de vagas. A concessão das vagas respeitará a ordem de envio das inscrições, que se efetivarão com a resposta da equipe do GeraçãoTEC, confirmando a inscrição.
Cada curso tem carga horária de 8 horas e os participantes receberão certificado de participação. As vagas são gratuitas e limitadas e as inscrições devem ser através do site www.geracaotec.sc.gov.br

Temas a serem abordados durante o curso:

  • A evolução do conceito de Modelo de Negócio e o Modelo de Negócios proposto por Alex Osterwalder – “Modelo Business Generation (Canvas)”
  • Entendimento do cliente e suas necessidades por meio do Design Thinking e da jornada do usuário;
  • O Canvas da Proposta de valor x segmento de clientes; o serviço a ser realizado (The job to be done) e a importância da prototipagem na validação do cliente.
  • 2014-04-09-16.14.45A palestrante/facilitadora será Maria Augusta Orofino, especialista em inovação, design thinking, modelos de negócios e desenvolvimento do cliente. Mestre em Gestão do Conhecimento pela UFSC. Administradora de Empresa com cursos de extensão realizados na Duke University, UC Berkeley – USA e Barcelona. Consultora organizacional com + 20 anos de experiência. Professora da ESPM|SP. Nos últimos 3 anos, ministrou workshops em diversos estados brasileiros e no exterior em mais de 100 turmas e proferiu palestras atingindo um contingente de mais de 5.000 pessoas.

     

     

     

    Agenda – 2014 – Santa Catarina

  • 24/9 – Chapecó
  • 25/9 – Concórdia
  • 26/9 – Joaçaba
  • 29/9 – Lages – lotado
  • 30/9 – Rio do Sul
  • 2/10 – Brusque
  • 3/10 – Itajai
  • 6/10 – Criciúma
  • 7/10 – Tubarão
  • 9/10 – São Bento do Sul – lotado
  • 10/10 – Joinville
  • 13/10 – Jaraguá do Sul
  • 14/10 – Blumenau
  • 15/10 – Florianópolis
  •  

    Para mais informações, entre em contato pelos telefones (48) 3665-4875 e (48) 3665-4878 ou pelo e-mail geracaotec@i3.org.br. As inscrições encerrarão 24 horas antes do início de cada curso, ou quando já preenchidas as vagas.

    Terão preferência na seleção e composição das turmas, respeitando a ordem de inscrição e considerando o limite de vagas possíveis para cada curso, as empresas que preencheram o mapeamento de vagas do Programa Geração TEC em Santa Catarina.

    Inovação: qual a principal necessidade das organizações rumo à mudança

    Hoje tive a oportunidade de conhecer uma pesquisa realizada pela Insitum, uma consultoria internacional que atua com inovação. Esta pesquisa aborda a evolução da inovação na America Latina em 2014. Interessante quando o documento cita que a principal necessidade das organizações pesquisadas:

    é capacitar-se internamente para a inovação, desenvolvendo processos e ferramentas de trabalho, criando a cultura de inovação focada em resultados de longo prazo para que esteja aberta a novas ideias e tenha espaço para testar se elas são promissoras ou não.

    Até aqui nenhuma novidade. Mas fiquei surpresa ao verificar que a inovação em modelos de negócios atinge um patamar muito semelhante às inovações em produtos e processos. Isso realmente é novidade. Apenas alguns anos atrás, a inovação teria sido descrita como “desenvolvimento de novos e diferenciados produtos”. Mas sabemos que a inovação vai além de processos e produtos, abrangendo também o marketing, a forma de relacionar-se com pessoas, fontes de receitas e também o modelo de negócio.

    Modelos de negócios ainda são novidades em várias organizações

    2 No meu dia a dia observo que muitos empresários ainda não se apropriaram deste conceito que em muito pode ajuda-los a dar um salto qualitativo, ampliando suas margens de lucros, obtendo inovação e ampliando mercados.

    Então por que adotar modelos de negócios é estratégico para uma empresa? Modelos de negócios são projetados e executados em ambientes específicos e compreende-los auxiliará a empresa a conceber negócios mais atrativos e sólidos. Na medida em que se conhece o mercado em que se está atuando, ter o conhecimento do seu modelo de negócio torna-se um ponto importante para se autoavaliar, saber o seu processo de monetarização, ter em mente o segmento de clientes que se está atendendo. Muitas empresas não tem esse diagnóstico claro e com isso perdem oportunidade de mudanças de rumo ou da adoção de estratégias competitivas.

