Gestão do Conhecimento - Maria Augusta

Gestão do conhecimento para a modelagem de um ambiente inovador

The beginning of knowledge is the discovery of something we do not understand.
Frank Herber

Um ambiente inovador não é feito apenas de soluções tecnológicas, nem de uma arquitetura moderna. Ele nasce da mente de pessoas que desejam promover mudanças necessárias no mundo corporativo. A inovação é realizada por pessoas e também por técnicas que desenvolvam o conhecimento, a integração e a evolução constante. É por isso que cada vez mais se fala sobre gestão do conhecimento (GC) dentro das empresas.

Informação é, sem dúvida, um bem valioso. As organizações exponenciais (ExOs) que o digam! Elas coletam, analisam e armazenam dados que são o combustível de seus negócios. Na era do conhecimento, organizar e administrar o saber adquirido, compartilhá-lo e mantê-lo vivo é um dos grandes desafios das empresas que buscam a inovação.

Na teoria, a gestão do conhecimento é exatamente isso: um conjunto de metodologias e tecnologias que ajuda as empresas a organizarem suas informações. Todo o know-how é capturado, estudado e disseminado para quem precisa. O objetivo é impulsionar desempenhos, melhorar resultados, criar e recriar soluções que façam a diferença para empresa e clientes.

Se você acompanhou os conteúdos sobre Design Thinking (DT), pode estar tendo um déjà-vu. Mas é isso mesmo: DT e gestão do conhecimento são abordagens complementares. Enquanto o DT busca o desenvolvimento e aprimoramento das soluções de uma empresa, a gestão do conhecimento quer garantir a difusão do conhecimento adquirido por todos os processos internos. Essas duas abordagens compõem um ciclo de novos conhecimentos e soluções.

Ficou confuso? Na prática, é mais fácil de entender. Mas na prática de verdade, feita com a reunião de pessoas em um ambiente aberto para questionamentos, ideias e criatividade. Em um ambiente que impulsione ideias para testes, testes para melhorias, melhorias para atender os desejos e necessidades dos clientes. Os resultados aparecem quando essas técnicas são aplicadas corretamente e com o compromisso de serem revistas. O processo de inovação é constante.

Para uma organização estudar novos bens e serviços, ela precisa primeiramente de informação. Como é feito hoje, como o mercado espera que seja feito, como a empresa pode melhorar? A partir dos dados, tão valorizados pela gestão do conhecimento, é que começam os estudos. Temos vários métodos para organizar esse processo criativo necessário para inovação das empresas, e um deles é o DT. Para acompanhar essa conversa, vale a pena resgatar nossos conteúdos sobre Design Thinking.

Gestão do conhecimento nas empresas: por onde começar?

A interação entre pessoas, tecnologias e processos é o suporte para uma organização executar novas e complexas tarefas. Ao gestor compete coordenar os diferentes níveis de conhecimento entre os integrantes de um grupo. Isso é feito com o compartilhamento da informação, considerando que é através de pessoas que a informação pode ser interpretada e transformada em conhecimento.

Dados, informação e conhecimento dependem do contexto em que se encontram. A perspectiva com que são observados pode apresentar diferenças no conceito, já que o significado é uma interpretação a partir de um paradigma pessoal. Ou seja, depende de cada indivíduo em particular. Dados são considerados fatos novos, a informação é um conjunto organizado de dados e, por sua vez, conhecimento é percebido como uma informação com sentido.

Sendo assim, a informação se torna conhecimento e recebe um significado quando é interpretada pelas pessoas em um contexto específico, tendo por base suas crenças e seus compromissos. Por sua vez, o conhecimento é fundamentado naquilo que é valor para os indivíduos, é intangível, subjetivo, sem limites e dinâmico. O conhecimento surge da interação entre as pessoas e acontece em um determinado ambiente.

Como todo processo de gestão, a transformação de dados em conhecimento tem um caminho a ser seguido. Para isso, usamos métodos e abordagens que facilitem a compreensão das pessoas, a organização das informações e a comunicação desses processos. Algumas etapas importantes para a gestão do conhecimento:

Problema em estudo: o que motiva a busca por novas soluções? Pode ser um problema, uma mudança repentina de mercado ou uma tendência que gera oportunidades.

Idealização: o momento de parar e pensar em ideias, no qual se aplicam abordagens como DT e Business Model Canvas. A idealização é colaborativa, requer a reunião de pessoas dispostas à criatividade.

Experimentação: é testando que se aprende, que se erra e se ajusta antes das soluções chegarem ao mercado. Testar economiza dinheiro e refações!

É claro que tudo isso só faz sentido quando existe um ambiente colaborativo. Como já comentei no texto sobre negócios colaborativos, quanto mais ousado o propósito de uma organização, mais ela precisará criar comunidades e parcerias para ter sucesso. Além disso, a gestão do conhecimento pede habilidades de união e comunicação para que os processos internos sejam coletados, estudados e melhorados.

Aqui neste link você pode obter o nosso ebook que aborda como Gestão do Conhecimento e o Design Thinking ajudam a sua vida e o aprimoramento do seu negócio.

Você já viveu alguma experiência interessante sobre esses assuntos? Compartilhe sua opinião conosco.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *