Intraempreendedorismo como nova forma de investimento

Intraempreendedorismo como nova forma de investimento

A inovação é o que faz as empresas se manterem atuais e terem sucesso constante. Há uma nova maneira de se pensar a inovação chamada Corporate Venture ou intraempreendedorismo inovador. Ela está ganhando mais confiança das grandes companhias e tem sido a aliada para inovação de produtos e criação de valor para a marca e seus clientes. As empresas podem ter todos os pré-requisitos para inovar, mas algumas vezes a oportunidade de inovação não ocorre. Por isso decidem investir em start ups para garantir inovação. Grandes corporações, como Intel, Dell e Microsoft, já aderiram à facilidade do Corporate Venture.

Entenda como essa nova tendência pode mudar o formato tradicional de investimentos

Menor contratação

Setores que necessitam de uma área de pesquisa e desenvolvimento com muitas pessoas podem ser diminuídos caso a empresa decida pelo corporate venture. Da mesma forma, o intraempreendedorismo diminui os custos pois busca empreendedores dentro da própria empresa. Neste caso, a tarefa de inovação pode ser de responsabilidade das mesmas pessoas que têm outras tarefas. Os encargos da empresa perante os funcionários diminuem, assim como também os riscos, pois o mesmo funcionário é responsável por mais  tarefas. Esse é o caso de empresas farmacêuticas, de tecnologia e de comunicação.

Investimento no empreendedorismo

O intraempreendedorismo também é conhecido como a administração da mudança. Como as empresas já selecionam profissionais criativos e inovadores, nada melhor do que esses profissionais poderem fazer uso dessas habilidades e inovar em processos e produtos. O intraempreendedor pode ser o responsável pelo projeto desde sua criação até a aplicação final. Nesse caso, a companhia pode optar por dar uma recompensa ao gestor dos projetos que beneficiaram a empresa de certa forma. No caso do corporate venture, o empreendedorismo das pequenas empresas a inovação desses empreendedores que é beneficiada, pois a empresa investe dinheiro para ter ideias como resultado.

Valorização dos talentos

Os profissionais que estão alocados dentro das grandes corporações estão sempre em busca de oportunidades para inovar. As empresas devem buscar os seus talentos escondidos e valorizá-los. Muitas vezes as pessoas que olham para um processo diariamente pensam em formas de torná-lo mais ágil e menos dispendioso. Investir em ações que reduzam o desperdício poder ser muito lucrativo para a empresa a médio e longo prazo. Por outro lado, as pessoas que não conhecem os processos podem ter ideias totalmente inovadoras, e esse é um motivo para investir na corporate venture.

Consciência sobre os riscos

É importante salientar que toda a empresa que investe em inovações corre riscos. E isso pode ocorrer mesmo quando a inovação vem de dentro da empresa ou quando se investe em startups.  Ao dar a liberdade para os funcionários inovarem, você precisará dar o apoio financeiro e de pessoal para que o projeto ande. Assim como em casos de terceirização, projetos que nascem dentro da empresa podem ou não dar certo, mas sem investimentos o fracasso será inevitável. Lembre-se de que a vantagem de investir em um intraempreendedor ou em uma empresa startup, é o conhecimento que eles tem quanto aos processos, serviços e à própria cultura da empresa.

O lugar onde você trabalha está preparado para ter um intraempreendedor? Ao apostar nesse modelo de trabalho, crie a cultura da inovação dentro da empresa, estimulando todos a darem ideias, entendendo os projetos que não deram certo e destacando casos de sucesso.

Corporate Venture: Algumas razões para as grandes empresas darem mais atenção ao intraempreendedorismo

Maria Augusta OrofinoChamamos de Intraempreendedor um colaborador a quem é dada a autoridade e apoio para criar um novo produto sem ter que se preocupar se o produto vai realmente se tornar uma fonte de receita para a empresa. Ao contrário de um empresário, que enfrenta risco pessoal quando um produto deixa de produzir receita, um intraempreendedor continuará a receber um salário, mesmo que o produto deixe de ser produzido.

Conhecida também como Corporate Venture, esta prática conquiste não apenas no investimento financeiro, mas também no apoio total do projeto por parte da empresa com tecnologia, ferramentas de gestão, força da marca etc. Apesar de trazer inúmeros benefícios, o Corporete Venture ainda é praticado por poucas empresas. Talvez o primeiro empecilho seja justamente o conhecimento destes benefícios.

Como sua empresa lida com os empreendedores internos?