    Sugiro adotar a análise do modelo de negócio proposto através de um framework (canvas) em apenas uma página onde os principais pontos de intersecção de uma empresa se conectam, dando possibilidade de uma análise simples. A inovação pelo Modelo de Negócio busca encontrar novos formatos de como a organização pode (re)criar formas inovadoras de captação de valor, ao longo do tempo. Por captação de valor podemos entender a combinação de diferentes atividades e aspectos, internos e externos, como o conjunto de pessoas com necessidades semelhantes (também denominado Segmento de Cliente) enxerga sua proposição de valor na solução (seja ela produto ou serviço) sendo oferecida, e estejam disponíveis e satisfeitos em pagaram pela mesma. Aliado com novas formas de como essa proposição é entregue (também denominado como Canais). Muitas vezes um produto existente pode alcançar um novo segmento através de um novo canal, tornando o modelo ainda mais rentável.

    Quais as vantagens de fazer um canvas para o seu negócio?

    Entenda-melhor-o-que-sao-Modelos-de-Negocios-InovadoresComo vantagens, podemos, através do constante processo de pensamento e visão em modelo de negócio, utilizando a linguagem do Canvas (9 blocos que descrevem como sua empresa gera, capta  e entrega valor).

    Por meio do design, ajuda a explorar novas oportunidades, identificar a real necessidade das pessoas, quais tarefas estão tentando realizar que a solução atual não os atende, através da muita colaboração, empatia e prototipagem, validando com as pessoas , continuamente.

    Cada bloco do seu modelo de negócio é fundamental, para que desenvolver um negócio inovador, escalável e sustentável. Por sustentável definimos como economicamente viável, ecologicamente correto, socialmente justo e culturalmente aceito. Isto tem auxiliado muitas organizações, independente de seu tamanho, em todo mundo, inovar.

    Esse método traz como benefício a vantagem de identificar erros de forma ágil visando a promover a correção de rumo e com isso buscar o sucesso por meio de novos modelos, novas hipóteses, testes rápidos com os mercados, aprendendo com os feedbacks e continuamente inovando.

    2014-05-29-11.20.02Sobre este assunto, nos dias 4 a 6/9/2014, teremos a nona turma do Curso de Inovação em Modelos de Negócios, na ESPM em São Paulo. Neste curso abordaremos: o ambiente da inovação; o canvas do modelo de negócio proposto por Alex Osterwalder; o design thinking na formação de times de alta performance e o desenvolvimento do cliente de Steve Blank na prototipação e teste do produto junto ao mercado.

    Nos últimos três anos tivemos a oportunidade de treinar mais de 5.000 pessoas em todo o Brasil contribuindo para que muitas delas descobrissem novas perspectivas para suas vidas ou para os seus negócios. Se quiser saber mais sobre a nossa trajetória e o que dizem a nosso respeito, clique aqui.

    Participe conosco desta jornada de conhecimento e descobertas. Será uma alegria fazer parte da sua história.

    SERVIÇO:

    Quando: Dias 4 e 5/9/14 – quinta e sexta feira das 18h30min às 22h30min e dia 6/9/14 – sábado das 9h às 17h.

    Onde: ESPM – SP – Rua Dr. Alvaro Alvim, 123 – Vila Mariana – São Paulo – SP

    Inscrições e informações: Acesse aqui

    Como uma startup pode ter sucesso dentro de um negócio estabelecido?

    2013-05-04 11.04.39Muitas empresas estabelecidas identificaram que viver a experiência de uma startup pode ser uma ponte para a inovação. Criam assim um ambiente propicio ao negócio, dando certa restrição de crédito, ambiente desafiador, intraemprendedores afiados e focados em resultados e muita, mas muita liberdade para criar.

    Como se fosse um departamento à parte, essas unidades de negócios têm suas metas e são focadas em identificar necessidades não atendidas de clientes que por vezes ainda nem sabem o que querem. A partir do processo de desenvolvê-los, esses empreendedores vão a campo, retornam para a startup, voltam a fazer contato com o cliente até que novos produtos ou modelos de negócios inovadores emergem naturalmente.

    Tais iniciativas de crescimento eventualmente  poderá atrapalhar um negócio existente, mas é possível ter sucesso em ambas as frentes. De acordo com a Business Harvard Review, a partir da experiência bem sucedida da American Express em criar a startup Bluebird, três táticas podem ajudar uma unidade empresarial ou uma startup a ter sucesso dentro de uma empresa maior:

    1. Não defina a batalha como "velho" versus "novo". Muitas pessoas vão para organizações existentes e o sucesso é redefinir como recriar o que está lá. Em vez disso, pense sobre como utilizar os ativos existentes, como uma rede forte ou uma base de clientes dedicados. Aproveite todos os recursos existentes.
    2. Traga novos conjuntos de talentos. Defina a prioridade da sua unidade ou startup deste ponto para frente. Que produtos estamos oferecendo aos clientes? Que dores ou necessidades dos nossos potenciais clientes estamos atendendo?
    3. Agregue pessoas que entendam o seu objetivo, e junte-as com pessoas que conheçam a empresa. A mistura de velhos com novos talentos pode ser poderosa. Inclusive é muito positiva para fomentar a inovação nas empresas.