6 razões para que grandes empresas incentivarem o intraempreendedorismo:

1 – Incentivo à inovação

Pessoas altamente qualificadas trabalham diariamente nas grandes empresas, porém estão submetidas a uma série de regras estabelecidas para que o dia a dia corporativo seja produtivo e lucrativo.  Ao oferecer tempo e recursos para que os colaboradores criem novos produtos e serviços, os gestores estão se abrindo para novas perspectivas e liberando a criatividade dos profissionais para que estabeleçam novas formas de fazer.

A inovação no modelo de negócios, bem como em processos, produtos e serviços torna as empresas mais competitivas e modernas.

2 – Melhoria contínua

Ao permitir que os colaboradores dediquem parte do dia a dia de trabalho para perseguir seus interesses, as empresas geralmente são surpreendidas com melhorias em seus processos, pois os profissionais têm mais espaço para a experimentação e estão mais abertos às tentativas e erros.

3 – Ganho de mercado

Com a criação de novos produtos e serviços, a empresa que incentiva o intraempreendedorismo consegue se manter relevante, oferecendo novidades que vão de encontro com as demandas do mercado. Também consegue ter mais know-how para responder mais rapidamente as transformações que o mercado sofre.

4 – Atração e retenção de talentos

As áreas de recursos humanos de empresas dos mais variados segmentos de mercado enfrentam problemas com atração e retenção de talentos, especialmente em áreas ligadas à estratégia de negócios, tecnologia e marketing. Ao ter a chance de desenvolver novos produtos e serviços, os colaboradores passam a se engajar mais e se sentirem mais motivados a permanecerem por mais tempo no quadro de talentos da empresa, diminuindo assim o turnover e a escassez de mão de obra.

5 – Desenvolvimento do espírito de equipe

Um dos grandes desafios da gestão de pessoas é fazer com que os profissionais trabalhem mais em equipe e, com isso, entreguem melhores resultados. Com um bom programa de incentivo ao intraempreendedorismo é possível incentivar a colaboração, formando times para a elaboração de novas ideias que possam a se tornar negócios.

6 – Blindagem contra queda de faturamento

Ao ter inúmeras possibilidades de se posicionar no mercado com os produtos e serviços criados pelos funcionários a um custo relativamente mais baixo do que a aquisição de outras empresas, as organizações que investem em intraempreendedorismos conseguem se manter competitivas também em tempos de recessão.

Se os produtos que tradicionalmente elas costumam produzir e comercializar sofrerem uma baixa, há opções de reposicionamento.

Sua empresa incentiva o intraempreendedorismo? Compartilhe sua experiência conosco!

Empresas brasileiras, exemplos de inovação

maria augusta orofinoUm movimento especial, provocado pelo surgimento de startups, vem transformando o ambiente de negócios no Brasil. Essas empresas de base tecnológica, que nascem com uma ideia inovadora e buscam um modelo de negócio escalável se tornam cada vez mais comuns e apresentam resultados de sucesso. No cenário internacional, algumas empresas já solidificadas e líderes em seus segmentos, como o Google, Yahoo, Ebay, Apple, Facebook já foram startups ou começaram dessa maneira. No Brasil, algumas empresas como Buscapé, Totvs, Móvile, Social Base, Chaordic, Agriness, entre outras, possuem negócios representativos em seus segmentos e começam a despontar também nos mercados externos.

Na visão de especialistas, o ambiente para o desenvolvimento de startups no Brasil tem evoluído muito na quantidade e qualidade de projetos. Atualmente, percebe-se um esforço conjunto dos governos, investidores, investidor anjo – aquele primeiro investidor que aposta no negócio – as universidades que fomentam o empreendedorismo, as aceleradoras, escolas de desenvolvimento de negócios e comunidades locais para criar modelos de negócios de sucesso. Isso, em parte, porque as startups têm sido uma das principais fontes de inovação, criando novas tecnologias no País.

Para os empreendedores que pensam em começar uma startup, é importante saber que não basta ter uma ideia, é preciso implementá-la. Muitas vezes, quem tem uma ideia de negócio costuma viver uma ilusão de que sua ideia é fantástica e, por isso, não quer mostrá-la com medo de alguém roubá-la. Mas, a verdade é que ideia vale pouco, pois geralmente não é exclusiva. O que vale mesmo é a capacidade de colocar a ideia em prática. E nesse caminho, o empreendedor deve ser, acima de tudo, bom ouvinte. É essencial ouvir clientes, parceiros e sócios. E através dessas opiniões, mudar o modelo de negócios quantas vezes forem necessárias.

Conheça agora uma breve história de empresas que começaram genuinamente brasileiras e que vem se destacando nos negócios nos cenários nacional e internacional:

Buscapé

Em 1999, Romero Rodrigues e outros quatro amigos fundaram o Buscapé, maior site comparador de preços do Brasil e uma das mais bem sucedidas empresas de internet do país. Ao longo dos anos, Romero, que hoje é CEO do Buscapé, teve diversos aprendizados sobre seus erros e acertos. A empresa Buscapé foi a quinta tentativa de negócio de Romero. No começo, ele escutava que seu projeto de comparação de preços online era “coisa de louco”. A persistência de Romero foi grande e apesar do seu negócio ter demorado para cair nas graças do mercado, o site foi vendido recentemente na terceira maior transação de empresas do ramo digital na história do país. Mais tarde, a Buscapé fundiu-se com o concorrente Bondfaro e criou uma gigante no ramo.

Totvs

Empresa brasileira líder em software, inovação, relacionamento e suporte à gestão. A empresa foi fundada por Ernesto Haberkorn. Primeiramente, ele começou a Siga (Sistema Integrado de Gerência Automática), que depois evoluiu para a Microsiga e, finalmente, Totvs. O nome da empresa vem do latim e significa “tudo” ou “todos”. Hoje, a TOTVS é a maior fabricante de softwares aplicativos sediada em países emergentes e a 6ª maior do mundo. É líder absoluta no Brasil, com 55,4% de participação de mercado e na América Latina, com 35%, segundo o Instituto Gartner. A empresa tem mais de 26 mil clientes ativos e aproximadamente 12 mil participantes em unidades próprias e franqueadas, com presença em 39 países, também por meio de unidades e franquias.

Agriness

Há 11 anos no mercado, a Agriness é referência em soluções e modelos de gestão da informação para o agronegócio, com forte atuação na suinocultura brasileira e líder de mercado no setor. A empresa foi fundada pelos irmãos Elton e Everton Gubert, naturais de Xanxerê, um forte pólo agropecuário em Santa Catarina. Eles cresceram em meio a inúmeras granjas de suínos e nem imaginavam que teria uma empresa que pudesse contribuir com os suinocultores de sua cidade natal.  A Agriness vem se consolidando como uma empresa de inteligência de negócios e referência em gestão, tendo em seu portfólio de clientes e parceiros: suinocultores, integradoras, cooperativas, agroindústrias, instituições de ensino e pesquisa, associações e empresas de nutrição, genética e sanidade. Atualmente, a empresa atende mais de 1.400 clientes no Brasil, gerenciando mais de 1.100.000 matrizes suínas – e está presente em oito países, exportando tecnologia para toda a América Latina e alguns países da Europa.

Móvile

É líder em desenvolvimento de plataformas de comércio e conteúdo móvel na América Latina. Com produtos para celulares, smartphones e tablets, a empresa entrega facilidade e diversão na hora de pagar. O fundador da empresa, Marcelo Sales, começou no mundo dos negócios vendendo sucos de uva. Assim, ele começou a perceber as diversas conexões que movem a vida e com esses conceitos ele se transformou no fundador da Movile e da aceleradora de negócios 21212.com.

Chaordic

A empresa trabalha para promover o encontro entre as pessoas e o que elas vão gostar. Com esse conceito, personaliza ofertas para e‑commerce e lojas virtuais. Hoje, 15 dos 20 maiores e‑commerces do Brasil são clientes da Chaordic.

Gostou do tema? Este espaço sempre está aberto para troca e compartilhanemento de ideias.

Por que grandes empresas devem estimular a inovação através do Corporate Venture?

2012-10-29 08.19.13
O mundo empresarial está cada vez mais competitivo. Todos os anos, o Brasil registra novas empresas que compõem o mercado e que lançam novos desafios ao cenário corporativo. Quem pensa que esses problemas afetam apenas micro e pequenas empresas está enganado. Grandes empresários também precisam manter-se constantemente atentos às mudanças para promover o crescimento do seu negócio.

Para se manterem competitivas, é comum que as empresas busquem novas estratégias que as diferenciem dos seus concorrentes. Mas quem trabalha constantemente na linha de frente sabe que achar inovações de sucesso não é uma tarefa fácil. Para enfrentar esses problemas, grandes empresas têm estimulado a inovação através do Corporate Venture.

O Corporate Venture, ou Corporate Venturing, é um novo modelo de empreendedorismo nas empresas. O conceito veio do venture capital, ou capital de risco, criado nos Estados Unidos por volta do ano de 1940. A ideia era estimular o investimento de capitalistas através da aquisição de porcentagens das empresas, como se fossem se tornar sócios. A diferença é que esses capitalistas são outras empresas, que responsabilizam-se pelo investimento. No Brasil, a estratégia chegou nos anos 90 e entre 2002 e 2012 foi ganhando destaque no mundo corporativo.