    Como criar startups para atuarem dentro de organizações já estabelecidas ou como estabelecer um projeto para uma nova empresa é alguns dos tópicos que abordamos em nossos workshops realizados em todo o Brasil. Conheça a nossa agenda neste link e participe de um próximo a você. A experiência de viver isso na prática é cativante.

     

    Inovar é pensar diferente e gerar valor

    Muitas organizações ainda têm seu foco na execução de modelos e processos existentes, onde o mercado, produtos e processos são conhecidos, focando na eficiência, extraindo o máximo dos recursos disponíveis.

    As organizações podem criar a diferenciação através do que chamamos de inovações disruptivas, compreendendo a busca constante por novas oportunidades, permitindo e incentivando a formulação de ideias e construções de novos negócios. Somente novos produtos com novas tecnologias já não são mais suficientes para garantir o sucesso esperado.

    2Desta forma, está no modelo de negócio sua grande oportunidade de inovação. Para se ajustar a este novos tempos é necessário, também, ter em mãos novos processos, novos olhares, novas formas de pensar, novas ferramentas para auxiliar na maximização deste novos resultados (ou minimização dos riscos), já que tudo que é novo apresenta uma grande quantidade de incertezas. Por isso o processo de inovação disruptiva é cíclico e contínuo: novos modelos, novas hipóteses, testes rápidos com os mercados, aprendendo com os feedbacks, continuamente inovando.

    Através da visão do modelo de negócio, utilizando a linguagem do Canvas (9 blocos que descrevem como sua empresa gera, capta e entrega valor),  com uma atitude de design, identifica-se a real necessidade das pessoas. É colocar-se no lugar do cliente e procurar entender quais tarefas ele está tentando realizar e que a solução atual não o atende. Tudo isso por meio de muita colaboração, empatia e prototipagem, validando com as pessoas, continuamente.

    Este assunto, associado aos temas como design thinking, canvas da proposta de valor, desenvolvimento do cliente, escalabilidade e rentabilidade do modelo selecionado bem como a curva de valor, ambiente externo e estratégias organizacionais serão alguns dos tópicos que abordaremos no workshop Inovação em Modelos de Negócios.  Nossa atuação é nacional e a agenda para os próximos workshops segue abaixo:

    1. Fortaleza - 28 e 29/3/2014 - Em parceria com a Action Coach

    2. Curitiba - 31/3 e 1/4/2014 – Em parceria com a ANPEI

    3. São Paulo – dias 3 e 4/4/2014 – em Parceria com ANPEI

    4. Salvador – dias 25 e 26/4/2014 – em parceria com Action Coach

    5. Rio de Janeiro – dias 9 e 10/5/2014 – em parceria com Micarelli

    6. São Paulo - 15 a 17/5/2014 - Em parceria com a ESPM SP

    7. Brasilia – 30 e 31/5/2014 – Em parceria com Hoc Futura

    8. Florianópolis - 6 e 7/6/2014 - Em parceria com Prospect

    9. Interessado em outra cidade que não consta nesta lista? Registre aqui

    10. Workshops in company? Sim, caso esteja interessado em realizar este evento para a sua equipe ou empresa, envie-nos um email para orofino.augusta@gmail.com que faremos uma proposta exclusiva, dentro das suas necessidades.

    Eu sou a facilitadora. Meu nome é Maria Augusta Orofino e este é o link para o meu curriculum.

    9Inovar não é algo natural porque nossa mente tende a seguir os padrões preestabelecidos. Mas inovar é pensar diferente e gerar valor. Uma inovação que o mercado não compra é apenas uma invenção. Dilemas diários nos levam a inovar. Pontos críticos do dia a dia nos levam a pensar em soluções diferentes que podem gerar inovações. Empreendedores em geral gostam de identificar problemas e onde existem grandes problemas, existe uma grande oportunidade de inovação. São questões como esta que tem movimentado empreendedores para criarem algo que faça sentido para as pessoas. E que colocaremos em prática nos nossos workshops. Apareça.