Por que utilizar a metodologia Corporate Venture?

Como as empresas fazem investimentos em outras companhias, o objetivo principal do Corporate Venture é estimular a inovação e contribuir para que novas ideias possam ser, além de gerada, nutridas e acompanhadas. Ou seja, a metodologia ajuda as empresas a desenvolverem novos projetos com mais tempo e menos concorrência.

Além disso, para a empresa que investiu, há um acesso às novas ideias que poderia não acontecer dentro da sua própria companhia. A troca de experiências pode ser muito vantajosa, e o retorno financeiro também pode se mostrar lucrativo ao final do projeto.

Se o Corporate Venture for aplicado dentro da própria empresa, como forma de estimular o intraempreendedorismo, o benefício está em estimular novas ideias na equipe interna, permitindo que os colaboradores sejam inovadores e possam se sentir valorizados.

Empresas que aplicam Corporate Venture

No Brasil, existem diversas companhias de grande porte que utilizam a metodologia do Corporate Venture para estimular a inovação. Essas empresas possuem divisões de novos negócios internos para manter o crescimento no mercado. São elas: Intel, Telefônica, Votorantim, Odebrecth, 3M, entre outras.

Com grandes marcas fazendo o uso do Corporate Venture, é cada vez mais certo que essa aplicação contribui e garante novas inovações para o mundo corporativo. Para as empresas que ainda estão no início, sugerimos estudar sobre o método e considerar a sua aplicação para estimular a inovação dentro da sua companhia.

Você faz o uso de alguma ferramenta para inovar na sua empresa? Compartilhe sua experiência, comentando conosco.

Corporate venture: como sua empresa pode se beneficiar disto?

2012-10-24 05.04.14
O conceito de corporate venture ou empreendedorismo corporativo não é novo, mas a modalidade de investimento têm ganhado cada vez mais adeptos, o que significa grandes oportunidades para empresas com um perfil inovador, que tem a capacidade de propor não somente novos produtos e serviços, mas novos negócios. O corporate venture consiste no investimento de fundos corporativos diretamente em empresas startups, que pode resultar (ou não) em participação, e que além de recursos financeiros, pode também disponibilizar mentoring gerencial e de modelos de negócios.

Para as startups, empresas nascentes, mas normalmente com um perfil altamente inovador, isso representa acesso a importantes recursos, sem entretanto engessá-la em uma estrutura muito mais formal e burocrática de uma grande organização. Na verdade, trata-se de uma relação mutuamente benéfica, pois a flexibilidade e agilidade das startups confere às grandes organizações uma capacidade de inovar e propor novos modelos de negócios que possivelmente não teriam condições de prosperar em seu ambiente já estabelecido.

Impulsionando a inovação

O modelo de corporate venture se diferencia do venture capital tradicional, onde existem fundos de investimento que lidam com os riscos de novos negócios, mas que estão buscando um retorno em um determinado prazo. Além de representar um investimento direto por parte da corporação, o objetivo é muito mais de fomento à inovação e o estabelecimento de novas frentes de negócios. É comum que as startups impulsionadas por corporate venture sejam posteriormente absorvidas ou venham a integrar um grupo econômico formado pelas organizações que nela investiram.

O que ocorre na prática é uma alavancada para oportunidades de negócios inovadoras. Ambos os lados ganham, de formas que extrapolam apenas o lado financeiro. Benefícios estratégicos podem ser derivados das alianças que orbitam o corporate venture, gerando receitas adicionais e redução de custos para ambos os lados, além de permitir negócios que, individualmente, talvez não se concretizassem.

Grandes nomes

O conceito de corporate venture já existe há muito tempo nos Estados Unidos e Europa, e começa a ganhar cada vez mais força no Brasil. Cabe destacar que não está restrito a uma área específica, pois não lida tanto com a inovação sob o ponto de vista de tecnologia, mas sob a ótica de novas frentes de negócios.

Internacionalmente, nomes como Intel, IBM, Google, Telefónica e 3M são nomes consolidados no corporate venture. No Brasil, a lista conta com nomes como Braskem, Cemig, Promon, Votorantim, Odebrecht e Grupo Bandeirantes.

Pode se dizer que o corporate venture tem tido grande apelo em setores de grande crescimento. O dinamismo e capacidade de inovar que novos entrantes têm demonstrado nesses setores têm o potencial de desafiar as grandes empresas já estabelecidas. Dessa forma, o corporate venture torna-se uma forma de equalizar interesses e transformar em uma relação de ganho mútuo uma que tenderia a ser de concorrência.