     

    viagem da inovação

    Innovation Learning Trip: último dia no Vale do Silício

    Nosso último dia no Vale do Silício teve uma programação intensa. Iniciamos com uma visita técnica ao centro de pesquisas em inovação da Universidade de Stanford – Stanford Research Institute, que fica situado na cidade de Menlo Park. Fomos recebidos por Alex Beaves diretor executivo da SRI Ventures e o bônus da visita foi encontrarmos no corredor com o CEO da SRI, Curt Carlson que parou e ficou conversando com a delegação brasileira.

    No curriculum de Mr. Carlson nada mais nada menos do que compor o conselho de inovação de Barak Obama e do atual governo de Singapura. A SRI é uma organização não governamental que atua de forma independente desde 1970. No portfólio apresenta inovações como o SIRI para a Apple, pioneirismo em robótica inteligente, pioneiros na internet com a criação dos domínios ponto com; ponto gov e ponto org. Entre tantas inovações tecnológicas, destaque para a consultoria de viabilidade para a implantação da Disney em 1950. Para quem se interessa pelo tema, vale pesquisar o site da instituição e conhecer o que já foi feito assim como grandes tendências com destaque para o BOLT – Broad Operational Language Translations, um sistema de tradução simultânea móvel pelo reconhecimento de voz sem conexão com a internet.

    O segundo ponto foi um tour por dentro da Universidade de Stanford que fica na cidade de Stanford. Localizado entre São Francisco e São Jose, no coração do Vale do Silício, esta Universidade é reconhecida como uma das principais instituições de ensino e pesquisa do mundo com 22 pesquisadores que receberam o prêmio Nobel. Fundada por Leland e Jane Stanford fundou a Universidade após perderem seu único filho que residia na Italia e partir de então investiram todos os recursos nesta instituição com o objetivo de promover o bem-estar público, exercendo uma influência em favor da humanidade e da civilização. Stanford abriu suas portas em 1891, e mais de um século depois, continua a ser dedicada a encontrar soluções para os grandes desafios do dia e preparar seus alunos para a liderança no complexo mundo de hoje. Sua arquitetura foi inspirada na região de Florença na Italia local onde o filho residia quando morreu.

    Stanford é uma cidade mesmo, com todos os serviços públicos próprios como prefeitura, bombeiros, policiamento etc e visita-la é um passeio lindo. Tudo é muito bem cuidado, com jardins lindíssimos, gramado impecável e um clima que respira informação. Sem contar as inúmeras obras de arte espalhadas pela cidade como as de Augusto Rodin que tem suas esculturas em diferentes pontos. Destaque também para o Cantor Arts Center, um museu com acesso gratuito a qualquer visitante.

    A etapa seguinte do nosso dia foi participar de um tour guiado pela d.School, a meca do design thinking. Impossível não se emocionar e concluir que é possível estudar e conhecer novas metodologias por meio de livros e internet e com o contato de bons parceiros. Revivi nossos workshops e captei todas as novas informações. Um sonho ver o local, com espaço para diferentes ferramentas para prototipagens, seções de ideação e muita criatividade. Salas com moveis mesmo. Tudo se move e muda de lugar. Nada é fixo, tudo pode mudar e o que vale é a experiência. Nada está errado, não há ganhadores e nem falhas, apenas o fazer.

     

    Próxima parada foi na TESLA, uma fábrica de automóveis elétricos com design arrojado e que apresenta como proposta de valor, carros que não poluem o meio ambiente. Silenciosos e com alta performance, esta empresa tem aparecido na lista de carros mais vendidos na região da Califórnia. A produção ainda é muito pequena com apenas 20 mil carros por ano, eles estão prototipando o modelo de negócio e identificando como podem ajudar este segmento de clientes.

     

    Fechamos o ciclo de visitas ao Vale do Silício com uma visita especial a Google onde fomos recepcionados por Pierre Cintra, um brasileiro que trabalha na empresa há seis anos e que nos mostrou esse mundo fascinante do Google que é isso mesmo que se fala. Uma empresa que valoriza o ser humano e oferece todas as condições para um bom ambiente de trabalho, as pessoas se agrupam por projetos e não existem “chefias”. Nada de títulos ou credenciais em cartões de visita, o traje é despojado e a criatividade é super estimulada. As empresas inovadoras vêm mudando a sua estrutura de hierarquia. Qualquer pessoa pode contribuir e ser ouvido.

    Encerramos esta experiência com vontade e determinação de aperfeiçoarmos o modelo e divulgar novas oportunidades para outros grupos a partir de 2014. Caso vocês tenham interesse em participar de uma missão como esta, envie um email ou deixe seu comentário que ficaremos felizes em lhe atender. Quero registrar meus agradecimentos às amigas Fernanda Bornhausen Sá e Ana Paula Bornhausen que tiveram a iniciativa de criar a Innovation Learning Trip. Tudo foi excelente.